AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Grande Parte da Cana Já Processada

Boletim Cana30: resumo de agosto e os pontos selecionados para setembro

 

Marcos Fava Neves

Marcos Fava Neves é Professor Titular da Faculdade de Administração da USP, Campus de Ribeirão Preto. Especialista em planejamento estratégico do agronegócio ([email protected]).

02-Set-2020 11:46

Vamos aos nossos fatos relevantes do mês de agosto e as perspectivas para setembro. A Conab, em seu segundo boletim da safra 2020/21 para cana, estima uma produção Brasil de 642,1 milhões de toneladas, 0,1% a menos que no ciclo passado.

Segundo a UNICA com dados do Centro Sul, no acumulado, desde o início do ciclo até 16 de agosto, foram processadas 373 milhões de toneladas de cana, 6% a mais que no mesmo período do ano anterior. Passamos de 60% da safra concluída. A qualidade da cana, medida em kg de ATR, está em 137,4 contra 130,9 do ciclo passado (quase 5% superior). O mix para o açúcar está em 47,0%, contra os 35,3% do mesmo período de 2019/20. Assim, a produção de açúcar está 48,2% superior, saltando de 15,5 milhões de toneladas para 23 milhões. Por outro lado, a produção de etanol acumula queda de 6,4%, vindo de 18 bilhões de litros para 16,8 bilhões.

O complexo Sucroenergético teve aumento significativo nas exportações de julho, registrando vendas de US$ 1,1 bilhão, 73,8% superiores a 2019.

Em relação às empresas, o Grupo São Martinho melhorou os resultados no primeiro trimestre desta safra frente ao mesmo período da anterior. O lucro líquido cresceu 26,5% chegando a R$ 115,7 milhões, enquanto que a receita líquida cresceu 35,8% atingindo 1,0 bilhão. Tais números são frutos das estratégias de exportação de açúcar, aumento do processamento de cana (+10,8%) e adiamento das vendas de etanol.

O CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) apresentou lucro líquido de R$ 18,7 milhões nos primeiros três meses da safra 20/21, frente aos R$ 7,5 milhões do mesmo período da safra anterior (149,7% a mais), com aumento de 30,9% na receita líquida, totalizando R$ 64,2 milhões, e um EBITDA de R$ 35,1 milhões (100,2% maior).

A Raízen deve inaugurar, em janeiro de 2021, a primeira usina de cogeração à biogás, com capacidade de produção de 21 megawatts, e que é fruto de R$ 153 milhões em investimentos e também planeja testar o biogás com montadoras de caminhões para substituição do diesel. Além disso, a produção do etanol celulósico já chega em algo próximo de 30 milhões de litros, e deve continuar aumentando.

Finalmente, a bioeletricidade gerada pelo setor sucroenergético no primeiro semestre de 2020 foi 5% maior que no mesmo período de 2019, com 8.399 GWh. De acordo com a UNICA, o setor representou 77% do total de bioeletricidade gerada no Brasil nesse período, o que evitou a emissão de 2,8 milhões de toneladas de CO2 à atmosfera. São Paulo é o estado com maior participação, cerca de 43% do total, com 204 usinas de cana-de-açúcar com unidades termelétricas em operação (204 UTEs). Atualmente, o setor sucroenergético representa 7% da potência energética total instalada no Brasil.

No açúcar... segundo a StoneX, a produção total na safra internacional 2019/20 (out/set) deve alcançar 181,7 milhões de toneladas, retração de 2,1% frente ao ciclo anterior. Já para 2020/21 (out/set) o volume deve ser de 183,8 milhões de toneladas. Ainda com relação à próxima safra internacional, a consultoria estima produção brasileira de 34,8 milhões de toneladas (-2%), na Tailândia de 7,6 milhões (-10,1%) e na União Europeia de 16 milhões (-4,2%). Já a demanda global de açúcar está estimada em 184,3 milhões de toneladas para 2019/20 e em 185,1 milhões em 2020/21 (out/set), com potencial déficit na ordem de 1,3 milhão de toneladas.

Já a Organização Internacional do Açúcar (OIA) previu déficit de pouco mais de 700 mil toneladas na safra 2020/21, com uma produção ao redor de 173,5 milhões de toneladas e consumo de 174,2 milhões e estoques estáveis ao redor de 96 milhões de toneladas. Houve grande redução do déficit graças ao desempenho do Brasil.

O Brasil deve se posicionar como o maior produtor de açúcar no ciclo 2020/21, com volume de 39,3 milhões de toneladas, 32% a mais que na safra anterior, segundo a Conab (dados do Brasil todo). O volume produzido até o momento na safra é 22,95 milhões de toneladas, 48% superior ao que foi produzido na safra passada.

O volume de exportação de açúcar para a China em junho foi de 239,4 mil toneladas, 477% maior que o mesmo período do ano passado. O aumento é resultado de acordo entre os países que reduziu a tarifa do produto brasileiro em 59%. Entre janeiro e maio de 2020, o acumulado era de apenas 145,3 mil toneladas.

Em julho, exportamos US$ 964 milhões, ou seja, 83,4% a mais, com um volume transacionado de 3,5 milhões de toneladas (+92,3%), quase o dobro do período anterior.

Dados divulgados pela Archer Consulting apontam que 22,5% da exportação de açúcar projetada para a próxima safra já foi fixada, a um preço médio de 12,19 centavos de dólar por libra-peso, aumento de 1% em comparação ao levantamento anterior. Estima que algo em torno de 5% da previsão de açúcar brasileiro que será exportado na safra 2022/23 já foi negociado em mercado futuro.

Os subsídios do governo da Índia para produção de açúcar devem aumentar 12% no próximo ano, o que aliado com grande produção esperada, é fator baixista de preços.

No etanol... segundo previsões da Conab para safra 2020/21, devemos produzir 30,6 bilhões de litros, 14,3% a menos que em 2019/20.

No acumulado até 16 de agosto (Unica), a produção totalizou 16,81 bilhões de litros, sendo 4,96 bilhões de anidro (29,5%) e 11,85 bilhões de hidratado (60,5%). Desse total, 4,8% foi proveniente do milho.

Já as vendas acumuladas de etanol caíram 18,98% em relação ao ciclo passado, somando um volume de 10,26 bilhões de litros. Desse volume, 91,2% foi destinado ao mercado doméstico, e 8,8% para o exterior.

Em julho, as vendas de etanol no mercado interno somaram 2,4 bilhões de litros, queda de 12,81% em comparação a 2019, sendo 768 milhões de litros de anidro (+1,36%) e 1,6 bilhões de hidratado (-18,27%).

As vendas externas de etanol para o mês aumentaram em 29,1%, atingindo a cifra de US$ 135 milhões.

É provável que a gasolina continue aumentando de preços nos próximos meses, dando espaço ao hidratado.

Para concluir, os cinco principais fatos para acompanhar agora em setembro na cadeia da cana:

  • A política de isolamento e impactos no consumo de combustíveis no Brasil. Principalmente a velocidade de recuperação do consumo de hidratado em setembro. Ao fechar esta coluna pelos dados da SCA o litro do hidratado estava R$ 2,25 com impostos nas usinas.
  • Acompanhar os impactos do coronavírus no consumo mundial do açúcar e nos preços do petróleo, principalmente. Ao fechar a coluna o barril do petróleo tipo Brent estava em US$ 46 e o açúcar a cerca de 12,6 cents/libra peso.
  • O clima e o andamento da safra de cana no Brasil, por enquanto vem vindo muito bem e já está quase em dois terços. Resta saber como a seca que estamos vivendo na parte mais norte e noroeste de SP e no triângulo mineiro vai afetar o desenvolvimento da safra 2021/22.
  • O andamento da safra de açúcar no hemisfério norte e o déficit na produção advindo das quebras na Tailândia e observar as estimativas de produção para a safra 2020/21 que virão bem maiores. O comportamento das exportações de açúcar do Brasil, que vêm surpreendendo as melhores apostas agora em setembro.
  • Observar o que deve acontecer com as tarifas e as cotas para o etanol americano entrar no Brasil e se teremos contrapartidas de acesso às necessidades de açúcar dos EUA, que seria a minha estratégia.

O valor do ATR de agosto já teve grande recuperação em relação a julho, invertendo o fechamento para cima. O acumulado está em 0,68 kg/ATR. Minha previsão hoje para o fechamento do valor do ATR (valor médio safra 2020/21): RS$ 0,707/kg, com viés de alta!

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade