AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Artigo

Energia de Biomassa - Novas Perspectivas, por Pietro Erber

INEE
23-Mai-2013 11:39 - Atualizado em 20/04/2016 14:44

* Por Pietro Erber

A participação da biomassa dentre as fontes primárias de energia tem amplas possibilidades de aumentar, a partir de várias modalidades e tecnologias. No Brasil, representou 25% dessas fontes em 2011.

Focaliza-se aqui a substituição competitiva de combustíveis fósseis por produtos de biomassa, graças a processos que aumentam a eficiência da sua utilização e reduzem o custo do seu transporte, como a transformação de bagaço de cana, resíduos de madeira, cascas de arroz etc em pellets ou briquetes, por compressão e extrusão. Essa operação pode ser precedida de torrefação da biomassa, que valoriza o produto.

Pellets de madeira, cuja produção começou para aproveitar serragem e outros resíduos de serrarias e moveleiras, são hoje um produto cuja demanda mundial, pouco significativa no início do século, atingiu 14 milhões de toneladas (Mt) em 2010. Seus principais produtores são a América do Norte e a Europa. Esta, que em 2010 foi responsável por 84% do consumo mundial, vem importando quantidades crescentes, principalmente dos EUA, Canadá e Rússia (no caso, de cascas de sementes de girassol). Outros países, especialmente o Brasil, tem potencial para produzir quantidades expressivas de pellets de biomassa e ter um papel significativo no mercado mundial desse combustível, cuja demanda mundial, em 2020, poderá alcançar quantidades da ordem de 50 Mt ou mesmo superiores. Considerando sua cotação atual no mercado europeu, de 130 euros por tonelada, seria um mercado de cerca de US$ 9 bilhões anuais.

Como ressalta The Economist, em artigo recente sobre o emprego energético da biomassa na Europa, esta constitui cerca da metade das energias renováveis (excluída a hidrelétrica) utilizada naqueles países, superando amplamente o papel da energia eólica e solar. Pellets de biomassa vêm sendo utilizados tanto no aquecimento ambiental quanto na substituição parcial do carvão, em usinas termelétricas. Nestas, pellets de madeira podem substituir pelo menos 10% do carvão; quando forem de torrefados, a proporção pode ser muito superior. Esta queima conjunta, ou "co-firing", oferece grande vantagem à penetração da biomassa no mercado energético, em relação ao aproveitamento de outras fontes renováveis, porque sua utilização é feita em usinas já existentes, dispensando investimentos em geração e transmissão.

A utilização de pellets de biomassa na geração de energia elétrica, substituindo o carvão, tem sido estimulada pela necessidade de reduzir as quantidades de CO2 emitidas por MWh gerado, principalmente em usinas mais antigas, de menor eficiência. Esta substituição e o subsídio atual, de US$ 68/MWh gerado a partir dessas fontes, foram criticados no referido artigo do The Economist. Este contesta que a queima de madeira seja neutra em matéria de emissões de CO2, pois considera que o carbono contido nessa biomassa, liberado na sua queima, levará perto de 25 anos para ser absorvido, pelo crescimento de outra árvore, de mesma biomassa.

Tal raciocínio só se aplicará se o cultivo não for sustentável isto é, se o CO2 absorvido no crescimento da floresta plantada para produção de combustível não compensar a liberação de carbono proveniente das árvores utilizadas a cada ano. Simplificadamente, se o tempo de crescimento for de 25 anos só será possível cortar 4% da floresta, a cada ano. Note-se que o tempo de crescimento mencionado é típico de países frios, enquanto que no Brasil é de 7 anos ou menos.

Quando se considera a disponibilidade de rejeitos de madeira ou agrícolas, que se não forem queimados se deteriorarão, produzindo metano, além de CO2, a opção de queimá-los para substituir carvão é ambientalmente vantajosa. Por outro lado, se o ciclo de crescimento da biomassa for curto, como o de gramíneas, sua queima é praticamente neutra no tocante a emissões de CO2. Daí a grande vantagem de países como o Brasil, que já têm grande produção de bagaço de cana e outros rejeitos agroindustriais, além de contar com terras e clima para poder produzir outros cultivares, como capim elefante, de elevada produtividade por área plantada.

Quanto ao incentivo à geração com biomassa, este compensa o emprego de um combustível mais caro, pois a energia do carvão custa cerca de US$ 12/Mcal e a de pellets de madeira, US$ 35/Mcal. Se as usinas mais antigas tiverem eficiência média de 3000 Mcal/MWh, o custo adicional do emprego da biomassa seria equivalente ao subsídio. Essa substituição acarreta redução de emissões de CO2 de cerca de 1,2 t/ MWh, considerando que as emissões da biomassa sejam de 0,2 t/MWh, inclusive aquelas decorrentes de seu transporte. Assim, o custo da redução de emissões decorrente do subsídio seria de US$ 57/t de CO2, não muito diferente de valores de créditos de carbono praticados.

No Brasil, o Plano Decenal de Expansão de Energia - 2021, do MME, considera que de 2011 a 2021 a participação da biomassa dentre as fontes primárias se mantenha praticamente constante, porém com grande redução do papel da lenha. Entretanto, a expansão da produção e do consumo de biomassa densificada, substituindo combustíveis fósseis, poderá ampliar a participação da biomassa e, portanto, a das fontes primárias renováveis na matriz energética nacional.

Além de contribuírem para a redução de emissões de gases de efeito estufa, novos usos da biomassa produzida no país despertam o interesse de empresários e requerem a atenção do governo, em vista de seu potencial econômico e da necessidade de regulamentar suas características, de modo a facilitar seu consumo local, bem como sua exportação.

* Pietro Erber é diretor do Instituto Nacional de Eficiência Energética, INEE.

Assuntos do Momento

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia
30 de Junho de 2022
Energia Limpa

Usina de biogás em Macaé transforma lixo em energia

Macaé converte o gás metano, tóxico para a atmosfera, em energia limpa. Inauguração da usina faz parte do Mês do Meio Ambiente

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia
04 de Julho de 2022
Autossuficiência

Biogás pode ser a solução energética limpa e adequada para a Amazônia

Geração de energia por esse tipo de recurso, que pode ser obtida por diferentes matérias-primas, conta com financiamento garantido pelo Banco da Amazônia, podendo atender empresas e comunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros
04 de Julho de 2022
Oportunidades

Bunge Bioenergia abre processo seletivo em cinco estados brasileiros

Há chances para estudantes de diversas áreas interessados nos Programas de Estágio ou Jovem Aprendiz da empresa

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis
04 de Julho de 2022
Solar

Energia solar é um dos mercados mais promissores entre as energias renováveis

Facilidades de financiamento a partir de bancos e cooperativas são vantagens estratégicas que ampliam potencial de crescimento

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco
04 de Julho de 2022
Eólica

Vestas fornecerá turbinas eólicas para novo parque eólico em Pernambuco

O novo empreendimento de energia eólica na região de Pernambuco contará com 19 turbinas V150-4,5MW que a Vestas fornecerá e instalará na região

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035
30 de Junho de 2022
Carbono Neutro

Países da União Europeia concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

A proposta da Comissão Europeia deve contribuir para alcançar os objetivos climáticos do continente, em particular a neutralidade carbônica no horizonte de 2050

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade