AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Interno

Energia do país não é competitiva para produzir, diz Alcoa

Valor
15-Ago-2013 13:33 - Atualizado em 20/04/2016 14:44

Depois de quase quatro anos de conversações e reuniões com as autoridades brasileiras, inclusive com a presidente da República, Dilma Rousseff, buscando uma solução para o custo da energia no país - considerado elevado para o setor de produção de alumínio e outros produtos eletrointensivos na comparação com outros países -, a multinacional Alcoa jogou a toalha ontem. Um elemento a mais que ajudou na decisão de fazer o maior corte de produção em um único país nos últimos tempos foi a depressão dos preços do metal no mercado.

"O fechamento no país é temporário, mas o religamento das duas linhas de produção fechadas em Poços de Caldas e São Luís, dependem de um tripé: recuperação dos preços do metal, tarifa competitiva de energia e um câmbio favorável", afirmou, por telefone, desde a capital da Jamaica, Franklin Feder, presidente da Alcoa na América Latina e Caribe.

"E hoje, a tarifa de energia no Brasil não é competitiva e nem parece no curto prazo", disse Feder, aparentemente decepcionado com as medidas prometidas ao longo dos anos e principalmente com o resultado da redução do preço da energia com a MP 579, de um ano atrás. O setor recebeu no máximo 12%, ante os 28% prometidos por Dilma e pelas autoridades do país, como o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia.

Feder aponta que, além disso, o governo tratou de tomar de volta duas concessões de hidrelétricas - Santa Isabel, no Rio Araguaia e Pai Querê, no Sul do país - nas quais a companhia participava, o que iria lhe garantir geração própria de 100% da necessidade para suas fábricas. Hoje, a empresa tem 70% de geração própria, com participação em quatro usinas.

"Quem sente o primeiro impacto da competitividade da tarifa de energia é o setor de alumínio, mas atrás dele há uma fila grande de outras indústrias", afirmou o executivo, que atua no setor há cerca de 30 anos e está no comando da empresa na região desde 2005. "Não levamos quase nada da MP 579 e terminaram as nossas esperanças sobre a solução para as duas concessões".

Um caminho, aponta Feder, é o governo destinar parte da "energia velha", de baixo custo, no mercado cativo, para o livre, à disposição dos grandes consumidores.

Para o executivo, o Brasil terá de decidir se quer ter uma política industrial para o setor eletrointensivo - que abrange petroquímica, siderurgia, cloro-soda e outros, além do alumínio - ou se quer se transformar em um exportador de matéria-prima. "Do jeito que caminha, na atividade de alumínio vai ser exportador de bauxita e alumina e passa a ser importador de metal primário", afirmou. O metal em forma de lingotes é usado para fazer chapas, perfis, folhas, fios e cabos para energia e embalagens.

Com os cortes de ontem, o setor no Brasil já soma 300 mil toneladas de redução da capacidade de produção de alumínio primário desde 2009, para o patamar de 1,39 milhão de toneladas.

Nas duas linhas de produção da Alcoa afetadas no país, que terão 35% da capacidade encerrada, estão empregadas 2.900 pessoas diretamente ligadas à atividade. A empresa disse que vai minimizar o corte de funcionários, com remanejamentos de posições, não recolocação de saídas e substituição de terceirizados. No fechamento, a fábrica de Poços de Caldas perderá 32 mil toneladas na linha 3 (que ficou fechada um ano em 2009) e a de São Luís perderá 92 mil em uma das três linhas da empresa.

No ano passado, a empresa teve receita de R$ 2,6 bilhões no Brasil. Fechou o ano com prejuízo de R$ 52 milhões. Apesar de tudo, Feder acredita que poderá religar as duas unidades de produção futuramente. Ele menciona uma frase ouvida sempre: "No Brasil, tudo acaba bem, só que com uma boa dose de emoções". "Esse é o quinto ciclo de baixa da indústria que enfrenta em sua carreira", acrescenta.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade