AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Eólica

Governo do Rio de Janeiro quer transformar o estado em polo de energia eólica offshore

Potencial de atração de investimentos é superior a US$ 85 bi, e nove projetos em andamento podem gerar mais de 300 mil empregos

Redação com informações de Jornal Terceira Via
15-Jun-2022 08:45

O Governo do Rio de Janeiro quer transformar o estado em um dos principais polos de geração de energia eólica offshore do país. O Rio de Janeiro possui, atualmente, nove projetos em fase de licenciamento ambiental no Ibama (o equivalente a um quarto de todo o investimento nacional no setor), e o potencial de atração de investimentos, nos próximos anos, é superior a US$ 85 bilhões. A implantação desses projetos pode gerar mais de 300 mil empregos, diretos e indiretos.

“Esse segmento é considerado fundamental, em todo o mundo, para a diversificação sustentável da matriz energética. Por suas características, o litoral fluminense oferece vantagem competitiva para o desenvolvimento do polo de energia eólica offshore, e também conta com uma cadeia de serviços já consolidada. Nosso governo tem procurado entender as demandas do setor para buscar soluções que agilizem a implantação dos projetos e, assim, possibilitar também a geração de milhares de empregos e mais renda para a nossa população”, afirmou o governador Cláudio Castro.

Nesse sentido, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Cássio Coelho, se reuniu com a empresa Neoenergia nesta segunda-feira (13/06). Ele pontua que a execução de projetos de energia eólica offshore trará uma série de benefícios para o estado, a começar por empregos qualificados.

“Esses projetos possibilitarão o aumento da segurança energética estadual, importante fator competitivo para atração de novos investimentos, e arrecadação tributária. Podem representar ainda a criação de novas demandas para a indústria naval fluminense, como contratos para navios lançadores de cabos de energia, navios guindastes para lançamento das torres, embarcações para transporte das torres, pás e complementos e para manutenção das usinas. Possibilitará, também, a atração de fabricantes das pás e complementos”, explica o secretário.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico está elaborando mapas do potencial de geração de energia limpa no estado e vai promover, no dia 22 de julho, um seminário sobre energias renováveis.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade