AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Um dos cenários é de boa melhoria nos preços

Por Marcos Fava Neves

Marcos Fava Neves

Marcos Fava Neves é Professor Titular da Faculdade de Administração da USP, Campus de Ribeirão Preto. Especialista em planejamento estratégico do agronegócio ([email protected]).

08-Mai-2019 08:51

Sinto um cheiro de virada no ar, pela dança dos fatos e números que trago nesta minha análise do mês de abril. Vamos aos números, começando pelo Rabobank, que estima déficit global de 4,3 m.t. de açúcar na safra 2019/20, com queda da produção indiana (cerca de 2,2 milhões menor). Para o final da safra 2018/19 é estimado um superávit de 1,1 m.t. Preços nesta safra ficariam entre 11,5 a 14 centavos de dólar por libra-peso, com consumo crescendo 1,4% e os estoques, ao final, estando em 39% das necessidades anuais. A safra 2019/20 deve ficar entre 560 a 570 m.t. de cana produzindo ao redor de 28 a 29 m.t. de açúcar.

Pela S&P Global Platts o déficit na safra mundial 2019/20 será 1,93 m.t. e a safra 2018/19 terá superávit de 5,55 m.t. Bem diferente do Rabobank. Segundo a INTL FCStone o déficit de açúcar na safra 2018/19 será de 0,3 m.t.. A última estimativa era de 0,7 m.t.. Serão produzidas 185,7 m.t. de cana, valor 3,3% menor que o de 2017/18. No caso do consumo mundial de açúcar, será 1,2% maior, totalizando 186,0 m.t. (valor bruto). Para a LMC, o déficit de açúcar nesta safra ciclo será de 3 m.t., contra um superávit de 1,5 m.t. na atual.  Segundo a Archer o Centro-Sul produzirá 26,9 m.t., abaixo das 28,5 m.t. de 2018/19. O mix será de 36% para açúcar e teremos 572 m.t. de cana, com 29,5 bilhões de litros de etanol em 2019/20.

Pela Canaplan, teremos 27 a 28 m.t. de açúcar (26,5 milhões no ciclo anterior) e 27 a 28 bilhões de litros de etanol, com mix de 38% (35,2% na safra anterior) e safra de 555 a 580 m.t. de cana (573 em 2018/19). Para a SCA produziremos 27,32 bilhões de litros de etanol (17,97 de hidratado e 9,35 de anidro) ficando abaixo dos 30,08 b.l. de 2018/19. Para o açúcar a SCA espera 28,92 m.t.. Já a ED&F Man acredita em 29,3 m.t. de açúcar, com alocação de 39% da cana. Serão fabricados 28,9 bilhões de litros de etanol. A safra deve ser de 577 m.t..

Para a UNICA a safra ficará ao redor de 570 milhões, com duas toneladas a mais por hectare (de 73,5 t/ha, para 75,5 t/ha), mas com queda de um quilo de açúcar por tonelada, com mix de 62% (65% na safra anterior).

Em relação aos custos, notícias tristes. Estudo do Pecege/Orplana/CNA mostra que o custo médio para se produzir uma tonelada de cana nesta safra que se encerrou foi R$ 103,83 por tonelada, muito acima do preço recebido, de R$ 78/t. Foram colhidas menos toneladas por hectare (77 contra 80). Segundo a Orplana, em 11 anos os custos de produção subiram 177,4% e a produtividade caiu 12,5%. Custo mais alto e preço mais baixo, pois o CEPEA fechou as análise de preços médios recebidos na safra 2018/2019, que acabou em 31 de março. No caso do açúcar cristal, o preço médio foi de R$ 62,57/saca 50kg, valor 7,75% menor que o da safra anterior. No caso do hidratado e anidro a queda foi de 4%. Segundo a Archer, o endividamento do setor é de R$ 100 bilhões, 12% acima do início da safra passada e quase 180 reais por tonelada de cana processada.

Em relação aos preços do açúcar, segundo a Archer, cerca de 49% da produção desta safra que será exportada já foi fixada a um valor médio de 13,08 centavos de dólar por libra-peso, o que corresponde a R$ 1.158,95/t. O preço médio do açúcar nesta época do ano nas safras de 2014/15 até a 2018/19 foi de R$ 1.334/t, portanto o preço de agora (R$ 1.134/t.) está 15% menor que a média destes anos. Cálculos da empresa mostram que para usinas eficientes, os custos de produção (sem custo financeiro) seriam de 9,10 centavos de dólar por libra-peso no Brasil, 13,27 na Tailândia, 16,17 na Europa e 17,2 cents na Índia.

Em 2018/19 batemos recorde de produção de etanol com 30,9 bilhões de litros (21,8 bilhões de hidratado e 9,1 bilhões de anidro), um crescimento de quase 40% no hidratado, graças a preços comparativos favoráveis (pela ANP em 2018 a média do Brasil foi de 66%, com a gasolina a R$ 4,40/l e etanol a R$ 2,60/l). Segundo a ANP foram vendidos nos postos 20,7 bilhões de litros de hidratado na safra 2018/19. São Paulo representa 51% e Minas Gerais 13%, ou seja, praticamente 2/3 do consumo.

Nos primeiros 15 dias de abril foram vendidos pelas Usinas no Centro Sul 863,2 milhões de litros de hidratado, 44% a mais. Os preços em abril ficaram quase 4% maior que os de março, ao redor de R$ 1,84/l ao hidratado. As vendas de anidro caíram de 324 milhões de litros para 306 milhões.

Na visão de longo prazo, segundo a EPE em 2030 nossas importações de derivados de petróleo serão de 700 mil barris por dia, 40% a mais que o valor atual (500 mil barris diários). Nossa produção de petróleo chegará a 5 milhões de barris por dia, o dobro da atual. Este excedente será exportado caso investimentos em refino não aconteçam. A EPE crê que a produção de etanol salte de 34 para 49 bilhões de litros, e a de biodiesel de 5,4 para 11 bilhões.

Finalizando... qual seria a minha estratégia agora em maio/junho com base nos fatos?  Apresento aqui um dos meus cenários, que hoje coloco mais chances de ocorrer e o que recebe minha torcida: a gasolina neste ano já subiu entre 25% a 30%, e se o petróleo continuar neste patamar fará com que novamente as usinas priorizem o máximo possível para o hidratado, tirando mais açúcar ainda do mercado mundial. Os números iniciais não são balizadores, afinal moeu-se 40% a menos, mas os dados da primeira quinzena de safra mostraram que  mas o mix para etanol pulou de 68,6% para 76,4% corroborando esta chance.

Há uma leitura no açúcar que as safras dos nossos concorrentes serão menores e teremos déficits no ciclo de 2019/20. Este déficit deve ser maior com minha hipótese de safra ainda mais alcooleira no Brasil.

Em volume de cana, as estimativas ficam entre 560 a 590 m.t., lembrando que pesquisadores da UNESP creem em cana mais fibrosa e com menos caldo e produtividade menor, pois faltaram chuvas em período importante do crescimento. Este cenário que montei é altista de preços para o açúcar e se os preços do etanol hidratado não caírem sensivelmente naquele movimento tradicional de início, destruindo valor do setor de safra teremos recuperação no valor do ATR. Minha estimativa hoje é que fecha a safra em R$ 0,64/kg. Minha estratégia hoje é a de reter o máximo possível o que for sendo produzido e os estoques de etanol e açúcar.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade