AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Educação

Energia Eólica: hora de capacitar

Ambiente Energia
28-Nov-2011 10:43 - Atualizado em 20/04/2016 14:42

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) vai ampliar a formação de mão de obra para o setor de energia eólica. Até 2014, serão capacitadas 500 pessoas, entre técnicos de planejamento e análise de instalação de parques eólicos, profissionais para construção, operação e manutenção desses parques e instrutores do próprio SENAI. A meta é do projeto, que será executado em parceria com a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento (GIZ).

Os cursos de formação serão oferecidos em nove estados - Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Além dos cursos, estão previstas visitas técnicas de profissionais do Senai a parques eólicos da Alemanha e de outros países europeus referências na oferta de energia gerada pelos ventos. O Senai e a GIZ investirão US$ 2 milhões no projeto.

De acordo com o Marcello Coelho, analista de Desenvolvimento Industrial do Senai, a falta de mão de obra qualificada é um grande obstáculo para o crescimento do setor. Estimativas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) indicam que a energia eólica representará 7% da energia gerada no Brasil em 2020. "Investidores e governos dos estados com grande potencial de geração de energia eólica têm procurado o Senai para intensificar a formação de profissionais para o segmento. Com esse projeto, vamos atender a essa demanda", explica Coelho.

Alta demanda - Até 2014 o Brasil deve gerar 7,2 gigawatts de energia eólica, o que representa 1% da energia gerada no país por fontes renováveis. Para isso, está prevista a construção de mais de 200 parques eólicos em 10 estados. Conforme Daniel Faro, supervisor técnico da área eólica do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis do Senai no Rio Grande Norte, o setor vai demandar para os próximos três anos cerca de 40 mil profissionais, tanto para instalação quanto para operação e manutenção de parques eólicos.

"Serão necessários desde auxiliares de construção civil, mestres de obras até engenheiros", destaca Faro. Segundo ele, os salários devem variar em torno de R$ 700 para profissionais de base, como auxiliares de construção civil, e podem chegar a R$ 12 mil para engenheiros.

Marcello Coelho explica que boa parte dos profissionais do setor é formada em cursos genéricos, como o de construção civil. Por isso, assinala, o Senai quer ampliar a oferta de cursos e serviços específicos para o setor. "Esse projeto com a GIZ vai ser um pontapé inicial para os estados onde o Senai não desenvolve ações em energia eólica e intensificará resultados naqueles em que já oferece cursos e serviços", afirma. O Senai dispõe de cursos e serviços específicos no Rio Grande do Norte, Ceará e Rio Grande do Sul.

Competências - No projeto em parceria com a GIZ, serão capacitados 72 instrutores do Senai e 360 profissionais para o setor. De acordo com o Senai, a mão de obra para implantação e montagem de parques eólicos deve planejar, acompanhar e executar a instalação dos aerogeradores, avaliar riscos, interpretar manuais e procedimentos, reparar sistemas e componentes dos equipamentos, controlar estoques de peças, elaborar relatórios de manutenção, entre outras atividades.

Os profissionais da fabricação de equipamentos e de operação e manutenção de parques eólicos devem desenvolver projetos de componentes, de materiais, de processos de confecção e de montagem de aerogeradores. Também têm a tarefa de fabricar e montar peças e controlar a conformidade dos processos e dos componentes desses equipamentos.

O Senai também vai capacitar mais 45 profissionais para oferta de serviços de consultoria em análise de áreas para instalação de parques eólicos, elaboração de planos de negócios, acesso a banco de dados em energia eólica e consultoria para a instalação de laboratórios. Nos cursos e visitas técnicas, esses especialistas vão aprofundar conhecimentos em identificação e seleção de locais para exploração eólica, análise preliminar do potencial eólico, elaboração de projetos básicos de infraestrutura civil e elétrica e de processo de licenciamento ambiental, entre outros.

Parcerias - Há mais de 40 anos, o Senai desenvolve parcerias com a GIZ. Desde 2009, as duas entidades realizam ações conjuntas na área de energia, considerada prioritária para o Senai. Naquele ano, assinaram convênio para um projeto que, até 2013, capacitará 80 técnicos do Senai para prestar serviços a empresas na área de eficiência energética.

Esse histórico bem-sucedido de parceria favoreceu a proximidade das instituições no projeto de energia eólica. "A cooperação com a Alemanha é fundamental para garantir a competitividade da indústria brasileira", disse Rafael Lucchesi, na assinatura do acordo. Segundo Ulrich Krammenschneider, o projeto o projeto se insere na estratégia de cooperação da Alemanha com Brasil.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade