AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sustentabilidade

Paraná apresenta RenovaPR, assina contratos e incentiva energias renováveis

Em nove meses, o programa RenovaPR já acatou mais 1.800 projetos para investimentos em energias renováveis em propriedades rurais, um montante que supera R$ 312 milhões

Redação, com informações AEN
06-Abr-2022 08:06

Organizado pelo IDR-Paraná, o Encontro Renova Paraná - Energia Renovável para Todos reuniu cerca de 130 agricultores e especialistas para falar sobre o tema, nesta terça-feira (5), na ExpoLondrina. No evento também foram assinados contratos de financiamento com dois agricultores – um produtor de leite e de soja de Londrina e um avicultor de Cambira, ambos para investimento em sistema gerador fotovoltaico.

Nove meses após o lançamento, o programa RenovaPR já acatou mais 1.800 projetos para investimentos em energias renováveis em propriedades rurais do Estado, um montante que supera R$ 312 milhões. Além dos projetos já assinados, existem outros 975 já em trâmite nos bancos, que devem somar R$ 156 milhões.

Temas como a importância das energias renováveis no agro paranaense, o papel do programa RenovaPR no incentivo à geração própria de energia e a demonstração de casos de sucesso fizeram parte da programação.

O presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, reforçou a necessidade de criar em mecanismos para geração de energia na agricultura. “Se não pensarmos em alternativas inteligentes para gerar energia no campo podemos perder o jogo. E o RenovaPR nasceu para facilitar o acesso do homem do campo a estas tecnologias”, afirmou.

O secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, ressaltou a opção do Governo por esse investimento. “A energia é um insumo cada vez mais relevante nos processos agrícolas, queremos nos tornar grande fornecedor de alimentos, sobretudo proteínas, reduzir os custos e contribuir para um padrão mais sustentável”, afirmou.

Segundo ele, o Estado tem feito um esforço em novo ciclo de levar energia para o meio rural. Para isso foi criado também o programa Banco do Agricultor Paranaense, por meio do qual o Estado assume parte dos juros que os produtores pagam nos financiamentos. No caso de energia renovável e irrigação, o Governo absorve a totalidade dos juros, dependendo do valor financiado para processos a serem abertos até 31 de dezembro deste ano.

“Temos sol o ano inteiro, é uma fonte inesgotável e o mundo está mudando sua matriz para usar energia que se renova”, disse Ortigara, ressaltando também que o Paraná produz grande volume de biomassa. “Estamos desperdiçando fonte primária. Convidamos os agricultores a refletirem se vale a pena esse investimento. Com certeza, vale”.

PROGRAMA – Com o aumento na conta de luz os produtores buscam, cada vez mais, alternativas para geração de energia. O RenovaPR está aberto aos interessados na instalação de unidades solares fotovoltaicas e, também, de biodigestores que transformam a biomassa em energia. Os projetos são recebidos nos escritórios municipais do IDR-Paraná.

Caso pretenda aproveitar os benefícios do Banco do Agricultor Paranaense, o produtor deve procurar também o agente financeiro credenciado a esse programa. Ele prevê que, em projetos contratados até 31 de dezembro de 2022, o Estado vai assumir integralmente o pagamento das taxas de juros para linhas de crédito do Plano Safra. São passíveis do benefício valores financiados de até R$ 500 mil para energia solar fotovoltaica e de até R$ 1,5 milhão em biodigestor.

Nesse processo, a Fomento Paraná, responsável pela gestão administrativa e financeira do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE), tem papel fundamental como garantidor da compensação assumida pelo Estado.

NA PRÁTICA – Com o RenovaPR, o produtor pode ter uma fonte de energia própria e renovável, com a possibilidade de reduzir custos de produção e ampliar suas atividades. Ao mesmo tempo, pode tratar dejetos animais e resíduos agrícolas e agroindustriais, promovendo a correta destinação e a adequação ambiental das suas atividades. 

Gerar a própria energia, seja na modalidade solar ou com biogás, é altamente lucrativo. De acordo com o coordenador do projeto, Herlon Goelzer de Almeida, o retorno do investimento sobre o capital investido se dá, em média, entre 42 e 46 meses. "No caso de biogás, apenas considerando a geração de energia elétrica, o retorno médio se dá entre 36 e 44 meses, mas se levar em conta também a economia gerada com o uso do biofertilizante que sobra do processo de biodigestão de materiais orgânicos o retorno financeiro pode ocorrer entre 30 e 34 meses", afirmou.

FEIRA – O espaço exclusivo do RenovaPR é uma das novidades na Via Rural - Fazendinha da ExpoLondrina, neste ano.

Pesquisas do IDR-Paraná buscam novas tecnologias para impulsionar a agricultura orgânica
Além das orientações técnicas sobre o programa, quem passar pelo local pode conhecer diferentes modalidades de geração de energia sustentável.

Foi instalado um sistema completo para captação solar que vai gerar energia em tempo real; um biodigestor didático, em parceria com a UEL, e placas solares com tracker, um dispositivo que altera a posição dos painéis fotovoltaicos de acordo com a posição do sol para melhor aproveitamento da irradiação solar.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade