AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Carbono Neutro

Setor agro do Brasil pode neutralizar emissões de carbono até 2030

Estudos da FGV mostram que tecnologias na produção de soja e pecuária podem otimizar as criações e plantações, além de preservar o meio ambiente

Redação com informações de CNN
24-Fev-2022 08:47

O setor agropecuário brasileiro, responsável por cerca de 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, caminha para cumprir a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

Estudos do Observatório de Conhecimento e Inovação em Bioeconomia, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), projetam que o setor tem potencial para neutralizar as emissões de gases de efeito estufa provenientes das produções pecuárias e de soja até 2030.

Os pesquisadores apontam dois principais processos para a descarbonização da produção: a recuperação de pastagens degradadas, evitando o desmatamento, e os sistemas integrados de Lavoura-Pecuária-Floresta (LFP).

Os documentos afirmam que a degradação dos pastos afeta diretamente a capacidade de suporte das áreas, e que esse processo, além de gerar prejuízos econômicos ao produtor, tem também impactos negativos ao meio ambiente.

Os sistemas LFP consistem em combinar diferentes tipos de produção agropecuárias na mesma localidade. Ou seja, o produtor terá uma rotatividade do uso do solo, entre lavoura e pecuária.

A pesquisa afirma que “a combinação de agricultura e pastagem dentro da mesma área leva a sinergias entre os componentes do sistema que podem gerar ganhos de produção, redução de custos e melhoria dos serviços ecossistêmicos de biodiversidade”.

Esse tipo de integração ainda reduz os riscos de perda da atividade agrícola relacionados ao clima e à variação de preços de mercado.

O setor agropecuário é responsável por 28% das emissões totais de GEES no país. Entretanto, é o principal responsável pela emissão de gás metano (CH4) no Brasil, equivalente a 76,1% das emissões. Segundo o estudo da FGV, essas áreas de pastagem ocupam cerca de 167 milhões de hectares do território nacional.

Desse total, cerca de 42%, ou 70,9 milhões de hectares, apresentam degradação moderada ou severa.

De acordo com as conclusões da pesquisa, até 2030 haveria a remoção líquida total de 1.223,6 Mt CO2eq, em média 94,1 Mt CO2eq/ano, invertendo, dessa forma, as emissões do sistema de pecuária associadas às pastagens.

Entre 1990 e 2020, a produção de soja no Brasil cresceu 532,9%, e a áreas plantadas cresceram 229%. Atualmente a produção de soja gira em torno de 3,3 toneladas por hectare (t/ha), 92,4% a mais do que os 1,7 t/ha produzidos em 1990. É a principal cultura agrícola brasileira e seu valor bruto da produção (VBP) atingiu R$250,8 bilhões em 2020, representando 42,0% do total do VBP agrícola e 28,0% dos R$896,7 bilhões de toda a agropecuária nacional.

Na área das plantações, a soja brasileira já considerada uma cultura de “baixo carbono”, emite cerca de 9 Mt CO2eq ao ano. Isso porque a principal forma de plantação no país é o sistema de plantio direto (SPD), que consiste em plantar as sementes sem as etapas de aragem e gradagem do solo, ou seja, sem um preparo anterior da área. Dessa forma, para proteger o solo, é necessário mantê-lo sempre com vegetação ou com plantas em desenvolvimento.

Assim, através da expansão do SPD, até 2030, um total de 25,9 Mt CO2eq poderiam deixar de ser jogados na atmosfera, já que esse sistema aumenta o potencial de sequestro de carbono da soja. Os pesquisadores apontam ainda que a produção do grão no Brasil tem potencial para não ser apenas “carbono neutro”, como também um sumidouro de carbono.

O analista de mercado pecuário do Safras & Mercado, Fernando Iglesias, explica que, além da redução dos gases de efeito estufa, a adesão a sistemas de plantação sustentáveis aumenta a eficiência produtiva, e também é vantajosa para o pecuarista.

“Estamos caminhando para uma pecuária eficiente, que gera menos emissões de carbono. A tendência é que os produtores trabalhem mais a parte de inovação e eficiência. Conforme você vai evoluindo a forma de criação do gado, o desgaste gerado pela pastagem vai diminuir, e isso irá dar um retorno financeiro significativo.”, explica.

Nesta quarta-feira (23), a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, vai participar de uma cerimônia de assinatura de um acordo de cooperação técnica entre o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e a pasta, sobre pecuária bovina de baixo carbono. Segundo o ministério, o acordo busca apoiar a realização de estudos para a criação de mecanismos de incentivo à redução de emissões de carbono na produção de carne e leite bovinos no Brasil.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade