Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bioenergia

Recordes dos preços da luz na Europa devem acelerar transição para as renováveis, diz Bruxelas

"Se tivéssemos assinado o Green Deal cinco anos antes, não estaríamos nesta posição, porque teríamos já menos dependência dos combustíveis fósseis e do gás natural", disse o vice-presidente da CE.

Redação com informações de ECO
15-Set-2021 11:17

O vice-presidente executivo da União Europeia, Frans Timmermans, defendeu perante os deputados do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, que os preços recorde da eletricidade que se verificam em vários países da União Europeia — de Espanha ao Reino Unido, entre outros –, mostram que o bloco se deve livrar rapidamente dos combustíveis fósseis e acelerar a transição para a energia verde.

Os preços da energia nos mercados grossistas já duplicaram este ano, impulsionados pelo aumento dos preços do carvão e do gás natural, a alta dos preços das licenças de emissões de CO2 e a produção de energia renovável mais baixa do que o normal (sobretudo eólica).

“Se tivéssemos assinado o Green Deal cinco anos antes, não estaríamos nesta posição, porque teríamos já menos dependência dos combustíveis fósseis e do gás natural”, disse Timmermans, citado pela Reuters, sublinhando que, mesmo com os preços altos de de produção a partir dos combustíveis fósseis, os custos da geração renovável permaneceram baixos e estáveis.

Algo que “deve encorajar a UE a acelerar sua transição verde, para garantir que mais cidadãos tenham acesso a energia renovável a preços acessíveis”, disse.

Os preços do carbono na Europa (61 euros por tonelada), que impactam o custo da eletricidade, também subiram para níveis recorde este ano, mas Timmermans garantiu que não foram os principais culpados pelo aumento dos custos de energia. “Apenas cerca de um quinto do aumento do preço [da energia] pode ser atribuído ao aumento dos preços das licenças de emissão do CO2”, advertiu.

Como é que as renováveis fazem baixar o preço da eletricidade?
Olhando em particular para o mercado de eletricidade grossista ibérico percebe-se a importância das renováveis no mix energético de cada país e, por consequência, no mix da UE.

De acordo com uma análise do jornal espanhol El País, nesta quarta-feira, em que o MWh está a valer o preço nunca antes visto de 172,78 euros, no pico entre as 12h30 e as 13h, a origem da energia no Mibel será nuclear (25%), cogeração (15,8%), ciclo combinado a gás natural (14,5%), hidráulica (13,2%), carvão (7,4%), eólica (6,1%) e solar (0,75%).

Neste mix, quem manda é o preço fixado pelas centrais a gás (inflacionado pelo custo atual da matéria prima nos mercados internacionais e pela alta de preços das licenças de emissão de CO2), que são as últimas a entrar no sistema e, de “forma cega” marcam o tom para todas as outras.

Por contraste, no dia 31 de janeiro, quando o Mibel desceu a mínimos históricos de 0,89€/MWh, a eletricidade no sistema era 48,13% de origem eólica, 15,5% de cogeração, 14,85% hidráulica, 13,71%, nuclear, 7,63% fotovoltaica e 0,23%, solar, não havendo necessidade de recorrer às centrais a gás e a carvão. Ou seja, por regra, quanto mais renováveis, mais barata é a eletricidade.

Neste momento, a Europa enfrenta a tempestade perfeita no setor energético: com muita procura de energia elétrica por causa da retoma económica pós-pandemia; as renováveis em baixa a impedir a produção de energia elétrica a preços mais baratos e a exigir a entrada em cena das centrais a gás; os preços do gás a bater recordes sucessivos na Europa devido à elevada procura e aos baixos stocks; as licenças de emissão de CO2 cada vez mais caras; e um inverno pela frente.

Escreve o El País que, no Mibgas, por exemplo, o preço para esta quarta-feira será de 63,72 euros por MWh, uma subida de 3,7% face ao dia anterior e quase o dobro da tarifa de janeiro. “Por cada euro que sobe o gás, equivale a dois euros nos preço da luz. Os preços da luz que temos hoje têm 75% a ver com o gás”, explica Jorge Morales, diretor da elétrica espanhola Próxima Energía, citado pelo jornal espanhol.

De acordo com os dados do Mibgas, as tarifas de gás continuarão acima dos 60 euros no último trimestre deste ano e primeiro trimestre de 2022.

Na Europa, os preços do gás continuam em alta. Esta terça-feira, 14 de setembro, os preços do gás natural no Reino Unido e na Holanda voltaram a disparar para níveis recorde, avançou a Bloomberg. Os preços futuros de referência do gás europeu negociados na Holanda subiram até 7%, para 65,57 euros por megawatt-hora.

Para a segunda metade de 2021 é já esperado que o preço do gás neste índice seja 60% mais caro do que a média histórica dos cinco anos anteriores (isto sem considerar 2020, em que o preço esteve em mínimos, devido à pandemia).
Com o inverno à porta, basta uma tempestade ou uma vaga de frio mais rigorosa no continente para que os preços do gás dupliquem e cheguem aos três dígitos, acima de 100 euros por MWh, dizem os analistas.

Assuntos do Momento

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica
24 de Setembro de 2021
Bioenergia

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica

Empresa EV Brasil assinou protocolo com governo do estado para instalar primeiro projeto do tipo no país, nesta terça-feira (21). Investimento inicial é de R$ 12,5 milhões.

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira
24 de Setembro de 2021
Compromisso

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira

Presidente citou compromisso com dois pactos, um para reduzir emissões de carbono e outro para financiar o setor de hidrogênio, e disse que país é destaque na implementação de soluções energéticas sustentáveis

Alta do gás pode abalar transição verde na UE
23 de Setembro de 2021
Meio Ambiente

Alta do gás pode abalar transição verde na UE

Há o temor de que a crise energética tenha impacto sobre a crença no investimento em fontes mais limpas

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica
24 de Setembro de 2021
Alternativa

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica

Bioágua é feita a partir da filtragem das chamadas águas cinzas. Combinação entre diferentes fontes é a solução para pesquisadores, que também apostam no uso da água subterrânea.

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia
24 de Setembro de 2021
Certificado

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia

Documento atesta conformidade da Companhia ao Regulamento turco de Resíduos Zero

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023
24 de Setembro de 2021
Biocombustível

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023

Matéria-prima foi classificada pelo bloco como fator que resulta em desmatamento excessivo e não pode mais ser considerada um combustível renovável para transporte.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade