Guia Gessulli
06-Set-2018 08:45
Acordo de Paris

Países dependentes do carvão podem migrar para energias limpas no prazo de uma geração

Segundo o estudo, desenvolver estratégias de transição é mais urgente do que nunca, porque a economia subjacente e as preferências sociais estão se voltando contra o carvão

O pico e o declínio do carvão térmico global estão se aproximando mais rápido do que se imaginava: a demanda por esse combustível fóssil poderá ser revertida antes de 2025, de acordo com um novo relatório divulgado hoje pelo think tank francês IDDRI (Institute for Sustainable Development and International Relations) e pela rede britânica Climate Strategies.  Isso significa que a implementação de caminhos compatíveis com o Acordo de Paris, longe do carvão, é viável nas economias que ainda mais usam carvão dentro de 20 a 30 anos, e isso seria benéfico tanto do ponto de vista social quanto econômico.

O relatório, “Implementando transições de carvão: insights de estudos de caso de grandes economias consumidoras de carvão”, também concluiu que as principais economias que usam carvão podem praticamente eliminá-lo sem aumentar significativamente os custos de energia para os consumidores, ao mesmo tempo em que obtêm benefícios econômicos e sociais da transição para novos setores.  Segundo o estudo, desenvolver estratégias de transição é mais urgente do que nunca, porque a economia subjacente e as preferências sociais estão se voltando contra o carvão.

“Nossa análise conclui que o cenário mais provável é que a demanda global por carvão térmico atingirá o pico e começará a declinar no início até meados da década de 2020. Isso será impulsionado pelo reequilíbrio econômico da economia chinesa, a crescente importância política da qualidade do ar e do solo e a disponibilidade de água nos países em desenvolvimento, e o simples fato de que agora é mais barato fornecer acesso à eletricidade através de fontes renováveis do que o carvão”, explicou  Oliver Sartor, Coordenador de Transições de Carvão do IDDRI.   Pesquisas recentes mostrando que em 2030, 70% das pessoas do mundo sem acesso a energia poderiam receber energia mais barata via energia renovável em pequena escala e soluções de bateria do que através de usinas movidas a carvão ou gás.  De acordo com o relatório, o carvão térmico poderia ser substituído por um portfólio de outras opções, dependendo do país, incluindo energia mais limpa, eficiência energética e, em alguns casos, quantidades residuais de carvão com captura e armazenamento de carbono. As autoridades nacionais e locais também poderiam explorar a possibilidade de implementar novas atividades econômicas baseadas em setores inovadores.

Esse cenário representa uma ameaça aos principais países exportadores de carvão, como Austrália e África do Sul, que parecem estar despreparados para a próxima queda na demanda global por carvão - a qual pode ser provocada por uma pequena queda de apenas 5-10% no uso doméstico de carvão térmico somente na China.  Embora não seja suficiente para atender as metas chinesas sob o Acordo de Paris, essa pequena redução poderia acabar com até um terço do mercado marítimo global de carvão, deprimindo assim o preço do carvão no mercado internacional.

Lola Vallejo, diretora do Programa de Clima do IDDRI, disse: “Mais de 30 governos e mais de 50 empresas se comprometeram a eliminar o carvão do setor elétrico até 2030, sob a Aliança Powering Past Coal. Enquanto sérios diálogos sobre políticas de transição do carvão estão surgindo em países em desenvolvimento como a África do Sul e a China, os países precisam esclarecer o que planejam fazer na redução gradual dos combustíveis fósseis quando eles revisarem as Contribuições Nacionalmente Determinadas para o Acordo de Paris em 2020.”

O relatório Coal Transitions também identifica como os trabalhadores do carvão e suas comunidades poderiam se beneficiar de uma transição justa do carvão para novas indústrias. Tais soluções devem ser específicas ao contexto e acordadas entre as partes relevantes. No entanto, o fator crucial para o sucesso é antecipar, em vez de esperar, até que a economia se volte contra o carvão.  “A transição justa tornou-se uma palavra de ordem, muitas vezes com pouco conteúdo. Nossos relatórios provam que ela pode funcionar no limitado tempo disponível”, afirma Andrzej Blachowicz, diretor-gerente da Climate Strategies.  “A transição justa pode permitir que os trabalhadores elegíveis mais jovens sejam mais facilmente colocados em empregos alternativos, que os trabalhadores mais velhos se aposentem naturalmente e que sejam feitos programas de reconversão e transferência de trabalho para trabalhadores no meio de suas carreiras”, detalha.

O relatório é resultado de um consórcio, conhecido como “Transições de Carvão: Pesquisa e Diálogo sobre o Futuro do Carvão”, liderado pelo IDDRI e pela Climate Strategies, e que visa explorar os caminhos para o futuro do carvão térmico. A Coal Transitions tem trabalhado com importantes institutos de pesquisa em seis importantes mercados para o setor de carvão - China, Índia, África do Sul, Austrália, Polônia e Alemanha - para avaliar as políticas atuais e desenvolver caminhos economicamente viáveis e socialmente justos para a transição do carvão térmico antes de 2050, em conformidade com o Acordo de Paris.

O relatório resumido, os seis relatórios referentes à China, Índia, Austrália, África do Sul, Alemanha e Polônia e orelatório sobre o mercado mundial de exportação de carvão a vapor podem ser encontrados aqui: https://coaltransitions.org/reports/

Redação
Deixe seu Recado