Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bioenergia

No Nordeste, vinhaça da cana produz eletricidade

Valor Econômico
09-Abr-2012 08:36 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

Foi inaugurada na última quarta-feira, em Pernambuco, a primeira operação industrial de geração de energia elétrica a partir da vinhaça, subproduto obtido durante o processo de destilação do etanol. O projeto foi desenvolvido em uma parceria entre a Companhia Alcoolquímica Nacional, usina do grupo pernambucano JB, e a empresa baiana Cetrel, controlada pela Braskem (Odebrecht) e especializada em tratamento de resíduos e aproveitamento energético.

Caso se consolide em larga escala, o aproveitamento da vinhaça como insumo energético poderá representar um ganho financeiro importante para as usinas de cana-de-açúcar. O setor terá a chance de incrementar significativamente a geração própria de eletricidade, que já é obtida a partir do bagaço e da palha da cana. "Para consumo próprio ou venda no mercado livre, será uma alternativa a mais", acredita Carlos Beltrão, diretor-presidente do grupo JB.

A geração de energia se dá a partir da biodigestão da vinhaça, que é armazenada em um reator desenvolvido pela Cetrel. A digestão das propriedades orgânicas da vinhaça pelas bactérias resulta em um biogás com 80% de metano, gás com grande potencial energético. "O gás veicular, por exemplo, tem 95% de metano", comparou Suzana Domingues, gerente de bioenergia da Cetrel.

Após o processamento no reator, o biogás resultante é injetado em um motogerador, que o transforma na energia elétrica que, em seguida, é lançada na rede de distribuição. Suzana ressalta que o sistema é mais eficiente do que o aproveitamento do bagaço da cana, que se dá pela utilização de caldeiras.

Cada litro de álcool produzido durante a destilação resulta em 12 litros de vinhaça, o que pode dar uma ideia do potencial de geração de energia deste sistema. "Na safra 2010/11 foram produzidos 25 bilhões de litros de álcool no país, o que corresponde à geração de 300 bilhões de litros de vinhaça. Este volume seria suficiente para gerar algo em torno de 1.600 MW de energia, cerca de 45% da capacidade de uma hidrelétrica como a de Jirau", comparou Suzana.

Atualmente, a vinhaça é aproveitada pelas usinas como fertilizante, especialmente em função de suas propriedades minerais. Muitas vezes, entretanto, o volume de vinhaça disponível é bastante superior às necessidades da usina, o que obriga os empresários e transportar o subproduto para irrigar áreas mais distantes do canavial, o que eleva os custos da empresa.

A gerente defende que a aplicação da vinhaça no solo é ofensiva ao meio ambiente. Isso porque o processo de biodigestão da parte orgânica do subproduto ocorre da mesma forma, só que com o gás resultante (metano) sendo lançado na atmosfera.

Com o uso do reator, após a ação das bactérias, a vinhaça pode ser lançada ao solo. No entanto, restarão nela apenas suas propriedades minerais, justamente as que oferecem nutrientes ao solo, diz Suzana. "Usamos a bactéria a nosso favor", resume a gerente.

O projeto desenvolvido na Companhia Alcoolquímica, instalada na cidade de Vitória de Santo Antão, a 50 quilômetros do Recife, ainda está funcionando em escala semi-industrial, com utilização de apenas 20% da vinhaça disponível para geração elétrica, algo em torno de 1 milhão de litros por dia. "Vamos observar o desempenho nesse primeiro momento. A intenção é estar operando a 100% já na safra 2013/14", projetou Beltrão.

Após a primeira experiência, a Cetrel trabalha agora no desenvolvimento de um sistema com uma capacidade de processamento cinco vezes maior, de olho nas grandes usinas instaladas, sobretudo no Centro-Sul do país.

Segundo Suzana Domingues, o projeto pernambucano foi viabilizado com cerca de R$ 15 milhões em recursos da Cetrel, incluindo a parte de pesquisa e desenvolvimento do processo e todos os equipamentos.

Em dezembro do ano passado, a empresa obteve R$ 130 milhões com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para desenvolver soluções de aproveitamento de resíduos industriais como matéria prima. O grupo JB, segundo seu presidente, contribuiu para o negócio com a terra e com o fornecimento da vinhaça.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade