AveSui2021
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biogás

Usina a biogás em PG recebe aporte de R$ 12 milhões

Usina vai receber os resíduos orgânicos e transforar esse "lixo" em energia capaz de suprir a demanda dos prédios públicos

A Rede
21-Dez-2020 10:20

Está em fase de conclusão, no Distrito Industrial de Ponta Grossa, a Usina Termoelétrica a Biogás. Construída pela Ponta Grossa Ambiental (PGA), a unidade recebe um investimento de R$ 12 milhões, com capacidade de receber até 33 toneladas de resíduos orgânicos por dia.

Nesta sexta-feira (18), o prefeito Marcelo Rangel esteve fazendo uma visita no local, e apresentou mais detalhes em uma rede social, diante da presença de Marcus Borsato, diretor presidente da PGA. A previsão é de que a usina, que terá potência instalada de 520 kW, entre em operação no início de 2021. 

O local conta com inúmeras estruturas para fazer a reciclagem e transformar os resíduos orgânicos em energia. Há um galpão que faz o recebimento do resíduo e a triagem; há as estruturas dos biodigestores, onde ocorre a geração do gás, e a central, onde o gás é convertido em energia, a qual é transferida para o sistema nacional. O local também possui um moderno laboratório de biogás para fazer pesquisas.

A PGA irá operar a usina por 15 anos, e ao final do contrato, entregará a usina funcionando para Prefeitura. As obras foram iniciadas em agosto deste ano, e devem ser concluídas em janeiro de 2021, começando a operar com dois biodigestores.

Marcus Borsato explica os processos: “O galpão recebe os resíduos, que serão levados para a composteira. O caminhão chega e despeja na moega, que tem capacidade para toda uma carga de caminhão. Aí há a esteira, que leva para o ‘rasga saco’, que rasga as sacolas e o lixo vai para uma peneira: o que passa pela peneira é orgânico. Aí o resíduo vai para outra moega e depois sai em um carrinho, que sobe em um elevador e é basculado para ser triturado”, disse.

AveSui2021_dentro

Depois, esse resíduo vai para o tanque de equalização, e, na sequência, o resíduo misturado com água vai para os biodigestores. “É onde as bactérias produzem o biogás. Elas digerem a matéria orgânica e transformam toda matéria orgânica em gás, que é o que vamos utilizar nos grupos geradores para produzir energia elétrica”, completou. 

Toda energia produzida nesse período é da Prefeitura de Ponta Grossa. De acordo com Borsato, a energia gerada será capaz de suprir a demanda do poder público municipal. “É energia elétrica para ser usada nos prédios da prefeitura, escolas, postos de saúde, hospitais, todos os ginásios de esporte.

A usina tem capacidade para atender a maior parte da energia consumida pelo município”, disse, porém, sem detalhara capacidade de geração energética instalada. Rangel reforça que isso trará benefícios a todos os ponta-grossenses. “A prefeitura não vai pagar mais luz, as escolas não vai mais pagar luz, isso representa mais dinheiro em caixa para fazer obras”, destacou o prefeito.

Como a operação é 100% automatizada, neste primeiro momento, serão 6 vagas de emprego geradas. Futuramente, mais dois biodigestores, de 1000 m³ cada, poderão ser instalados, chegando a potência total instalada de 1040 kW.

Empresário destaca ineditismo do projeto no modelo público

Marcus Borsato destaca que essa é uma iniciativa inédita, que ele diz não conhecer nada igual no Brasil e em outros países. “Isso só existe na iniciativa privada, usando resíduo da iniciativa privada. Neste modelo, conhecemos só essa”, informou.

AveSui2021_dentro

O secretário municipal de Meio Ambiente, Paulo Barros, por sua vez, ressaltou alguns dos reflexos positivos do investimento. “É uma obra sustentável. Vamos deixar de enviar resíduos orgânicos para o aterro, vamos ganhar dinheiro com esse resíduo, vamos gerar menos gás no efeito estufa. Então, em sustentabilidade, é a maior obra do nosso governo”, reforçou.

Assuntos do Momento

Biodiesel de papelão: nova aposta tecnológica promete mais produção e menos poluição
11 de Janeiro de 2021
Inovação

Biodiesel de papelão: nova aposta tecnológica promete mais produção e menos poluição

Segundo os criadores, com a nova abordagem, é possível dobrar a produção e reduzir impactos ambientais

Cerveja Heineken® anuncia novo ingrediente: energia verde.
11 de Janeiro de 2021
Empresas

Cerveja Heineken® anuncia novo ingrediente: energia verde.

Em 2023, o Grupo HEINEKEN no Brasil tem o compromisso de operar em todas as cervejarias do país com energia 100% renovável.

AveSui2021_dentro
Gabinete aprova pacto entre Índia e Brasil para cooperação em bioenergia
11 de Janeiro de 2021
Cooperação

Gabinete aprova pacto entre Índia e Brasil para cooperação em bioenergia

Atualmente, Brasil é o segundo maior produtor e consumidor mundial de biocombustíveis e biocombustíveis

Nordex fecha venda de turbinas para parque eólico da Statkraft no Brasil
14 de Janeiro de 2021
Energia eólica

Nordex fecha venda de turbinas para parque eólico da Statkraft no Brasil

A Nordex disse que o negócio fechado junto à Statkraft envolverá turbinas eólicas de seu modelo N163/5.X que somarão capacidade total de 518,7 megawatts.

Avança a cooperação técnica entre a Castrolanda e as Nações Unidas
14 de Janeiro de 2021
Energia limpa

Avança a cooperação técnica entre a Castrolanda e as Nações Unidas

Cooperativa, através do Setor de Energia, tem buscado alternativas sustentáveis com relação ao desenvolvimento do biogás em suas regiões de atuação.

Siemens Gamesa e Siemens Energy inauguram uma nova era de produção offshore de hidrogênio verde
14 de Janeiro de 2021
Hidrogênio Verde

Siemens Gamesa e Siemens Energy inauguram uma nova era de produção offshore de hidrogênio verde

Iniciativa representa um passo importante para desenvolver um sistema em escala industrial capaz de produzir hidrogênio verde a partir de ventos offshore

Mais assuntos do momento