AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Carbono Zero

Presidente da Aprosoja/MS é nomeado embaixador do carbono

A finalidade do título é que o dirigente da Associação, represente produtores rurais em ações e eventos específicos, em defesa de projetos sustentáveis e inovadores

Redação, com informações Aprosoja/MS
05-Mai-2022 08:11

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul – Aprosoja/MS, André Dobashi, foi nomeado esta semana como embaixador do carbono, pela multinacional Bayer. A finalidade do título é que o dirigente da Associação, represente produtores rurais em ações e eventos específicos, em defesa de projetos sustentáveis e inovadores, que tenha por objetivo a diminuição da emissão de carbono na agricultura.

Dobashi é admirador do tema e defensor de iniciativas ligadas à baixa emissão, e foi reconhecido como referência no tema, durante o evento Global Farmer Network, que ocorreu em Bruxelas, em 2021, quando apresentou sua propriedade a representantes de outros países. 

“Quando temos iniciativas privadas, como a Bayer, e políticas públicas efetivas, a exemplo do que ocorre em Mato Grosso do Sul, as metas ficam mais visuais e concretas. O produtor rural tem atitude, a estratégia e o apoio científico de entidades confiáveis, mas sem essa soma de esforços ficaria complexa a mensuração do quanto o agronegócio evolui ano a ano, em diversos critérios da sustentabilidade”, relata o representante da Aprosoja/MS.

Entre os desafios do tema, Dobashi sinaliza o comprometimento dos agricultores de Mato Grosso do Sul a cumprir a meta lançada na COP 26, pelo Governo do Estado, a neutralizar as emissões de carbono até 2030. Ele ainda destaca algumas das ações que se tornaram rotina dentro de sua fazenda, para contribuir com a meta. 

“O agronegócio está no caminho de uma nova era: produzindo alimentos, limpando o planeta e gerando valor, resultado do sequestro de carbono que fazemos todos os dias na fazenda. O momento é de uma nova ordem econômica-climática, e os mercados de carbono estão em franca expansão. Cabe apenas ao produtor rural seguir com a tarefa de casa e abraçar a ciência, mais do que nunca, gerando resultados que impactam na produtividade, mas também na sociedade, como um todo”.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade