Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Mini turbina eólica com preço de celular, produz energia em casa, tem um funcionamento igual ao de grandes parques eólicos e promete revolucionar a geração da energia renovável no mundo

Energia eólica em casa tem um funcionamento igual ao de grandes turbinas em parques eólicos, no entanto, com um tamanho reduzido.

Redação com informações de Click Petróleo e Gás
07-Out-2021 08:49

Somente no Ceará, há 27 mini usinas distribuídas em oito municípios diferentes, que abastecem 90 unidades. Com um mercado ainda incipiente em todo o Brasil, o uso de mini turbinas eólicas (aerogeradores) para Geração Distribuída de energia ainda não é tão conhecido. A produção de energia eólica em casa tem um funcionamento igual ao de grandes parques eólicos, no entanto, com um tamanho reduzido.

Com o custo alto da energia elétrica em todo o Brasil, devido a crise hídrica e o uso das termelétricas, a energia eólica pode ganhar novos adeptos no país, assim como acontece com a energia solar.

De acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) fornecidos pelo Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico no Ceará (Sindienergia-CE), de 2008 a 2021 o Ceará conta com 27 mini usinas em oito municípios, as quais abastecem 90 unidades, já que uma usina pode fornecer energia para mais de uma residência.

O coordenador do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Ceará (UFC), Raphael Amaral, explica que o funcionamento é bem semelhante aos aerogeradores de grande porte.

“A diferença é que tem que ser adaptado ao perímetro urbano, por isso não são tão difundidas quanto a energia solar”. disse Raphael Amaral, professor de Engenharia Elétrica da UFC

“Funcionam da mesma maneira e tem os mesmos componentes. Tem um sistema de pás que absorve a energia dos ventos, transforma em movimento e aciona um gerador que disponibiliza energia elétrica de diferentes maneiras para a unidade”, acrescenta o engenheiro mecânico Luiz César Sampaio.

Para que o sistema funcione, é necessário que seja usada alguma tecnologia capaz de transformar a energia captada de modo a ser utilizada como elétrica, conforme explica Sampaio, também diretor e fundador da Enersud, empresa que atua com aparelhos de geração distribuída para residências.

“Uma dessas formas é pegar a energia e passar para um dispositivo chamado inversor, que vai transformar essa energia. Isso vale tanto para os pequenos sistemas quanto para os grandes. Com essa tecnologia é possível injetar na rede da sua casa e mesmo exportar para a rua”.

Há também um sistema mais tradicional, conhecido como off grid. Neste, são usados acumuladores, ou seja, baterias que armazenam a energia na hora em que o vento está mais forte. A energia é “guardada” na bateria e ela, por meio de um outro tipo de inversor, faz a transformação para ser utilizada.

“Essa energia gerada a partir da bateria normalmente não pode ser injetada na rede, tem que ser usada isolada, então é muito boa pra casas isoladas, sistemas isolados. Tem propriedades que faltam luz com frequência e, neste sistema eólico, você pega a energia gerada pela turbina, guarda na bateria e no momento que precisar ela tá lá disponível”, aponta Sampaio.

Outra opção é usar apenas a turbina e, com dispositivos eletrônicos que custam menos de R$ 10, alimentar direto postos de iluminação e redes. “Você pega a energia direto da turbina e distribui para determinados usos, porém, a condição é que tenha um vem bem constante, além disso, a aplicação é mais simples”.

De acordo com Sampaio, as turbinas eólicas são mais úteis nas aplicações off grid. Contudo, para decidir se é vantajoso, é preciso avaliar as condições ambientais nas quais a residência está instalada, uma vez que é necessária uma boa circulação de ventos para que o sistema seja acionado.

Por isso, uma recomendação do engenheiro é complementar o sistema eólico com o solar, de modo a garantir um fornecimento completo de energia elétrica a partir de produção por fontes renováveis.

“O sistema solar sofre muito com a drenagem que ele sofre à noite, quando não tem sol. A eólica, por sua vez, aumenta o tempo de autonomia da energia. Em locais que o vento é muito bom, você pode usar a geração eólica sozinha, já em locais que tem muita nebulosidade, ambas se complementam”, afirma Luiz César Sampaio, engenheiro mecânico.

O coordenador da Engenharia Elétrica da UFC pontua também que o sistema eólico apresenta algumas inconveniências. “Tem o ruído e o fato de ter uma manutenção mais frequente por conta das partes móveis. É uma opção mais vantajosa para quem tem terrenos grandes”.

Os custos para a instalação de um sistema eólico variam conforme a potência desejada, que podem ser de 500 W até 6 mil W, com preços de R$ 2,7 mil até R$ 50 mil.

 

 

Assuntos do Momento

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa
01 de Dezembro de 2021
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia
03 de Dezembro de 2021
Expansão

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia

Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina são os Estados com mais startups voltadas ao setor de energia no país

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021
29 de Novembro de 2021
Descarbonizar

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021

Outro destaque foi a apresentação do Fundo Garantidor do Biogás, primeiro fundo com foco ambiental no Brasil, lançado em setembro pelo The Lab junto com a ABiogás

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa
02 de Dezembro de 2021
Reivindicação

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa

Deputado José Mário Schreiner (DEM-GO) também propõe que produtores rurais tenham o mesmo regime tributário dos produtores de biocombustível

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia
30 de Novembro de 2021
Energia Renovável

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia

São empresas de grande e médio porte como indústrias e shoppings que ainda são abastecidas pelo mercado regulado e que hoje possuem, sozinhas ou em comunhão, carga superior a 500 kW

Disponible en español Disponible en español
Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes
01 de Dezembro de 2021
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade