AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Redação com informações de Valor Econômico
01-Dez-2021 14:41

Com recursos obtidos com a emissão de debêntures verdes, a Camil, uma das maiores empresas de alimentos do país, vai construir uma nova usina de geração de energia térmica (vapor) e elétrica a partir da palha do arroz (biomassa). A unidade será instalada em Cambaí, no município de Itaqui (RS), a partir de um investimento total previsto em R$ 150 milhões até 2023.

Paralelamente, a companhia está criando uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável, que comercializará o excedente de energia e cuidará de futuros projetos sustentáveis da empresa. “A intenção é termos uma matriz energética totalmente limpa”, disse Renato Accessor, diretor de operações da Camil no Brasil, ao Valor. A casca do arroz tem alto poder calorífico e regularidade térmica, características próprias para a produção termelétrica.

Segundo Accessor, 95% da energia que a Camil usa atualmente é de fontes renováveis, sendo que 43% são produzidos internamente em duas usinas de biomassa — uma em Itaqui e outra em Capão Leão, também no Rio Grande do Sul. O restante é comprado no mercado livre. “Geramos hoje cerca de 40 mil megawatts ao ano e devemos chegar a 130 mil no fim de 2023, com a soma de todas as nossas usinas”, afirmou.

Só em 2020, 92 mil toneladas de cascas de arroz foram destinadas à produção de energia, o que resultou nessa geração de 40 mil megawatts (MW) — 35,8 mil MW destinados ao consumo próprio e 4,1 mil MW negociados no mercado livre. A empresa vem aumentando a geração própria, e entre as safras 2019/20 e 2020/21 o incremento foi de 7%.

A localização da nova usina, que será construída pela Veolia, decorre da proximidade com a maior unidade de secagem da Camil, em Itaqui, e também da possibilidade de mudança dessa planta para o próprio bairro de Cambaí, em análise pelo conselho de administração.

Flávio Vargas, CFO e diretor de relações com investidores da Camil, destacou que a geração própria de 100% da energia demandada resolve também um problema financeiro, pela troca do custo variável no mercado livre pelo custo fixo, com maior previsibilidade. “Temos o capex de início, depois depreciação e custo operacional. Mas são todos mais controláveis que a obtenção de energia no mercado. Entretanto, o resultado financeiro mesmo só será conhecido a partir de 2023”, disse.

Gestão de resíduos

O segundo ponto destacável é ambiental. “Ganhamos energia renovável, que vem da agricultura, e resolvemos o problema de gestão de resíduos da casca de arroz, que hoje vai para aterros”, afirmou Vargas. A cinza gerada na queima da palha das usinas tem volume muito menor, e pode ser usada imediatamente como adubo.

A Camil usa um modelo semelhante de geração de energia no Uruguai, onde é dona da beneficiadora de arroz Saman — que, por sua vez, detém 45% da Galofer, principal usina de geração de energia à base de queima de casca de arroz do país. No último ano, a Galofer consumiu cerca de 114,5 mil toneladas de casca de arroz e produziu 69,4 mil MW, que foram vendidos no mercado.

Vargas também lembrou que o tema ESG é fruto de acompanhamento de investidores, principalmente estrangeiros. A debênture da produtora de arroz, uma operação assessorada pelo BTG Pactual, pagará CDI mais 1,55% ao ano, taxa que caiu em relação à proposta inicial da Camil que era pagar até 1,7% ao ano.

A emissão contou com selo verde da consultoria Sitawi, que atesta que a dívida está de acordo com os Green Bond Principles, normas de autorregulação que balizam essas emissões. A Sitawi deu nota máxima no quesito uso dos recursos e avaliou o projeto como adequado. Mas fez uma ressalva, uma vez que 3% do montante captado será destinado a reembolso de despesas já realizadas.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil
20 de Janeiro de 2022
Brasil

Veja quais são os tipos de energia renovável usados no Brasil

Uso de energias como a solar e a eólica ganharam forçam em meio ao combate às mudanças climáticas

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais
19 de Janeiro de 2022
EUA

USDA lança programa piloto para implantar infraestrutura de energia renovável para pessoas em cidades rurais

O financiamento ajudará as pessoas em comunidades rurais particularmente carentes a reduzir os custos de energia, aumentar a resiliência energética e enfrentar as mudanças climáticas

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021
24 de Janeiro de 2022
Biocombustível

Gás Natural catarinense tem crescimento recorde em 2021

Ao todo, Santa Catarina concentra 18.634 clientes diretos, entre indústrias, unidades residenciais, estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis, além dos 112.353 usuários de GNV (Gás Natural Veicular)

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade