AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia

Transmissão faz País perder energia, diz estudo

Agência Estado
12-Nov-2012 13:21 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

O Brasil desperdiça grandes quantidades de energia elétrica por problemas no sistema de transmissão, com perdas que chegam a 20%. Essa falha penaliza diretamente o consumidor, gerando aumento de tarifas. Esse é um dos problemas apontados na segunda edição do estudo O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios, lançado nesta segunda-feira em São Paulo. O trabalho foi realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA), Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, Greenpeace Brasil, International Rivers - Brasil, Amazon Watch e WWF Brasil. O trabalho indica, ainda, que o Brasil utiliza 8% da energia gerada para exportar produtos de baixo valor agregado.

O estudo aponta que as perdas na distribuição do setor elétrico somavam 20,28% no Brasil (considerando perdas técnicas e comerciais), conforme dados de 2004. O trabalho indica que na Colômbia as perdas chegavam a 11,5% e a 9,9% na Argentina. Mas o estudo vai além da análise sobre as perdas na distribuição. Aponta uma série de problemas no setor elétrico, com críticas à intensificação da geração hídrica. Também apresenta sugestões, principalmente na ampliação da geração com fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

"Até 2020, o setor de petróleo e gás receberá R$ 590 bilhões e a construção de hidrelétricas terá R$ 190 bilhões em investimentos do governo federal, enquanto a eficiência energética não tem um valor definido", cita o estudo. "Este desequilíbrio nos investimentos públicos contribui para a falta de competitividade da produção industrial brasileira, entre outros efeitos negativos."

No caso dos complexos hidrelétricos de Belo Monte, no rio Xingu, e do Tapajós, o trabalho usa o termo "inviabilidade" para ambos os empreendimentos, por causa de questões como tempo de construção, custos, emissões de carbono e preço de mercado dos créditos de carbono. "O resultado serão aportes extraordinários para a implantação dos projetos na forma de renúncia fiscal, subsídios cruzados e participação de empresas estatais e fundos de pensão cujas orientações de investimento sejam, de alguma maneira, influenciadas pelo Executivo federal, como já ocorre com Belo Monte", cita o estudo.

Jazidas de megawatts - "Verifica-se que é efetivamente o território da bacia amazônica que vai sofrer a pressão do capital internacional e brasileiro para transformar seus rios em jazidas de megawatts", cita o estudo. Além disso, o estudo informa que parcela da energia gerada deixa o País, na forma de produtos de baixo valor agregado. "Cerca de 8% da energia elétrica consumida no Brasil deixa o País incorporada no minério de ferro, em produtos siderúrgicos, nos lingotes de alumínio, nas ligas de ferro e no papel e celulose, que são exportados com baixo valor agregado, pouca geração de empregos e elevado custo socioambiental."Em sentido inverso, o trabalho mostra que fontes renováveis poderiam suprir a demanda por energia, mas alega que o potencial de energia solar e eólica está menosprezado nas políticas públicas. "O País tem o potencial para se tornar a primeira grande economia a ter toda a sua matriz energética proveniente exclusivamente de fontes renováveis e limpas - a energia solar sozinha seria capaz de atender a cerca de dez vezes toda a demanda do país e a eólica poderia atender ao triplo da demanda atual de eletricidade", cita o trabalho. O estudo destaca, ainda, a importância do aproveitamento da biomassa da cana-de-açúcar para cogeração de energia elétrica.

No caso da energia eólica, o estudo indica que o potencial inexplorado é de 300 gigawatts (GW), quase três vezes o total da capacidade instalada atualmente no País. "Entretanto, a ausência de uma política consistente de incentivos para a inovação tecnológica e ampliação de escala, assim como entraves de regulamentação, representam obstáculos para o efetivo aproveitamento das enormes oportunidades para a expansão da energia solar e eólica no Brasil", cita o trabalho.

O estudo alerta, entretanto, que as recentes mudanças nas políticas do governo em relação à energia solar, combinadas à queda dos preços dos recursos tecnológicos para a produção de energia solar e eólica, poderão estimular o acréscimo no investimento do Brasil em energia renovável. Entre os autores dos textos apresentados estão o professor e pesquisador do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (IEE/USP), Célio Bermann; e Wilson Cabral de Sousa Júnior, doutor em Economia Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas e professor associado do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A íntegra do estudo está disponível na internet (internationalrivers.org/node/7525)

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade