Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Meio Ambiente

Grandes indústrias perseguem carbono neutro

Desafio climático coloca a redução de gases efeito estufa na agenda de inovação

Redação com informações de Valor
01-Set-2021 11:00 - Atualizado em 02/09/2021 09:22

O desafio climático coloca a redução de gases efeito-estufa na agenda de inovação. A CBA quer reduzir em 40% as emissões na média dos produtos fundidos, ter linha de produtos carbono neutro até 2030 e neutralização total até 2050. Em 2020, firmou compromisso com o Science Based Target (SBTi), iniciativa para elaboração de metas baseadas em ciência, e desenvolveu o programa Suprimento Sustentável para engajar fornecedores.

Na cadeia da mineração e produtos primários do setor, 70% das emissões estão nos fornos de produção de alumínio. A média mundial de emissão é de 4 toneladas por tonelada de alumínio, mas na CBA são 2,66 e a meta é alcançar 2,18 em 2030, com investimento perto de R$ 600 milhões para atualizar os fornos. Só o uso de biomassa de madeira para caldeira na refinaria de alumina, em parceria com a Combio, cortou 43% da emissão no processo. “Os clientes começam a se interessar pelo alumínio verde”, afirma o diretor-presidente Ricardo Carvalho.

Na Petrobras, as emissões por barril produzido caíram quase à metade em 11 anos. “Nossas ações estão voltadas para produção com baixo carbono”, disse o presidente Joaquim Silva e Luna, em Houston, durante evento do setor. Até 2030, o objetivo é reduzir emissões de gases efeito estufa em 25%, sobre 2015, com inovações como sistema de recuperação de gás no flare (equipamento de segurança); tecnologia Hisep, em fase de testes, que separa e reinjeta o gás que sai do reservatório a partir de sistema no fundo do mar; biodiesel com emissões na produção 70% inferior ao diesel regular; e bioquerosene de aviação (BioQAV).


Na Klabin, a inovação para baixo carbono inclui de novas tecnologias e inteligência climática a produtos e processos mais sustentáveis. Depois de reduzir emissões em 64% de 2003 a 2020, a empresa criou curva de custo marginal para estimar precificação do carbono em cenário de mercado regulado, definido em US$ 7 por tonelada, diz o gerente de sustentabilidade e meio ambiente, Júlio Nogueira.

Com balanço líquido de 4,5 milhões de toneladas de CO2 - suas 23 fábricas emitem menos do que o capturado e fixado em florestas -, a meta é reduzir 25% das emissões até 2025 e 40% até 2035, em relação a 2019, com projetos como uso de fibra de eucalipto para papel kraftliner, gaseificação de biomassa de madeira no forno de cal, uso do saponáceo gerado no cozimento da madeira como combustível e queima de hidrogênio, tudo na fábrica Puma II em Ortigueira (PR).

Agronegócio e energia são pródigos no tema. A DSM criou o aditivo Bovaer, que pode reduzir em até 30% o metano produzido por bovinos e outros ruminantes. A Yara, que reduziu as emissões de operações globais em quase 45% de 2005 para cá, mira a neutralidade em 2050. A empresa criou a Agoro Carbon Alliance para incentivar agricultores a adotarem práticas sustentáveis e obter receitas extras com crédito de carbono, detalha o head, Iule Arruda.

A BP Bunge definiu para 2030 metas como 10% menos emissão de gases efeitoestufa na produção de etanol. Suas 11 unidades são certificadas pelo RenovaBio, programa de incentivo à produção de biocombustíveis com metas de descarbonização, e o bagaço de cana gera bioeletricidade com capacidade de exportar 1,4 GW para o grid. A Engie investiu R$ 80 milhões de P&D na geração de energia eólica e, em parceria com a WEG, desenvolveu o primeiro aerogerador nacional de grande porte, com 4,2 MW de potência.

O portfólio para ajudar a descarbonização de clientes inclui créditos de carbono, contratos e certificados de energia renovável (I-Rec) e digitalização para migrar clientes para o mercado livre, que apoiou a entrega do conjunto eólico Campo Largo 2 (BA), com 361,2 MW, e aporte de R$ 2,2 bilhões no conjunto Santo Agostinho (RN), com 434 MW, explica o diretor de comercialização de energia Gabriel Mann. A Votorantim Energia também ampliou frentes em créditos de carbono e I-Recs, conta Raul Cadena, diretor de clientes e comercialização.

A Siemens desde 2015 tem compromisso de neutralidade em operações até 2030. Em setembro alcançou redução de 54%. No Brasil, atingiu 84% e antecipou a neutralização para 2025, diz a especialista em sustentabilidade e relações governamentais Marcia Sakamoto. A definição do preço interno em cerca de R$ 40 por tonelada de CO2 gerou um fundo de investimento para inovações de descarbonização.

A Siemens Energy oferece soluções verdes como energia como serviço por turbina a gás (60% hidrogênio verde) para a nova planta da Braskem.

Na área de transporte e logística, a Scania tem metas como cortar 50% na emissão de CO2 nas operações e 20% nos produtos até 2025, com base em 2015. Já alcançou 43% nas instalações fabris, se aproximou de compradores de serviços de transporte, como L’Oréal ou Pepsico, e criou o Logistic Lab, para desenvolver solução de baixo carbono em sua própria logística, diz a diretora de relações corporativas, Patricia Acioli.

Assuntos do Momento

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica
24 de Setembro de 2021
Bioenergia

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica

Empresa EV Brasil assinou protocolo com governo do estado para instalar primeiro projeto do tipo no país, nesta terça-feira (21). Investimento inicial é de R$ 12,5 milhões.

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira
24 de Setembro de 2021
Compromisso

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira

Presidente citou compromisso com dois pactos, um para reduzir emissões de carbono e outro para financiar o setor de hidrogênio, e disse que país é destaque na implementação de soluções energéticas sustentáveis

Alta do gás pode abalar transição verde na UE
23 de Setembro de 2021
Meio Ambiente

Alta do gás pode abalar transição verde na UE

Há o temor de que a crise energética tenha impacto sobre a crença no investimento em fontes mais limpas

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica
24 de Setembro de 2021
Alternativa

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica

Bioágua é feita a partir da filtragem das chamadas águas cinzas. Combinação entre diferentes fontes é a solução para pesquisadores, que também apostam no uso da água subterrânea.

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia
24 de Setembro de 2021
Certificado

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia

Documento atesta conformidade da Companhia ao Regulamento turco de Resíduos Zero

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023
24 de Setembro de 2021
Biocombustível

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023

Matéria-prima foi classificada pelo bloco como fator que resulta em desmatamento excessivo e não pode mais ser considerada um combustível renovável para transporte.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade