AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Travessia Sustentável - Coriolano Xavier

Coriolano Xavier

Membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

12-Dez-2016 08:53

O Relatório Anual do FMI (Fundo Monetário Internacional), sobre a situação econômica de seus países-membros, saiu em novembro e projeta para o Brasil uma tímida expansão do PIB (Produto Interno Bruto) nos próximos anos: 0,5% em 2017, 1,5% em 2018 e 2% em 2019. Não chega a ser novidade, pois o governo brasileiro já vinha acenando com uma redução nas expectativas de crescimento e passou a falar em 1% para 2017. O horizonte, enfim, é de uma recuperação bem gradual, passo a passo, contando com o ajuste fiscal e as reformas econômicas. Otimismo, só se a agenda das reformas ganhar velocidade, acelerando a recuperação.

Os dados do FMI recomendam atenção: projetam para o Brasil um déficit primário de 2,7% do PIB este ano e de 2,3% em 2017, com o país só retornando a um superávit primário em 2020. Ou seja, a tendência é permanecer uma política monetária apertada, até a volta das contas nacionais ao positivo. Enquanto isso, o agro vai bem: rota ascendente na média dos últimos anos, balança comercial a favor, previsão de safra recorde e avanços estruturais começando a andar. Os riscos, talvez, fiquem com a incerteza política do país, a desaceleração chinesa ou os efeitos de uma eventual onda protecionista, com Trump. Mas no geral o setor mostra ser uma ilha sustentável de sucesso na economia brasileira, até onde se pode ver.

Como então devem se comportar os gestores do agro, em meio a um ambiente macro econômico debilitado e tentando a recuperação?  Que atitudes competitivas pode o agronegócio enfatizar, diante dessas duas faces da moeda chamada Brasil? Que olhar estratégico privilegiar? Investir em inovação ou ampliação, para sair alavancado da crise, mais competitivo que o padrão do seu setor ou de competidores específicos?  Gerar mais eficiência na estrutura atual, aliviando a travessia com vantagens comparativas?  “Colocar na banguela” e aproveitar a inércia, pensando só em proteger-se?

Buscar a maior eficiência dos recursos claro que é importante em qualquer situação, mais ainda com incerteza macroeconômica. Prova disso, aliás, está no próprio agro, onde vemos setores se consolidando cada vez mais pela substituição dos ineficientes, do que pela chegada de novos empreendedores. Mas o mundo hoje é outro. Os ciclos de inovação estão cada vez mais curtos e perde-los significa, em geral, perder competitividade. Nosso agro é referência mundial em avanço tecnológico e manter essa posição requer atitude voltada à inovação. Dar passos à frente. Estar na dianteira em investimentos, tecnologias e capacitação das equipes.

No campo, no dia a dia da produção, isso tem a ver com aprimorar a gestão dos custos, vendo onde é possível cortar sem comprometer resultados de médio e longo prazo. Também focar na melhoria daqueles processos que impactam, diretamente, uns 70% do resultado final. E, se houver fluxo de caixa positivo, lembrar que agora pode ser a hora de investir, pois o reflexo deve ocorrer um ano depois ou mais, quando a expectativa é de uma macroeconomia mais favorável. O importante é ter uma visão clara do negócio, saber adaptá-lo e saber quando ousar. Até mesmo em tempos incertos.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil
20 de Janeiro de 2022
Brasil

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil

Uso de energias como a solar e a eólica ganharam forçam em meio ao combate às mudanças climáticas

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais
19 de Janeiro de 2022
EUA

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais

O financiamento ajudará as pessoas em comunidades rurais particularmente carentes a reduzir os custos de energia, aumentar a resiliência energética e enfrentar as mudanças climáticas

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021
24 de Janeiro de 2022
Biocombustível

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021

Ao todo, Santa Catarina concentra 18.634 clientes diretos, entre indústrias, unidades residenciais, estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis, além dos 112.353 usuários de GNV (Gás Natural Veicular)

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade