AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Opinião

Horário de Verão 2012 / 2013

CPFL Piratininga
15-Out-2012 08:11 - Atualizado em 20/04/2016 14:43

Por Marco Antonio Villela de Abreu, diretor de Operações de Distribuição da CPFL Energia

A partir da zero hora do dia 21 de outubro vamos começar mais uma edição do Horário de Verão no Brasil. Assim como vem acontecendo há 28 anos, nesse dia, os relógios de milhões de brasileiros, em dezesseis estados, deverão ser adiantados em uma hora para otimização da capacidade de fornecimento do sistema elétrico do país. A medida, que já faz parte da cultura do brasileiro, vai durar 119 dias, estendendo-se até a meia noite do dia 16 de fevereiro de 2013, quando os relógios terão que ser atrasados em uma hora.

Com o Horário de Verão, o Grupo CPFL estima uma redução de 2,5 % na demanda global por energia elétrica no horário de ponta em suas áreas de concessão, além de uma redução no consumo de 157.264 MWh, energia suficiente para atender uma cidade como Jundiaí por 27 dias.

Outro ganho muito importante para o sistema elétrico consiste na diminuição do carregamento de energia nas linhas de transmissão e subestações no período do dia em que se tem o maior consumo: um intervalo de três horas entre o final da tarde e início da noite, que varia de região para região, devido ao escurecer diferenciado. É nesse momento que o sistema elétrico atinge o seu pico de carga, ou seja: todos aumentam o consumo de energia ao mesmo tempo. Nesse período, entra em funcionamento o serviço de iluminação pública nas cidades, são acionados luminosos comerciais e aumenta o consumo de energia elétrica nas residências, pela maior utilização de chuveiros e aparelhos como ar condicionado.

Ao se deslocar o horário oficial em uma hora, dilui-se por um período maior o momento de entrada em funcionamento desses equipamentos. A iluminação pública, por exemplo, começa a funcionar após as 19h, quando se encerram o horário comercial e as atividades industriais, em sua maioria. Com dias mais quentes, propícios a passeios e atividades físicas ao ar livre, as pessoas retardam o horário de utilização do chuveiro e da iluminação residencial, equipamentos que apresentam alto consumo de energia. Essas são as principais razões para a adoção do Horário de Verão pelo Brasil, seguindo passos de muitos outros países, principalmente na Europa e na América do Norte.

O brasileiro está, aos poucos, se conscientizando de que a medida, que para alguns pode trazer algum desconforto no que tange à adaptação ao novo horário, é uma solução inteligente para o país. Afinal, a experiência comprova que, além dos benefícios para a economia e para o sistema elétrico como um todo, há ainda a questão da socialização das pessoas e da promoção da prática de atividades ao ar livre, que se configuram também em ganhos à sociedade.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade