AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Educação

Energia Eólica: hora de capacitar

Ambiente Energia
28-Nov-2011 10:43 - Atualizado em 20/04/2016 14:42

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) vai ampliar a formação de mão de obra para o setor de energia eólica. Até 2014, serão capacitadas 500 pessoas, entre técnicos de planejamento e análise de instalação de parques eólicos, profissionais para construção, operação e manutenção desses parques e instrutores do próprio SENAI. A meta é do projeto, que será executado em parceria com a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento (GIZ).

Os cursos de formação serão oferecidos em nove estados - Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Além dos cursos, estão previstas visitas técnicas de profissionais do Senai a parques eólicos da Alemanha e de outros países europeus referências na oferta de energia gerada pelos ventos. O Senai e a GIZ investirão US$ 2 milhões no projeto.

De acordo com o Marcello Coelho, analista de Desenvolvimento Industrial do Senai, a falta de mão de obra qualificada é um grande obstáculo para o crescimento do setor. Estimativas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) indicam que a energia eólica representará 7% da energia gerada no Brasil em 2020. "Investidores e governos dos estados com grande potencial de geração de energia eólica têm procurado o Senai para intensificar a formação de profissionais para o segmento. Com esse projeto, vamos atender a essa demanda", explica Coelho.

Alta demanda - Até 2014 o Brasil deve gerar 7,2 gigawatts de energia eólica, o que representa 1% da energia gerada no país por fontes renováveis. Para isso, está prevista a construção de mais de 200 parques eólicos em 10 estados. Conforme Daniel Faro, supervisor técnico da área eólica do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis do Senai no Rio Grande Norte, o setor vai demandar para os próximos três anos cerca de 40 mil profissionais, tanto para instalação quanto para operação e manutenção de parques eólicos.

"Serão necessários desde auxiliares de construção civil, mestres de obras até engenheiros", destaca Faro. Segundo ele, os salários devem variar em torno de R$ 700 para profissionais de base, como auxiliares de construção civil, e podem chegar a R$ 12 mil para engenheiros.

Marcello Coelho explica que boa parte dos profissionais do setor é formada em cursos genéricos, como o de construção civil. Por isso, assinala, o Senai quer ampliar a oferta de cursos e serviços específicos para o setor. "Esse projeto com a GIZ vai ser um pontapé inicial para os estados onde o Senai não desenvolve ações em energia eólica e intensificará resultados naqueles em que já oferece cursos e serviços", afirma. O Senai dispõe de cursos e serviços específicos no Rio Grande do Norte, Ceará e Rio Grande do Sul.

Competências - No projeto em parceria com a GIZ, serão capacitados 72 instrutores do Senai e 360 profissionais para o setor. De acordo com o Senai, a mão de obra para implantação e montagem de parques eólicos deve planejar, acompanhar e executar a instalação dos aerogeradores, avaliar riscos, interpretar manuais e procedimentos, reparar sistemas e componentes dos equipamentos, controlar estoques de peças, elaborar relatórios de manutenção, entre outras atividades.

Os profissionais da fabricação de equipamentos e de operação e manutenção de parques eólicos devem desenvolver projetos de componentes, de materiais, de processos de confecção e de montagem de aerogeradores. Também têm a tarefa de fabricar e montar peças e controlar a conformidade dos processos e dos componentes desses equipamentos.

O Senai também vai capacitar mais 45 profissionais para oferta de serviços de consultoria em análise de áreas para instalação de parques eólicos, elaboração de planos de negócios, acesso a banco de dados em energia eólica e consultoria para a instalação de laboratórios. Nos cursos e visitas técnicas, esses especialistas vão aprofundar conhecimentos em identificação e seleção de locais para exploração eólica, análise preliminar do potencial eólico, elaboração de projetos básicos de infraestrutura civil e elétrica e de processo de licenciamento ambiental, entre outros.

Parcerias - Há mais de 40 anos, o Senai desenvolve parcerias com a GIZ. Desde 2009, as duas entidades realizam ações conjuntas na área de energia, considerada prioritária para o Senai. Naquele ano, assinaram convênio para um projeto que, até 2013, capacitará 80 técnicos do Senai para prestar serviços a empresas na área de eficiência energética.

Esse histórico bem-sucedido de parceria favoreceu a proximidade das instituições no projeto de energia eólica. "A cooperação com a Alemanha é fundamental para garantir a competitividade da indústria brasileira", disse Rafael Lucchesi, na assinatura do acordo. Segundo Ulrich Krammenschneider, o projeto o projeto se insere na estratégia de cooperação da Alemanha com Brasil.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade