AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bioenergia

Lixo é uma das opções para geração de energia no País

09-Abr-2012 09:19 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

Entre as muitas propostas de alternativas no setor de produção de energia elétrica no Brasil, o Polo de Biotecnologia do Rio de Janeiro (Fundação Bio-Rio), na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), abriga, há uma década, um protótipo que pode ser replicado pelo País. A UsinaVerde é um empreendimento privado com capacidade para processar 30 toneladas/dia. Mas uma planta comercial processaria 150 toneladas diárias. As informações são do pesquisador do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe)/UFRJ, Luciano Basto, e do engenheiro químico da UsinaVerde, Alain C. Carelli.

O princípio da UsinaVerde é incinerar lixo a altíssimas temperaturas (1000 º C) e aproveitar todo esse calor para gerar energia. É uma usina térmica cujo combustível é o resíduo sólido para o qual se dá, após toda a separação dos recicláveis possível, um destino diferente do aterro sanitário. O processo reduz o material a 10% do seu volume, na forma de cinzas inertes.

É um processo diferente do já instalado no Aterro Bandeirantes, em São Paulo, que tem uma termelétrica que recupera o gás metano, produzido naturalmente no aterro, que funciona como biodigestor anaeróbico de matéria orgânica. O gás é consumido por um grupo de motores que gera eletricidade. Na usina de incineração, um forno eleva o lixo à alta temperatura, e, no resfriamento dos gases, temos uma máquina à vapor. No outro, o gás alimenta um motor a combustão interna.

Segundo Basto, hoje existem duas mil usinas termelétricas movidas a lixo no mundo, sendo mil a gás de aterro, 600 de incineração e cerca de 200 de biodigestão anaeróbica. As outras são plantas pequenas e médias de diferentes tecnologias.

Tradicionalmente as incineradoras só estão preocupadas em eliminar resíduos perigosos, um procedimento que custa em torno de R$ 1.500,00 por tonelada. Para o lixo urbano público essa destinação é muito cara, inviável. Uma solução é encontrar novas receitas, como a geração de energia elétrica.

"Como a partir de 2014 todo o lixo não aproveitado para a reciclagem só pode ir para o aterro sanitário, soluções como a da UsinaVerde vão se colocar viáveis", afirma, mas admite que uma térmica a lixo não vai competir no leilão. Depende de identificar consumidores de energia livres ou especiais, que, em determinados horários, pagam muito caro. O mercado energético é que vai solucionar o problema do lixo. Não é o lixo que vai resolver o problema energético. Mas tem a vantagem de adiar a construção de novas usinas para gerar energia".

Basto enfatiza que no resto do mundo se administra a escassez: "No nosso caso é a administração da abundância. Nós necessariamente temos que buscar o que é mais barato. E é muito difícil, mas necessário, precificar todas as variáveis, ambientais, sociais e operacionais".

Planejamento - São muitas as discussões em torno da produção de energia elétrica, até porque energia é essencial para o desenvolvimento do País. O governo vem investindo de forma crescente em planejamento, a ponto de criar, em 2004, uma empresa só para isso. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) presta serviços na área de estudos e pesquisas destinadas a subsidiar o planejamento do setor energético, como energia elétrica, petróleo e gás natural e seus derivados, carvão mineral, fontes energéticas renováveis e eficiência energética.

O professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (USP), José Goldemberg, acredita que, para garantir a sustentabilidade energética brasileira, é preciso continuar a investir nas hidrelétricas e nos produtos de cana-de-açúcar e nas outras renováveis. "Caso contrário derivados de petróleo aumentarão sua participação na matriz tornando-a menos sustentável", pondera.

Godemberg, que ocupou cargos na área de Ciência e Tecnologia, Meio Ambiente e Educação, pondera que a expansão das hidrelétricas encontra problemas na Amazônia, ao alterar os cursos dos rios, alagar áreas para formação de reservatórios e deslocar populações ribeirinhas. Na expansão do uso da cana-de-açúcar, destaca o entrave de substituir outras culturas ou provocar novos desmatamentos.

Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, destaca que o País deve investir em empreendimentos renováveis sustentáveis, principalmente na energia eólica, em sistemas solares fotovoltaicos e no aproveitamento energético de biomassa vegetal e animal disponíveis. Ele acredita que políticas de eficiência energética deveriam estar no topo da prioridade de ações governamentais no setor, tanto pelo custo quanto pela rapidez de implementação em comparação à construção de novas usinas.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil
20 de Janeiro de 2022
Brasil

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil

Uso de energias como a solar e a eólica ganharam forçam em meio ao combate às mudanças climáticas

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais
19 de Janeiro de 2022
EUA

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais

O financiamento ajudará as pessoas em comunidades rurais particularmente carentes a reduzir os custos de energia, aumentar a resiliência energética e enfrentar as mudanças climáticas

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021
24 de Janeiro de 2022
Biocombustível

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021

Ao todo, Santa Catarina concentra 18.634 clientes diretos, entre indústrias, unidades residenciais, estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis, além dos 112.353 usuários de GNV (Gás Natural Veicular)

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade