Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biocombustível

Ministro do Meio Ambiente irá defender a "globalização" do etanol, na COP26

Joaquim Leite disse que pedirá “mais ambição financeira para incentivar programas como o etanol brasileiro”

Redação com informações de Valor Econômico
22-Out-2021 08:33 - Atualizado em 22/10/2021 09:13

Em seminário promovido nesta quinta-feira pelo Valor, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, disse que vai propor na COP26, que começará no dia 31 em Glasgow, na Escócia, “mais ambição financeira para incentivar programas como o etanol brasileiro”. Ele defendeu o uso do biocombustível em larga escala como forma de reduzir as emissões de carbono e do carro a combustão por etanol como alternativa ao carro elétrico.

Segundo o ministro, é preciso olhar para o carro elétrico de uma forma ampla, com uma percepção global, de forma a perceber que a infraestrutura necessária para torná-lo viável ainda é muito frágil. “Não temos cidades com tem uma tomada a cada quarteirão no mundo, nem no Brasil”, afirmou. Para ele, o etanol é uma solução de “emprego verde” para o Brasil e para países com mão de obra menos qualificada, como os africanos.

Também no evento, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reforçou que o Brasil terá a oportunidade de posicionar o etanol como alternativa de mobilidade sustentável durante a COP26. Ela disse que não é possível desprezar o advento dos carros elétricos, mas que o país não pode perder a oportunidade de expandir e exportar o uso do biocombustível — “uma tecnologia limpa, mais barata e mais conveniente” — para o mundo.

Segundo ela, o Brasil precisa de mais parceiros no segmento. Como a Índia, que vem implementando um programa de produção de etanol. Tereza Cristina contou que o presidente da Colômbia, Ivan Duque Márquez, em visita ao Brasil esta semana, mostrou entusiasmo em elevar o plantio de cana em seu país para produzir o biocombustível.

“Uma jabuticaba brasileira que precisamos exportar para o mundo”

De acordo com o CEO da montadora Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, disse que o etanol é uma “jabuticaba brasileira que precisamos exportar para o mundo”. Ele ressaltou os planos da empresa na Europa para eliminar os motores a combustão e migrar para o sistema elétrico até 2030, mas ponderou que em outros lugares do mundo a realidade é diferente, o que abre oportunidades para os biocombustíveis.

A Volkswagen quer fazer do Brasil um centro de pesquisa e desenvolvimento em biocombustíveis. “O Brasil está em um momento chave de criar uma política pública olhando para os próximos 20 anos e para transformar etanol em célula combustível”, pontuou. “O etanol tem muito a oferecer para o mundo, como sociedade, e precisamos comunicar cada vez mais o entendimento do etanol na cadeia como um todo. Olhar do posto à roda, o consumo total de CO2, independentemente de como sai do escapamento”.

África e Ásia

“O etanol pode revolucionar uma série de países da África e da Ásia que temos mapeado. Não é exportar etanol para lá. Significa levar o know how, a tecnologia, a capacidade de políticas públicas ultra inteligentes que o Brasil aprendeu a desenvolver nisso”, disse o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi. “Nosso inimigo não é tecnologia ‘A’ ou ‘B’, mas o carbono. É ele que temos que evitar, e só vamos fazer com várias soluções”, acrescentou.

Segundo a Unica, a introdução dos carros flex no Brasil e o maior uso de etanol, desde 2003, já evitaram a emissão de 500 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera. Gussi afirmou que o país faz o dever de casa na área ambiental e que poderá mostrar isso em Glasgow. Ele ponderou que o plantio de cana ocorre longe da Amazônia e que o segmento sucroenergético é o que mais planta árvores no país.

O caso de sucesso do etanol será bastante explorado na COP26 pelo governo e pelo setor produtivo. “Nós não temos uma tomada numa árvore na Amazônia ou no meio da caatinga para carregar um veículo elétrico. Mas, provavelmente, você vai ter acesso a um posto de gasolina que já tem o etanol, que vai carregar a bateria do seu veículo híbrido”, exemplificou o ministro Joaquim Leite.

Acordo do Clima

Ele defendeu o uso do etanol em escala global, “indo para a África e para a Ásia”. E os países que vierem a adotá-lo não serão apenas novos mercados para a vender do biocombustível, mas participantes do Acordo do Clima que querem contribuir para encontrar soluções para os problemas climáticos mundiais.

Tereza Cristina também defendeu a produção de etanol de milho, com a geração de subprodutos aproveitáveis na pecuária, a conversão de pastagens degradadas em lavouras de cana para geração do biocombustível e incentivos ao biogás e biometano. “Precisamos de uma política sólida, baseada na visão estratégica do potencial do Brasil e na perspectiva de desenvolvimento do cenário global”, afirmou. “É um processo de ganha-ganha, mas temos que trabalhar mais. Apesar das nossas emissões serem muito baixas, temos muito a contribuir para a redução global”.

Assuntos do Momento

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa
01 de Dezembro de 2021
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia
03 de Dezembro de 2021
Expansão

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia

Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina são os Estados com mais startups voltadas ao setor de energia no país

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021
29 de Novembro de 2021
Descarbonizar

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021

Outro destaque foi a apresentação do Fundo Garantidor do Biogás, primeiro fundo com foco ambiental no Brasil, lançado em setembro pelo The Lab junto com a ABiogás

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa
02 de Dezembro de 2021
Reivindicação

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa

Deputado José Mário Schreiner (DEM-GO) também propõe que produtores rurais tenham o mesmo regime tributário dos produtores de biocombustível

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia
30 de Novembro de 2021
Energia Renovável

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia

São empresas de grande e médio porte como indústrias e shoppings que ainda são abastecidas pelo mercado regulado e que hoje possuem, sozinhas ou em comunhão, carga superior a 500 kW

Disponible en español Disponible en español
Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes
01 de Dezembro de 2021
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade