Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Balança comercial

São Paulo fecha 2020 com superávit de US$ 13 bi no agronegócio

Os principais grupos nas exportações do agronegócio paulista foram Complexo Sucroalcooleiro e Carnes 

Redação
29-Jan-2021 09:13

As exportações do agronegócio paulista apresentaram aumento de 12,9%, totalizando US$ 17,23 bilhões; enquanto as importações recuaram 11,9%, somando US$ 4,13 bilhões. Com estes resultados, São Paulo fechou 2020 com um superávit de US$ 13,10 bilhões, montante 23,9% superior ao obtido em 2019, segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA).

No mesmo período, as exportações totais do estado somaram US$ 42,39 bilhões e as importações de US$ 51,42 bilhões, registrando um déficit comercial de US$ 9,03 bilhões. O principal motivo dessa expressiva queda no acumulado do ano é a pandemia por Covid-19, que afetou as exportações de algumas das principais mercadorias da indústria extrativista e de transformação, como os óleos brutos de petróleo, querosenes de aviação, gasolina e óleo combustível, aviões e automóveis, entre outros, explicam José Alberto Angelo, Carlos Nabil Ghobril e Marli Dias Mascarenhas Oliveira, pesquisadores do IEA.

Os principais grupos nas exportações do agronegócio paulista foram: Complexo Sucroalcooleiro (US$ 6,40 bilhões, sendo que, desse total, o açúcar representou 84,4% e o álcool 15,6%), Carnes (US$ 2,30 bilhões, em que a carne bovina respondeu por 87,4%), Complexo Soja (US$ 1,91 bilhão), Produtos Florestais (US$ 1,54 bilhão, com participações de 49,9% de papel e 37,3% de celulose) e Sucos (US$ 1,40 bilhão, dos quais 96,7% referentes a sucos de laranja). Esses cinco agregados representaram 78,6% das vendas externas setoriais paulistas.

Em relação aos destinos das exportações do agronegócio paulista, a China se mantém na primeira posição, com US$ 4,11 bilhões, montante 38,9% maior que o obtido em 2019. Na sequência vem a União Europeia, com US$ 2,65 bilhões e os Estados Unidos, com US$ 1,66 bilhão. Completam os dez principais destinos em termos de participação: Bangladesh (2,8%), Coreia do Sul (2,7%), Índia (2,6%), Indonésia (2,4%), Arábia Saudita (2,2%), Nigéria (2,1%) e Marrocos (1,8%).

Os pesquisadores destacam as diferenças na composição das pautas dos principais parceiros comerciais do agronegócio paulista: a China importou principalmente produtos do Complexo Soja (32%), Carnes (27,8%), e Sucroalcooleiro (21,4%); enquanto a União Europeia deu preferência para os Sucos (34,3%, basicamente suco de laranja), Produtos Florestais (11,1%), Sucroalcooleiro (8,3%) e Café (10,1%). Já os Estados Unidos apresentam pauta bastante diversificada, composta principalmente pelos grupos do Complexo Sucroalcooleiro (25,2%), Carnes (17,1%), Sucos (15,3%) e Produtos Florestais (10,4%). Na sequência, de Bangladesh até Emirados Árabes, mais Egito e Malásia, concentraram suas importações no Complexo Sucroalcooleiro, muitos acima de 80% de representatividade.

Balança Comercial do Brasil

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 50,89 bilhões, em 2020, com exportações de US$ 209,82 bilhões e importações de US$158,93 bilhões. No mesmo período, as exportações do agronegócio apresentaram alta 4,1%, alcançando US$ 100,81 bilhões, o segundo maior resultado obtido nas exportações setoriais, US$ 360 milhões menor do que o valor exportado no ano de 2018. Já as importações recuaram 5,2%, registrando US$13,05 bilhões, gerando um superávit (recorde) de US$ 87,76 bilhões. Esse superávit é o maior da história do setor do agronegócio brasileiro, superando em US$630 milhões do valor registrado no ano de 2018 (US$ 87,13 bilhões).

O Complexo Soja (US$ 35,24 bilhões) se mantém como o principal grupo com 35% de participação nas exportações do agro brasileiro. Na sequência aparecem: Carnes (US$ 17,16 bilhões, com a carne de bovina representando 49,4% desse total, e as carnes de frango e suína, 34,9% e 13,4%, respectivamente), Produtos Florestais (US$ 11,41 bilhões, com participações de 52,5% de celulose e 32,2% de madeira), Complexo Sucroalcooleiro (US$ 9,99 bilhões, dos quais 87,8% de açúcar) e o grupo de Cereais, Farinhas e Preparações (US$ 6,89 bilhões, sendo 84,8% do milho em grão e 7,3% do arroz). Esses cinco grupos agregados representaram 80% das vendas externas setoriais brasileiras.

Em 2020, as exportações setoriais de São Paulo representaram 17,1% em relação ao agronegócio brasileiro. A participação paulista no agronegócio nacional destacou-se nos grupos: Sucos (87%), Produtos Alimentícios Diversos (74,9%), Plantas Vivas e Produtos de Floricultura (69,4%) e Complexo Sucroalcooleiro (64,1%). Em relação ao ano anterior, sobressaíram-se os aumentos nas participações de São Paulo nos grupos: animais vivos (+6,7 pontos percentuais), plantas vivas e produtos da floricultura (+5,2 p.p.) e bebidas (+3,7 p.p.) destacam os pesquisadores.

Assuntos do Momento

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais
06 de Maio de 2021
Mercado

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais

As vantagens estão despertando a atenção de produtores do Estado que investem na instalação de usinas fotovoltaicas em suas propriedades

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP
05 de Maio de 2021
Renováveis

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP

Através de parceria firmada na última semana, estado visa implementar projetos de eficiência energética

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre
03 de Maio de 2021
Renováveis

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre

O país possui, hoje em dia, aproximadamente 6,5 gigawatts (GW) de empreendimentos eólicos e fotovoltaicos no Ambiente de Contratação Livre, conforme pesquisa da Cela

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços
04 de Maio de 2021
Energia

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços

Energia elétrica gerada nas usinas e exportada para o sistema elétrico não terá ganho em volume por causa da safra menor

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem
05 de Maio de 2021
Eólica

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem

Empreendimento soma 344 MW de capacidade instalada e investimento total de mais de R$ 1,5 bilhão. Folha Larga Norte fornecerá energia renovável para Braskem por 20 anos, conforme contrato de compra de energia (PPA)

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano
06 de Maio de 2021
Energia

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano

Levantamento foi realizado no país pela Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos - ABREN

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade