AveSui2021
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biocombustível

ENC planeja crescer com usinas de biogás de aterro

Subsidiária da portuguesa ENC em associação com a gestora GEF Capital Partners, empresa pretende dobrar o portfólio até 2024, atingindo 55 MW

Redação com informações Valor
29-Mar-2021 09:09

A ENC Energy Brasil se prepara para expandir seus negócios com o biogás de aterro sanitário, fonte de geração de energia que, apesar de incipiente, tende a ganhar mais destaque nos próximos anos, apoiada na onda de investimentos sustentáveis e em avanços legislativos como o novo marco de saneamento.

Subsidiária da portuguesa ENC em associação com a gestora GEF Capital Partners, a empresa pretende dobrar o tamanho do portfólio até 2024, atingindo 55 MW em usinas contratadas tanto no mercado livre de energia (ACL), quanto na modalidade de geração distribuída. Hoje, a ENC Brasil detém plantas de geração a biogás de aterro em seis estados (MA, PE, RJ, SP, MG e PR), que somam investimentos de R$ 50 milhões.

Segundo o diretor-presidente da ENC Brasil, Rodrigo Missel, o plano de dobrar a capacidade até 2024 considera premissas conservadoras, porque só contempla projetos “tangíveis”, para os quais a companhia já tem negociações avançadas com aterros e mapeamento de licenças ambientais, por exemplo.

“Para 2021, temos R$ 17 milhões aprovados em orçamento para continuar nossa expansão. Não temos valor consolidado de investimentos até 2024, porque trabalhamos em ciclos. A taxa de câmbio também pode influenciar muito, já que vários componentes das plantas são importados”, explica.

A geração de energia a partir do biogás ainda é pouco expressiva no Brasil, representando apenas 0,09% da oferta interna de energia, segundo a Associação Brasileira do Biogás (Abiogás). Apesar disso, o país tem enorme potencial para desenvolver esse mercado, já que a principal origem do biogás são os resíduos do agronegócio e a cadeia pecuária. Outra via de obtenção do biocombustível é o setor de saneamento, através dos resíduos sólidos urbanos, encaminhados a aterros, e do tratamento de esgoto em estações (“ETEs”).

Na visão de Missel, o novo marco regulatório de saneamento tende a beneficiar os negócios no mercado de biogás, já que amplia as oportunidades de extração do biocombustível ao prever a universalização dos serviços de esgoto e novos prazos para a disposição final adequada dos rejeitos.

“A geração de energia ajuda a monetizar os aterros, pode contribuir para a disseminação deles. A destinação correta dos resíduos ainda não é difundida no país, em São Luís (MA), por exemplo, trabalhamos com o único aterro da região”.

Lançado neste ano pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Plano Decenal de Energia (PDE) 2030 contempla, pela primeira vez, projeções para geração a partir de biogás de resíduos sólidos urbanos. A previsão é de um limite mínimo de expansão de 60 MW dessas usinas no período. Ainda segundo o texto, os resíduos sólidos urbanos foram incluídos no PDE como “política energética e ambiental indicada pelo Ministério de Minas e Energia (MME)”.

Para o executivo da ENC, o biogás pode desempenhar um papel estratégico para o sistema elétrico pelo fato de as usinas operarem de forma contínua, podendo fazer frente às energias renováveis “intermitentes”, como eólica e solar.

Por ora, a companhia está focada no biogás de aterro, mas considera ampliar as vias de crescimento no futuro. “Estamos conversando com ‘players’ do agronegócio e com gestão de ETEs. Também estamos em projetos avançados para a conversão de biogás para biometano, é uma possibilidade forte”.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade