Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Macron e a falácia da autossuficiência em soja

Falsa solução pode agravar o problema ambiental no Brasil e no mundo.

Marcos S. Jank

Especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas.

21-Jan-2021 11:46

O presidente da França, Emmanuel Macron, responde ao seu público interno e à opinião pública europeia ao pressionar o Brasil no tema do desmatamento do bioma Amazônia, que, sabemos, é 98% ilegal ou irregular. Não resta dúvida de que o Brasil tem a obrigação legal de eliminar o desmatamento ilegal.

A postura de Macron segue as diretivas do novo Green Deal da União Europeia, que propõe a rejeição de produtos que contenham “desmatamento importado”. O norte-americano Joe Biden deve lançar medidas similares nos EUA, e a China caminha na mesma direção. Em outras palavras, vai aumentar a pressão contra o desmatamento.

Mas Macron propõe uma solução equivocada, que pode agravar o problema ambiental no Brasil e no mundo: bloquear as importações do Brasil e ampliar a produção europeia de soja. Essa falsa solução vem sendo alardeada pela França desde os anos 1980, inicialmente por pressão dos poderosos lobbies agrícolas daquele país, que queriam reduzir a dependência por importações, e agora sob o mantra da questão climática.

A proposta de autossuficiência europeia em soja é uma grande falácia, pelos seguintes motivos: 

a) a cadeia da soja é um dos melhores exemplos de alocação eficiente de recursos no comércio internacional. O comércio de soja responde por metade da produção global, índice bem superior ao observado em outras commodities —em geral, é menos de 30%. Três países (Brasil, EUA e Argentina) concentram 81% da produção e 87% das exportações, graças à sua notória eficiência; 

b) o Brasil é o maior e o melhor produtor mundial. Nossa produtividade média alcança 3.400 kg/hectare, 25% superior à obtida pela França, 70% maior que a da China e o dobro da Rússia. Além disso, nossos competidores produzem uma safra por ano. Aqui fazemos duas safras sobre a mesma área, sem precisar de irrigação. Ou seja, além de 3.400 kg/ha de soja na primeira safra, conseguimos tirar outros 5.400 kg/ha de milho. Aumentar a produtividade agropecuária é o principal vetor para reduzir desmatamento futuro. A experiência tropical brasileira é sólida e única; 

c) o principal produto que os europeus importam do Brasil é o farelo de soja, usado como ingrediente proteico para alimentação animal. A soja brasileira é a mais rica do mundo em teor de proteína, principalmente nas áreas de cerrado.

Uma alternativa para os franceses reduzirem a sua dependência por soja importada seria ampliar o cultivo de outras oleaginosas mais bem adaptadas ao clima europeu, como canola (colza), girassol e linhaça. A área dessas três culturas na Europa é dez vezes superior à de soja. Ocorre, porém, que essas plantas são muito boas para a produção de óleo, mas pouco eficientes para farelos. E óleos valem muito mais que farelo.

Menos de 12% da soja brasileira é cultivada no bioma Amazônia. Diferentemente do que se propaga na Europa, a nossa produção de soja cresce basicamente por meio da expansão em áreas de pastagens, e não sobre florestas e vegetação nativa. As grandes “tradings” estimam que 95% da soja produzida no Brasil não têm qualquer relação com desmatamento.

Segundo a FAO-Leap (Food and Agriculture Organization - Livestock Environmental Assessment and Performance Partnership), se não estiver associada a desmatamento, a soja brasileira é a que tem as menores emissões diretas no ciclo produtivo, quase 30% inferiores às dos EUA. Contribui para isso a prática generalizada do plantio direto na palha.

Banir o Brasil do mercado internacional, como sugere Macron, terá como consequência a expansão do cultivo de soja em regiões de menor produtividade e qualidade e maior pegada ambiental, piorando a situação, ao invés de melhorá-la.

A solução é o monitoramento, e não o banimento. Em vez da exclusão, promover a inclusão de soja brasileira sustentável e responsável, descolada de desmatamento ilegal, que gere renda no Brasil e contribua para a segurança alimentar do planeta.

 

Publicado originalmente em Folha de São Paulo, Seção Tendências/Debates, 20/01/2021

Assuntos do Momento

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais
06 de Maio de 2021
Mercado

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais

As vantagens estão despertando a atenção de produtores do Estado que investem na instalação de usinas fotovoltaicas em suas propriedades

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP
05 de Maio de 2021
Renováveis

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP

Através de parceria firmada na última semana, estado visa implementar projetos de eficiência energética

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre
03 de Maio de 2021
Renováveis

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre

O país possui, hoje em dia, aproximadamente 6,5 gigawatts (GW) de empreendimentos eólicos e fotovoltaicos no Ambiente de Contratação Livre, conforme pesquisa da Cela

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços
04 de Maio de 2021
Energia

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços

Energia elétrica gerada nas usinas e exportada para o sistema elétrico não terá ganho em volume por causa da safra menor

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem
05 de Maio de 2021
Eólica

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem

Empreendimento soma 344 MW de capacidade instalada e investimento total de mais de R$ 1,5 bilhão. Folha Larga Norte fornecerá energia renovável para Braskem por 20 anos, conforme contrato de compra de energia (PPA)

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano
06 de Maio de 2021
Energia

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano

Levantamento foi realizado no país pela Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos - ABREN

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade