AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia Renovável

Especialista afirma que em 2050 mais da metade da eletricidade gerada no Brasil será solar e gratuita

De acordo com a EPE, em 2050 é possível que a energia solar seja predominante no país, reforçando o uso de uma “energia gratuita”

Redação com informações de Click Petróleo e Gás
24-Out-2021 13:51 - Atualizado em 25/10/2021 10:11

De acordo com a Empresa de Pesquisa Elétrica, o custo e instalação de uma estrutura de geração de energia gratuita, pela energia solar, para as aplicações estacionárias no Brasil é de 1,5 bilhão de MWhs anuais. O mesmo vale para a mobilidade, onde seria preciso instalar 500 mil MWP em energia solar, para que a mobilidade tenha energia gratuita pelos próximos 20 anos. Diferente da energia voltada à mobilidade, que guarda eletricidade em baterias, a energia elétrica para aplicações estacionárias não possuem armazenagem imediata.

Aneel destaca que é consumido menos eletricidade do que o valor gerado.

De acordo com a Aneel, de cada 100 MWhs gerados, apenas 83 MWhs são consumidos ou faturados contra o sistema e o restante se caracteriza como perdas. O Brasil se encaixa no grupo de países com taxas de perda acima de 15%.

Sendo assim, partindo da premissa que o país poderia atingir um índice de perdas semelhante aos EUA, que é de 5%, teríamos 150 milhões de MWhs por ano adicionais para armazenagem ou consumo, o que resultaria em energia gratuita a partir da energia solar ou outras fontes.

Em 5 anos seriam cerca de R$ 150 bilhões passíveis para serem redirecionados e amortizados para realizar investimentos. Além da redução de perdas, o aumento da eficiência energética representa uma forma fácil para se obter energia gratuita sem a construção de usinas adicionais. A ideia é utilizar menos eletricidade, para fazer a mesma quantidade de trabalho.

Economia de 20% com usinas hidrelétricas.

No ranking da ACEEE, a Itália e Alemanha marcam 75,5 pontos, de um máximo possível de 100 pontos. Já o Brasil chega a apenas a marca de 35 pontos. Um esforço coletivo que possa trazer ao país uma eficiência parecida com a dos EUA, representaria uma eletricidade adicional de energia solar equivalente a 10%.

Para este trabalho de otimização na rede de eletricidade, a repotenciação das 200 usinas permitiria uma economia de 20%, o que seria de 1,2 a 1,5 bilhão de MWhs por ano, consumidos, com consequente aumento de energia gratuita em nossa “bateria”.

Desse total, cerca de 40% são consumidos diariamente e podem ser utilizados sincronicamente durante a geração de energia solar no valor de implantação de R$ 660 bilhões. Atualmente, o consumidor brasileiro já paga algo em torno de R$ 100 bilhões anuais pela eletricidade. Logo em 6 anos e meio seria possível ter o investimento amortizado.

Como ficaria os 60% quando não há energia solar?

Levando em conta o trabalho para que o sistema de transmissão fosse otimizado, 60% da energia consumida no país equivale a 720 milhões de MWhs anuais. A energia média acumulada nos reservatórios hidrelétricos é de aproximadamente 520 milhões de MWhs, por ano.

A otimização proposta traria uma disponibilidade de armazenagem de energia mais do que suficiente para que os 200 milhões de MWhs, por ano, precisos para o funcionamento seguro do sistema fossem cobertos.  

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade