Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Tecnologia

Eternit começa produção em massa de telhas solares para vender no mercado renovável brasileiro

Um banco de dados de blockchain permite prova de origem verificável, criação de despacho seguro, simplificação de processos, eficiência de auditoria, integridade de dados e governança central. 

Redação
22-Mar-2021 08:50

A Eternit está preparando grande virada, depois de vender telhas de amianto por quase 80 anos, apostando pesadamente no seu projeto de telhas solares para o mercado renovável brasileiro. Após receber a certificação do Inmetro para as telhas solares, a Eternit concluiu, somente nos dois primeiros meses deste ano, mais quatro instalações dos equipamentos além dos dois projetos concluídos em 2020.

Os novos projetos de energia renovável fotovoltaicos foram instalados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e na cidade de Cambé, no Paraná. O menor deles, em Ourinhos, utilizou apenas 72 telhas solares na instalação, mas projetou uma economia mensal de R$ 50 na conta de luz, com uma capacidade de 70 kWh por mês.

Cada telha solar, produzida pela Eternit, mede 36,4 cm por 47,5 cm e tem uma potência de 9,16 watts, o que indica uma capacidade média mensal de produção de 1,15 Quilowatts-hora. Com isso, o maior projeto renovável da Eternit, o de Marília com 560 telhas solares, aponta uma capacidade de produção de 550 kWh/mês, o suficiente para um abatimento de R$ 390 na conta.

Segundo a Eternit, as telhas solares poderão cobrir seu investimento renovável entre três a cinco anos, e são cerca de 20% mais barato do que um sistema solar convencional. Para que isso seja atingido, são necessárias cerca de 150 telhas solares em uma residência pequena, e pelo menos 600 unidades em casas de alto padrão.

Falando ao podcast “ESG de A a Z” da revista Exame, o presidente do Grupo Eternit, Luís Augusto Barbosa, garantiu estar “seguindo com sucesso as etapas do plano de desenvolvimento”. Segundo ele, a linha de produção já está rodando na fábrica da Tégula Solar em Atibaia, no interior de São Paulo, para atendimento a projetos-piloto para clientes selecionados, e chegará ao mercado no segundo semestre.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade