AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bioenergia

Investimentos em energia de biomassa avançam em SP e atingem R$ 5,8 bilhões

Quase dois terços dos recursos referem-se a empreendimentos cuja fonte de biomassa são resíduos da cana-de-açúcar, como bagaço, palha, vinhaça e/ou torta de filtro

Portal da Energia
21-Jul-2022 09:00

Dados da Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo - Piesp, da Fundação Seade, indicam investimentos de R$ 5,8 bilhões, de 2018 a maio de 2022, em energia de biomassa.

Quase dois terços dos recursos referem-se a empreendimentos cuja fonte de biomassa são resíduos da cana-de-açúcar, como bagaço, palha, vinhaça e/ou torta de filtro (R$ 3,6 bilhões). Mais R$ 1,7 bilhão estão direcionados para resíduos sólidos urbanos depositados em aterros sanitários. Outros R$ 503 milhões relacionam-se ao uso de resíduos florestais, essencialmente cavacos de madeira.

Em relação ao montante dos investimentos, R$ 3,0 bilhões foram destinados à geração de eletricidade e o restante para produção de biocombustíveis, sendo R$ 2,0 bilhões para etanol e R$ 773 milhões para biometano.

Os maiores investimentos anunciados em eletricidade envolvem resíduos sólidos urbanos (Lara, em Mauá; Orizon, em Paulínia), resíduos de cana (Tereos, nas RAs de Barretos, São José do Rio Preto e Ribeirão Preto; Raízen, em Guariba e Paraguaçu Paulista; Zilor, em Lençóis Paulista) e florestais (IBS, em Lençóis Paulista).

No caso do etanol destacam-se resíduos de cana (Raízen, em Valparaíso e Barra Bonita) e, no de biometano, resíduos sólidos urbanos (ZEG, em São Paulo) e biomassa de cana (Usina Cocal, em Narandiba).

Regiões do estado

Mais de 25% dos anúncios em energia de biomassa (R$ 1,5 bilhão) foram direcionados para a Região Metropolitana de São Paulo. Na sequência, vêm as regiões administrativas de Bauru (R$ 753 milhões), Campinas (R$ 303 milhões), Ribeirão Preto (R$ 267 milhões), Presidente Prudente (R$ 160 milhões) e Marília (R$ 156 milhões).

A abrangência inter-regional somou R$ 2,7 bilhões, destinados às RAs de Araçatuba, Barretos, Bauru, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade