AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biomassa

Reduzir a emissão de carbono é prioridade para a indústria do cimento

Substituição de combustíveis fósseis e a redução do clínquer no processo produtivo do cimento estão entre as iniciativas para práticas mais sustentáveis

Redação com informações de Meio Ambiente Rio
13-Mai-2021 07:41

Com o agravamento das mudanças climáticas e a escassez de recursos naturais tornou-se imprescindível para a indústria do cimento buscar meios mais sustentáveis para o processo produtivo do material, com o objetivo de reduzir a “pegada” de carbono do setor. A indústria cimenteira responde, em escala global, por cerca de 7% de toda a emissão de dióxido de carbono (CO²) e por 7% do uso de energia industrial. O alto índice é justificado pelo setor ser responsável pela substância manufaturada mais consumida no mundo, o concreto.

Uma grande quantidade (cerca de 90%) do CO² emitido na atmosfera pela indústria de cimento é resultado dos combustíveis fósseis utilizados e da produção de um dos componentes básicos do cimento, o clínquer, que é obtido pela queima da rocha calcária.

A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e coordenadora do Laboratório de Inovação em Cimentos Ecoeficientes (LINCE), Ana Paula Kirchheim, explica que, uma abordagem neste sentido – de reduzir as emissões de CO² – é a substituição ou redução do clínquer por materiais cimentícios suplementares. Entre as matérias-primas alternativas ao clínquer na fabricação de cimento estão resíduos de escórias siderúrgicas, cinzas de termelétricas, filer de calcário e argilas.

O cimento portland tipo CP-III, por exemplo, tem uma concentração de 75% de escória na composição, o que é superior ao clínquer convencional. E, em países como a Colômbia, Índia e Cuba, já é produzido e consumido o cimento LC3, rico em argila calcinada e calcário (a composição o LC3 utiliza 50% clínquer, 30% argila calcinada, 15% calcário e 5% gipsita). “A região Norte do Brasil é rica em argila caulinita. E já existem estudos que mostram que a argila e o calcário geram reações químicas que em algumas características de durabilidade sobressaem o cimento portland convencional”, salienta a professora da UFRGS.

O gerente de Sustentabilidade e Energia da Votorantim Cimentos, Fabio Cirilo, avalia que matérias-primas como o filer calcário e a argila calcinada são itens importantes na agenda estratégica da Votorantim, que visa aumentar a eficiência do uso de clínquer na produção do cimento. Entretanto, ressalta que outras alternativas já utilizadas para reduzir o fator clínquer, como as escórias siderúrgicas e cinzas termelétricas, devem desaparecer no longo prazo. “A Europa já declarou o fim das termelétricas até 2030 e no Brasil já há sinais de avanço no uso de energia solar e eólica, porque não há espaço para o carvão no mundo do carbono zero, além de a tendência de produção de aço com reciclagem acabar com o estoque de escórias”, comenta Cirilo.

Economia circular

A substituição de combustíveis fósseis (coque de petróleo) por biomassas como fonte de energia é outro foco da Votorantim Cimentos, segundo Cirilo, que enfatiza o objetivo da empresa de neutralizar as emissões de carbono até 2050, visando atender o acordo de Paris, firmado em 2015.

A fábrica da Votorantim na cidade de Primavera (Pará) passou a coletar o caroço do açaí para transformá-lo em biomassa, que é utilizada como combustível. São substituídas 3 mil toneladas/mês do coque de petróleo por 6 mil toneladas de caroço/mês. O resultado é a redução da utilização do combustível fóssil em 40% para a geração de energia.

“Passamos das 100 mil toneladas de caroços de açaí utilizados por ano, o que reduz em 135 mil toneladas/ano de C0² nas emissões diretas do forno. Se considerarmos a degradação da matéria orgânica (caroço) que estaria enterrada, caso não fosse reutilizada, ainda há uma redução na emissão de 230 mil toneladas/ano de gás metano na atmosfera”, explica Cirilo.

Indústria de baixo carbono é o futuro

Para a professora Ana Paula, no sentido de repensar as matérias-primas, o potencial da participação da pesquisa acadêmica na evolução da indústria do cimento ainda deve ser mais explorado. “A academia está desenvolvendo inúmeros estudos que visam entender questões sobre a influência do coprocessamento de resíduos na química do clínquer e como isso deve impactar o produto final e também o uso de matérias-primas como a argila”, comenta a professora.

Outro ponto destacado por ela é que políticas públicas deveriam estar alinhadas com as estratégias de sustentabilidade das empresas. “Há vários países que concedem benefícios fiscais para quem não usa o cimento tradicional, produzindo materiais com resíduos que promovem menor impacto ambiental”. Sobre os fatores econômicos envolvidos na questão sustentável, o gerente de Sustentabilidade e Energia na Votorantim Cimentos alerta que o risco climático afetou o olhar do mercado financeiro. “Por mais que custe caro fazer a transição para práticas mais sustentáveis, acredito que não há outra opção. Porque será infinitamente mais caro não fazer”, finaliza Cirilo.

Assuntos do Momento

Prédios públicos em municípios de SP e PR adotam o uso de energia solar, biomassa, eólica e pequenas centrais hidrelétricas estimando economia de R$ 2 milhões por ano
20 de Outubro de 2021
Redução de CO2

Prédios públicos em municípios de SP e PR adotam o uso de energia solar, biomassa, eólica e pequenas centrais hidrelétricas estimando economia de R$ 2 milhões por ano

Na expectativa de reduzir milhares de toneladas de CO2

Com transmissão ao vivo, AveSui 2022 será lançada oficialmente nesta quarta-feira (20/10) em Medianeira, PR
19 de Outubro de 2021
Evento

Com transmissão ao vivo, AveSui 2022 será lançada oficialmente nesta quarta-feira (20/10) em Medianeira, PR

A apresentação terá início às 09 horas com transmissão pelo canal TV Gessulli, do YouTube, sendo simultaneamente retransmitidos pelos sites Avicultura Industrial e Suinocultura Industrial

Ministro do Meio Ambiente irá defender a "globalização" do etanol, na COP26
22 de Outubro de 2021
Biocombustível

Ministro do Meio Ambiente irá defender a "globalização" do etanol, na COP26

Joaquim Leite disse que pedirá “mais ambição financeira para incentivar programas como o etanol brasileiro”

Em instantes, assista ao lançamento da AveSui América Latina 2022 pelo canal TV Gessulli
20 de Outubro de 2021
Evento

Em instantes, assista ao lançamento da AveSui América Latina 2022 pelo canal TV Gessulli

Com início às 09 horas, a edição 2022 da feira será apresentada em evento no Lar Centro de Eventos, em Medianeira, no Paraná

Entenda como o substituto dos combustíveis provenientes do petróleo, como o gás natural, a gasolina e o diesel, promete mudar o destino da humanidade
20 de Outubro de 2021
Biocombustível

Entenda como o substituto dos combustíveis provenientes do petróleo, como o gás natural, a gasolina e o diesel, promete mudar o destino da humanidade

Brasil é referência mundial quando o assunto é produção de etanol e biodiesel: o biocombustível que veio para substituir o gás natural, a gasolina e o diesel

AveSui América Latina 2022 é lançada oficialmente em Medianeira
21 de Outubro de 2021
Evento

AveSui América Latina 2022 é lançada oficialmente em Medianeira

O evento retorna na modalidade presencial e já conta com expositores nacionais e internacionais

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade