Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
COP26

Seria "burrice" o Brasil ficar fora de acordo sobre metano, diz fonte do governo

Segundo a fonte, há incompreensão e ignorância sobre o impacto da agropecuária nas emissões do gás

Redação com informações de Valor Econômico
04-Nov-2021 08:56

Representantes do governo brasileiro na COP26 negam que houve pressão dos Estados Unidos para que o país aderisse ao Acordo do Metano firmado em Glasgow. A comitiva avalia que ficar de fora desse compromisso seria “burrice”.

“Ninguém pressionou ninguém, isso é uma bobagem absoluta. O Brasil tem todo o interesse de participar e houve um chamado à adesão”, afirmou um representante do governo que participou das negociações. “Não tem o mínimo sentido ficar fora, foi inteligência da nossa parte. Ficar fora seria burrice”, disse - até porque o gás gera problemas e a redução das emissões é urgente.

Defesa contra boicotes e barreiras

Uma das considerações feitas pelo Brasil ao aderir ao acordo foi ter acesso aos recursos financeiros para incentivar práticas despoluentes. A participação também evita a exposição a “boicotes” e imposição de barreiras não tarifárias por parte de países importadores como os europeus, completou a fonte.

Segundo esse integrante do governo, o tema estava “adormecido” nas instâncias técnicas dos países, mas houve um “chamado” do presidente americano Joe Biden. “Ele fez o apelo e todo mundo se mexeu”.

Incompreensão e ignorância

Para esse membro da comitiva brasileira na Escócia, há incompreensão e ignorância sobre o impacto da agropecuária nas emissões de metano. Segundo ele, a adesão ao acordo vai fortalecer mecanismos nacionais de incentivo à pecuária de baixa emissão de gases, como a adoção de integração com lavoura e floresta, terminação intensiva e o melhoramento genético, para enfrentar os problemas com “desassombro” e inovação.

“Antes de falarmos sobre a agropecuária, temos que falar nas emissões de setores como o de extração de óleo e gás, dos lixões, dos resíduos nas usinas”, disse. “Se o Brasil não assinasse esse acordo, ficaria como pária ambiental do mundo”. Para a fonte, é “papo furado” que o país deverá diminuir o tamanho do rebanho bovino e o consumo de carne para mitigar emissões de metano.

O Brasil espera que a COP26 proporcione avanços nas discussões sobre as metodologias de balanço das emissões e remoções de gases. “Se fala no quanto a pecuária emite, mas e quanto se remove? Precisamos ter o balanço entre o que é emitido e removido pelo setor. Temos que melhorar a metodologia, não está boa, porque justamente as remoções estão fora do balanço”.

Posição oficial

Em comunicado oficial divulgado nesta quarta-feira, o governo federal reforçou que o compromisso global para a redução das emissões de metano e a declaração de florestas e uso da terra já fazem parte de iniciativas assumidas pelo país no âmbito do Compromisso Nacional Determinado (NDC) de mitigação de gases de efeito estufa, que inclui também o fim do desmatamento ilegal.

Em nota conjunta, os ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente e das Relações Exteriores reafirmaram que o Brasil é “parte da solução” para o enfrentamento das mudanças climáticas, mas não apresentaram números nem propostas para alcançar as metas individuais assumidas na conferência.

O documento ressalta que a adesão ao Acordo do Metano, com o compromisso de cortar em 30% as emissões do gás poluente até 2030, “demonstra que o país já possui programas que tratam do tema”.

O governo destacou dois programas nessa área. O Plano ABC+, que tem como meta a redução da emissão de gases de efeito estufa, entre eles o metano, segundo os ministérios. O objetivo é mitigar o lançamento na atmosfera de 1,1 bilhão de toneladas equivalentes no setor agropecuário até 2030.

Na área urbana, as Pastas destacaram a Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Programa Nacional Lixão Zero, que já contribuiu para o encerramento de 20% dos lixões desde 2019.

CNA pede financiamentos

Embora tratada com naturalidade pelo governo, a adesão do Brasil ao Acordo de Metano reforça a urgência da materialização dos fundos de financiamentos internacionais para apoiar a ampliação do uso de tecnologias no campo, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Sem ter sido consultada previamente pelo governo sobre o tema, a entidade disse que a decisão deverá ser cumprida pelos pecuaristas, mas que vai atuar na formatação das metas individuais e setoriais para não sobrecarregar os produtores.

"Não há mais o que se falar de surpresa ou não com a adesão. A visão do setor é que temos que atender e cumprir esse esforço adicional. Mas para que haja o alcance, será fundamental o aporte de recursos financeiros e ferramentas de monitoramento", disse Muni Lourenço, vice-presidente da CNA e chefe da delegação da entidade em Glasgow, ao Valor.

Eficiência e exclusão

Para Guilherme Malafaia, pesquisador da Embrapa Gado de Corte e coordenador do Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne), de fato o Brasil vai precisar desenvolver, a partir do Acordo do Metano, uma pecuária mais intensiva e eficiente, de ciclo mais curto para abate, para reduzir as emissões, e as novas exigências podem antecipar a exclusão de muitos pecuaristas da atividade.

Responsável por um terço do gás poluente liberado na atmosfera, a agropecuária deverá adotar mais tecnologia e capacidade de gestão para alcançar as metas impostas pelo acordo assinado em Glasgow, segundo o especialista.

“A exigência de uma maior intensificação, aumento de produtividade e redução de ciclos produtivos irá impor uma maior necessidade de gestão e inteligência no negócio pecuário, talvez antecipando a tendência de exclusão de uma parcela significativa de pecuaristas que até 2040 não conseguirão acompanhar os avanços e as exigências socioambientais”, disse ele.

“Teremos um forte impacto nos sistemas produtivos, pois as emissões provenientes de esterco e liberações gastroentéricas do gado são responsáveis por uma parcela considerável das emissões de metano das atividades econômicas, algo em torno de um terço. Nesse caso, não dá para apelar para o carbono compensando no solo”, acrescentou.

Entre as megatendências apontadas pelo CiCarne para 2040, já estava a saída de produtores da atividade pecuária com impacto social relevante. Malafaia aponta, por outro lado, a existência de um portfólio de tecnologias disponíveis aos pecuaristas para atender tais demandas, como os sistemas integrados de produção, o melhoramento genético animal, o manejo e a recuperação de pastagens degradadas, os confinamentos e os aditivos.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade