AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Geração Distribuída

Lei de Geração Distribuída apressa corrida por projetos de geração de energia renovável

Lei determina a cobrança, a partir de 2023, pelo uso da rede de distribuição

Redação com informações de Gazeta do Povo
31-Jan-2022 08:36

O marco legal da microgeração e minigeração distribuída, que veio com a lei 14.300, sancionada pela presidência da República no dia 7 de janeiro, está provocando uma corrida por projetos nesta área. É a chamada Geração Distribuída, voltada para consumidores que geram a própria energia elétrica, especialmente por meio de fontes renováveis - solar, eólica e biomassa.

Se por um lado a lei trouxe segurança jurídica e previsibilidade, por outro ela determina a cobrança, a partir de 2023, pelo uso da rede de distribuição. Mas garante a manutenção das regras atuais até 31 de dezembro de 2045, sem essa cobrança, para solicitações feitas até um ano após a publicação da lei, ou seja, até 7 de janeiro de 2023.

Por isso, a pressa em investir. Quem solicitar após essa data, pagará um percentual pelo uso da rede que terá um aumento gradativo, começando com 15% dos custos da operação em 2023, chegando a 90% a partir de 2028.

Essas mudanças na legislação estão provocando uma corrida por novos projetos. “A hora de investir é agora”, diz o economista Luiz Eliezer Ferreira, da Federação da Agricultura do Paraná (Faep). No campo, a procura por fontes renováveis tem sido crescente. A energia é um dos principais insumos do processo produtivo e pesa no bolso do produtor rural. Por isso, a busca por fontes mais baratas.

Há incentivo no estado para esses projetos. Por meio do programa Renova Paraná, o governo assume até 5 pontos percentuais do juro nos financiamentos de projetos de energia renovável como forma de subsídio. “Para o produtor rural é vantajoso. É um investimento que se paga entre três e cinco anos, informa Ferreira. De acordo com informações da Secretaria da Agricultura do Paraná, é comum um produtor rural pagar entre R$ 8 mil e R$ 10 mil de conta de luz por mês. Com uma usina solar, o custo pode cair para a tarifa mínima, de R$ 70.

Mais um motivo para buscar investir em fontes alternativas, segundo o economista da Faep, é a proximidade do fim da vigência da tarifa rural noturna. Hoje, a energia elétrica consumida no campo entre 21h30 e 6h da manhã tem um desconto de 60%, o que vai acabar em 31 de dezembro de 2022.

R$ 90 milhões disponíveis em crédito

“O financiamento de alternativas energéticas é prioridade hoje no sistema nacional de fomento, que congrega todos os bancos de desenvolvimento”, informa Heraldo Neves, diretor-presidente da Fomento Paraná, instituição financeira do governo do estado.

A Fomento Paraná dispõe de R$ 90 milhões especificamente para financiar projetos de geração de energia renovável. O crédito é voltado apenas para empreendimentos, ou seja, pessoas jurídicas.

Segundo Neves, as condições são as melhores em termos de custo, carência e prazo. “É o que tem de mais barato no país”, garante. A taxa de juros é de 5% ao ano, com prazo de pagamento de 12 anos e até 24 meses de carência. Há um subsídio na taxa de juros de 5% para projetos financiados pelo Banco do Empreendedor e de 7% por meio do Banco da Mulher.

A linha de crédito financia painéis fotovoltáicos, projetos de energia eólica e biodigestores. Para pleitear o financiamento, os interessados devem primeiro desenvolver o projeto de engenharia e procurar a Fomento Paraná, por meio da rede credenciada de correspondentes de crédito, disponível no site da instituição.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade