Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sustentabilidade

Empresas de proteína animal devem avançar nos planos para reduzir emissão de metano

É o que aponta análise das organizações Changing Markets Foundation e Feedback

Redação com informações de Valor Econômico
27-Out-2021 08:57 - Atualizado em 27/10/2021 09:10

Empresas globais de proteínas animais, como as brasileiras JBS e Marfrig, precisam avançar nos planos de redução de seu impacto climático porque não têm objetivos específicos para emissões de metano. Essa foi conclusão das organizações Changing Markets Foundation e Feedback, que analisaram as metas climáticas das 20 maiores empresas de carnes e leite do mundo.

A fermentação entérica de animais como as vacas responde por 32% das emissões de metano, gás que tem um impacto 86 vezes maior que o carbono, por unidade de massa, no aquecimento global.

As organizações analisaram 11 indicadores, incluindo a existência e a ambição das metas de emissões de gases de efeito estufa, objetivos específicos para metano, divulgação ou não da “pegada de metano” e investimentos em proteínas alternativas.

Em uma escala de 0 a 100, a JBS recebeu nota 9,6 e ficou em 10º lugar, enquanto a Marfrig recebeu nota 11,2, na 7ª posição. No segmento de lácteos, as múltis Nestlé e Danone, que têm forte presença no Brasil, tiveram notas 34,6 e 30,2, respectivamente, e lideraram o ranking. Mas nenhuma das 20 companhias analisadas apresentaram, até agora, metas específicas para o metano.

O relatório observa que a JBS não detalhou em seu plano ambiental a redução das emissões no escopo 3 do Protocolo GHG, que abrange as emissões do gado, apesar da meta de se tornar “carbono neutra” alinhada à iniciativa Science Based Targets (SBTi). Sua nota também foi afetada pela não divulgação do estado das emissões de metano nem de um plano para o gás. Em contrapartida, pesou a favor do grupo o aporte de US$ 409 milhões, em abril, na compra da Vivera, líder global em plant based.

Já a nota da Marfrig foi prejudicada pelo fato de a companhia não ter meta climática baseada na SBTi, objetivo para emissões de metano e também por não divulgar o estado atual da liberação desse gás. Porém, sua classificação foi favorecida pela adoção de esforços para a redução das emissões de metano e pela joint venture com a ADM na PlantPlus Foods, também de plant based.

O metano entrou no foco com a divulgação, em abril, de um relatório do Programa Ambiental da ONU (Unep) que indicou já ser possível reduzir as emissões de metano em 180 milhões de toneladas por ano até 2030, o que impediria o aquecimento global em 0,3ºC até 2040.

O relatório ensejou uma iniciativa dos EUA e da União Europeia - o Compromisso Global de Metano - que prevê a redução das emissões do gás em 30% até 2030 ante 2020. Já há adesões de 30 países, mas o Brasil ainda está de fora. Há expectativa de mais adesões até a COP26. Mas, segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), é preciso uma redução de 45% nas emissões de metano até 2030 para limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

Aquecimento global

Cientistas avaliam que cortar as emissões de metano é um bom caminho para conter o aquecimento, já que o gás fica menos tempo na atmosfera - até 12 anos, enquanto o carbono permanece por séculos.

“Estamos trabalhando na definição de KPIs claros para nossa estratégia de descarbonização. O plano de metas baseadas na ciência para chegar ao objetivo Net Zero 2040 está sendo desenvolvido com critérios estabelecidos pela SBTi”, disse a JBS, em nota. A empresa afirmou que está construindo um plano de avaliação das emissões do escopo 3 e, sobre as emissões de metano na cadeia bovina, afirmou que se trata “de um desafio setorial, em que ainda há muita desinformação e ausência de estudos conclusivos” - embora esteja trabalhando para mitigá-las.

O diretor de sustentabilidade da Marfrig, Paulo Pianez, afirmou que a companhia submeteu há pouco tempo seu plano de redução de emissões ao SBTi, e que a companhia “provavelmente” ainda terá meta específica para o metano.

Ele ressaltou que, se retirado o efeito do desmatamento, o metano responde por cerca de 95% das emissões do escopo 3, para o qual a Marfrig tem meta de redução de 33% até 2035, ante 2019. Pianez disse que a estratégia para reduzir as emissões do escopo 3 envolve incentivo à intensificação da pecuária, melhoria genética, e aditivos alimentares.

Também procuradas, Nestlé e Danone afirmaram que não tiveram tempo de analisar os resultados.

Assuntos do Momento

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa
01 de Dezembro de 2021
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia
03 de Dezembro de 2021
Expansão

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia

Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina são os Estados com mais startups voltadas ao setor de energia no país

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021
29 de Novembro de 2021
Descarbonizar

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021

Outro destaque foi a apresentação do Fundo Garantidor do Biogás, primeiro fundo com foco ambiental no Brasil, lançado em setembro pelo The Lab junto com a ABiogás

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa
02 de Dezembro de 2021
Reivindicação

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa

Deputado José Mário Schreiner (DEM-GO) também propõe que produtores rurais tenham o mesmo regime tributário dos produtores de biocombustível

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia
30 de Novembro de 2021
Energia Renovável

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia

São empresas de grande e médio porte como indústrias e shoppings que ainda são abastecidas pelo mercado regulado e que hoje possuem, sozinhas ou em comunhão, carga superior a 500 kW

Disponible en español Disponible en español
Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes
01 de Dezembro de 2021
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade