Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Hora de ser visionário

Como na vida o joio sempre desvaloriza o trigo, o Brasil precisa fazer as lições de casa que não deveria ter abandonado. Lições que o país bem conhece, mas nem sempre conduz com a vontade e a responsabilidade desejáveis

Coriolano Xavier

Membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

25-Nov-2021 08:26

A COP 26 deixará marcas fortes no futuro da economia, pelo mundo afora. Foram 15 dias de amplas discussões, negociações e compromissos em torno de metas, que agora devem impactar nossas vidas e a das próximas gerações, em algum grau, sejam ou não cumpridos. Difícil falar de tudo no espaço de um pequeno comentário. Então, aqui o foco vai para um dos fatos geopolíticos mais relevantes dessa Cúpula do Clima - o reengajamento dos EUA na questão climática (o governo Trump havia abandonado o Acordo de Paris) e a retomada de seu protagonismo no encaminhamento mundial da questão. 

O presidente Joe Biden fez da agenda verde um pilar de suas políticas internas e externas. Aí se encaixam coisas como a renovação da infraestrutura do país sob uma perspectiva sustentável e impulsionada por inovações da economia verde. Também estímulos econômicos de peso a pesquisas e empreendimentos que proporcionem saltos no uso de tecnologias limpas. No seu conjunto, estamos falando de um programa da ordem de 1 trilhão de dólares, para incentivar o setor privado na direção de soluções menos agressivas ao ambiente e descarbonizadas.

Esse retorno dos EUA ao protagonismo climático (debate e ação) cria um contraponto geopolítico à visibilidade que a China estava adquirindo na agenda verde, apesar de ser o maior emissor de GEE do planeta. E a Europa, que há muito é um celeiro de bandeiras pela sustentabilidade. Ou seja: os motores da economia mundial – EUA, China e União Europeia – parecem estar mais engajados na agenda verde (apesar de controvérsias em seus próprios territórios). Mas, quando se olha de uma perspectiva histórica, o progresso vem prevalecendo.

Enfim, parece que a questão climática, outras agendas de ambientais e a bioeconomia pautarão em boa medida o crescimento econômico nos próximos anos. Disso, ao que tudo indica, ninguém vai escapar. Pelo menos não as 20 maiores economias do mundo (o chamado G 20), todas com um relevante grau de integração internacional, entre elas o Brasil. E nós, aqui nos trópicos, o que temos para navegar nessa rota, sob pressões de todos os lados pela descarbonização da economia e sustentabilidade do planeta? 

Na COP 26, a percepção do Brasil acho que saiu como as duas faces de uma moeda. De um lado, o passivo político do desmatamento na Amazônia e da baixa efetividade do governo em contê-lo. De outro lado, o dinamismo da sociedade civil em criar inovações e engajar-se na pauta climática, com nossos avanços em energia renovável, produção sustentável de alimentos (iLPF e Plano ABC+), carne carbono neutro e florestas plantadas repercutindo positivamente. O país também formalizou compromissos de zerar o desmate ilegal até 2028, cortar a emissão de GEE pela metade até 2030, reduzir gás metano e atingir a neutralidade de carbono em 2050. Promessas, no entanto, que ainda estão sob o signo de um certo descrédito.

Como na vida o joio sempre desvaloriza o trigo, o Brasil precisa fazer as lições de casa que não deveria ter abandonado. Lições que o país bem conhece, mas nem sempre conduz com a vontade e a responsabilidade desejáveis. O país bem poderia ser um visionário na agenda verde, como já foi um dia na agricultura tropical sustentável, o que lhe valeu o protagonismo na segurança alimentar mundial. Afinal, o que foi a revolução agrícola tropical que fizemos senão uma atitude visionária na época, atrás da autossuficiência em alimentos? 

É hora de também sermos visionários em estratégias de sustentabilidade. Será que é razoável resistir a coisas que seriam boas para o país, em nome de paradigmas do século passado? No mínimo, seria inteligente pensar e avaliar custo-benefício a médio e longo prazos. Pelo que se observa no quadrante histórico da economia mundial que se inicia com a COP 26, a ponte com o amanhã está em ser mais assertivo com as visões ascendentes das sociedades e do consumidor global. As gerações mais novas são nativas da descarbonização, da energia limpa e da bioeconomia. E será com elas que vamos escrever as nossas páginas de futuro.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil
20 de Janeiro de 2022
Brasil

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil

Uso de energias como a solar e a eólica ganharam forçam em meio ao combate às mudanças climáticas

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais
19 de Janeiro de 2022
EUA

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais

O financiamento ajudará as pessoas em comunidades rurais particularmente carentes a reduzir os custos de energia, aumentar a resiliência energética e enfrentar as mudanças climáticas

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021
24 de Janeiro de 2022
Biocombustível

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021

Ao todo, Santa Catarina concentra 18.634 clientes diretos, entre indústrias, unidades residenciais, estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis, além dos 112.353 usuários de GNV (Gás Natural Veicular)

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade