AveSui2021
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Energia solar

Energia solar cresce 70% no Brasil apesar de pandemia e atrai grandes empresas

As instalações de geração solar no Brasil tiveram salto de 70% no ano, para 7,5 gigawatts (GW)

Money Times
28-Dez-2020 10:07

Poucos setores podem se gabar de crescimento no Brasil em 2020, em meio a uma pandemia global e expectativas de retração recorde na economia, mas a indústria de energia solar não só bateu recordes como entrará em 2021 com expectativas ainda melhores.

As instalações de geração solar no Brasil tiveram salto de 70% no ano, para 7,5 gigawatts (GW), quase metade da capacidade da hidrelétrica de Itaipu. O desempenho não passou batido entre investidores, e levou grandes elétricas globais e locais a ampliarem apostas na tecnologia no maior país da América Latina.

Empresas como a chinesa CGN, a norueguesa Statkraft e a VRTM, joint venture da canadense CPPIB com a Votorantim Energia, disseram recentemente que seus próximos projetos no Brasil devem envolver usinas fotovoltaicas.

A canadense Brookfield, de infraestrutura, estreou na fonte no país com a aquisição de uma usina gigante a ser concluída até 2023, enquanto a francesa Engie (EGIE11) e a portuguesa EDP têm ampliado o foco na tecnologia, que entrou na mira até mesmo de petroleiras como a Shell para 2021.

“A solar ganhou corpo, está mudando de patamar e de escala. É uma fonte que se torna agora mais interessante para esse perfil de investidores, que são maiores, e antes olhavam mais outras renováveis, mais especificamente energia eólica”, disse à Reuters a diretora da consultoria Clean Energy Latin America (CELA), Camila Ramos.

Embora a expansão solar em 2020 ainda tenha ficado 1 GW abaixo do inicialmente previsto, com impactos da crise do coronavírus, o resultado final gera otimismo e mostra uma recuperação “em V”, disse o presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia.

AveSui2021_dentro

Ele destacou ainda que o ano marcou uma virada, com projetos de geração distribuída –que envolvem placas solares em telhados ou terrenos para atender diretamente à demanda de pessoas ou empresas– ultrapassando usinas de grande porte em capacidade. Mas evitou fazer projeções para 2021, dizendo que estudos ainda estão sendo feitos.

A construção desses ativos menores, conhecidos pela sigla GD, tem atraído milhares de pequenas empresas, mas também grandes grupos como a estatal mineira Cemig e a EDP Brasil, por exemplo, que recentemente entregou instalações em Taubaté (SP) que atenderão à demanda do grupo de telecomunicações TIM.

“Percebemos a vinda de uma terceira onda, das empresas ‘conservadoras’, essas que são os grandes transatlânticos. Elas estão vindo com força para solar no Brasil. Também vemos grandes clientes corporativos começando a comprar energia solar”, disse Sauaia, citando redução de custos com ganhos tecnológicos.

Um dos nichos que ampliou o interesse, principalmente em geração distribuída, é o setor agrícola, acrescentou ele. "O produtor rural também tem esse perfil mais conservador, porque ele já lida com o risco do clima. Estamos vendo que a solar começa a se tornar uma parceira muito intensa do agronegócio".

Gigantes de olho

A EDP Brasil, da portuguesa EDP, que tem distribuidoras de energia, hidrelétricas e linhas de transmissão, passou mais recentemente a construir usinas fotovoltaicas e instalações de GD para atender à demanda de empresas como Banco do Brasil (BBAS3) e Grupo Globo. Ela já instalou 28 MW e tem 30,8 MW em desenvolvimento.

“Em termos de tamanho, não são nossos maiores negócios… mas a principal avenida de crescimento da EDP Brasil está na geração solar”, disse à Reuters o vice-presidente da Estratégia e Novos Negócios da empresa, Carlos Andrade.

AveSui2021_dentro

Na Engie Brasil Energia, da francesa Engie, o CEO Eduardo Sattamini disse em conferência recente com investidores que a empresa quer expandir sua atuação no ramo. “Na parte de geração, se a gente for pensar, como hoje já temos um parque eólico bastante robusto, a gente gostaria de crescer em solar.”

A Cemig criou um braço de GD, a Cemig Sim, enquanto também desenvolve uma carteira própria de projetos solares com 1,75 GW em capacidade, visando aproveitar o grande potencial de sua sede Minas Gerais para a geração fotovoltaica.

Além das apostas de companhias em novos projetos, o setor registra intensa movimentação em fusões e aquisições, e diversas negociações em andamento que podem resultar em operações a serem anunciadas em 2021, segundo Camila Ramos, da CELA.

Ela destacou que questões regulatórias também ajudam nesse maior apetite por ativos solares entre investidores, e mesmo empresas com alta demanda por eletricidade, após o governo ter anunciado que a partir de 2021 os preços spot do mercado de energia elétrica serão calculados em base horária, ao invés de semanal como atualmente.

Segundo especialistas, isso deve favorecer a precificação da produção solar, entregue ao sistema durante o dia, quando são registrados os picos de demanda.

Também pesa a favor a ampla disponibilidade de capital para os investimentos, em meio a um grande interesse tanto do mercado privado quanto de bancos de fomento como BNDES e BNB por empréstimos a projetos de energia renovável, o que não foi abalado durante a pandemia, segundo os analistas.

A Agência Internacional de Energia (IEA na sigla em inglês) projetou em outubro que a geração solar deve se firmar como a “rainha da eletricidade” na próxima década, com expansão média global de 12% ao ano, em meio à busca de diversos países por reduzir emissões de carbono.

Assuntos do Momento

Eólica inicia ano liderando expansão do setor elétrico
22 de Fevereiro de 2021
Energia Limpa

Eólica inicia ano liderando expansão do setor elétrico

Geração por meio dos ventos soma 155 MW de um total de 191 MW no acumulado dos primeiros 45 dias de 2021

Com investimentos em energias alternativas, Brasil pode reduzir em 28 toneladas a emissão de CO² até 2025
22 de Fevereiro de 2021
Energia alternativa

Com investimentos em energias alternativas, Brasil pode reduzir em 28 toneladas a emissão de CO² até 2025

World Economic Forum e Accenture ouviram mais de 25 empresas de serviços públicos globais e trazem análise específica para o País

AveSui2021_dentro
ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2
24 de Fevereiro de 2021
Eólica

ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2

A unidade é formada por 86 aerogeradores e possui capacidade instalada de 361,2 MW

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais
25 de Fevereiro de 2021
Investimento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais

Startup capixaba CleanClic, plataforma de compensação de energia renovável, integra um projeto de R$ 110 milhões para a construção de 15 usinas fotovoltaicas compartilhadas e uma central hidrelétrica no Norte do Estado.

Energia solar: novo sistema dispensa conexão com a rede elétrica
22 de Fevereiro de 2021
Inovação

Energia solar: novo sistema dispensa conexão com a rede elétrica

A tecnologia contém uma bateria de lítio para armazenar energia solar nos períodos em que não há geração de eletricidade
 

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores
26 de Fevereiro de 2021
Feira de Negócios

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores

Com uma plataforma digital inovadora e exclusiva, os expositores e visitantes terão uma experiência única em uma feira virtual. No caso das empresas, elas terão todo o suporte das mídias da Gessulli Agribusiness, responsáveis por conecta-las com o seu público-alvo em todo o mundo

Mais assuntos do momento