Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sustentabilidade

Em 2021, emissões sustentáveis globais devem bater recorde

O SEB avalia que o mercado de sustentabilidade vai se expandir para abarcar novos tipos de produtos financeiros

Redação com informações de Valor
19-Abr-2021 09:17 - Atualizado em 19/04/2021 09:41

As emissões de dívida que atendem a critérios de sustentabilidade ambiental e social deverão bater recorde e ficar próximas de US$ 1,178 trilhão globalmente neste ano, pelas novas projeções do banco sueco Skandinaviska Enskilda Banken (SEB).

A instituição, que desenvolveu o conceito de “green bond” (título verde) junto com o Banco Mundial em 2007-2008, considera que, após um “tropeço de curto prazo” causado pela pandemia, o momento é melhor do que nunca para produtos financeiros com etiqueta de sustentabilidade.

Segundo Thomas Thygesen, chefe de pesquisa de clima e finança sustentável do SEB, o funding está aumentando porque a transição para descarbonizar as economias ganha mais ritmo do que qualquer pessoa tinha antecipado. A expectativa é a de que 2021 terá aumento significativo de investimentos públicos em infraestrutura de energia. Ele aponta os primeiros sinais “de uma verdadeira disrupção no uso de energia em setores como o automobilístico”.

As novas projeções do banco são agora 25% maiores do que o cenário mais otimista elaborado no começo do ano para esse mercado e levam em conta também o anúncio da União Europeia (EU) de futuras emissões de € 250 bilhões em títulos verdes para financiar o pacote de estímulos pós-pandemia.

Ao Valor, Kristoffer Nielsen, do banco sueco, detalhou as projeções: a expectativa é de emissões de US$ 600 bilhões de “green bonds”, US$ 334 bilhões de “social bonds”, US$ 156 bilhões de “sustainability bonds” e US$ 88 bilhões de “sustentability-linked bonds”. O grosso dessas emissões totais de US$ 1,178 trilhão deve vir depois do verão europeu (julho/agosto).

Com relação à América Latina, Nielsen nota que US$ 5,8 bilhões, quase 60% do total de emissões da América do Sul até agora em todos os tipos de produtos, foram emitidos somente pelo governo do Chile. Os chilenos também emitiram US$ 4,3 bilhões de títulos verdes no ano passado - e tudo isso aconteceu no primeiro trimestre de 2020.

Uma projeção conservadora do SEB para a região, sem o Chile, aponta para um total de US$ 25,8 bilhões de emissões de títulos de dívida sustentável neste ano. Mas Nielsen observa que os títulos vinculados à sustentabilidade têm sido populares no Brasil nos últimos seis meses (total de emissões a US$ 2,8 bilhões), o que poderia proporcionar volume maior.

O SEB, controlado pela família Wallenberg, baseia seu otimismo no melhor trimestre em todos os tempos para os títulos atrelados à sustentabilidade.

Entre janeiro e março, as novas emissões alcançaram US$ 378 bilhões. Equivale a cerca da metade do volume do mercado em todo o ano de 2020 (US$ 756 bilhões) e sinaliza que em 2021 as emissões serão mais fortes. Somente no primeiro trimestre, as emissões de green bonds já somaram o equivalente a 50% de todo o ano de 2020, e as emissões dos títulos sociais e de sustentabilidade foram sete e cinco vezes maiores do que no mesmo período do ano passado respectivamente.

No caso de títulos verdes, um total de US$ 150 bilhões foram emitidos entre janeiro e março. O montante é US$ 85 bilhões superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Os maiores emissores são órgãos públicos (US$ 51,2 bilhões), setor corporativo (US$ 44,2 bilhões) e setor financeiro (US$ 46 bilhões).

Os títulos sociais (“social bonds”) tiveram emissões totais de US$ 94,2 bilhões. Órgão públicos foram os maiores emissores, com US$ 81,5 bilhões.

Por sua vez, as emissões de títulos de sustentabilidade (“sustainability bonds”) alcançaram US$ 39,1 bilhões, já mais do que em todo o ano de 2019 e devendo superar o ano de 2020 (US$ 70,3 bilhões) no segundo trimestre pelo seu atual ritmo.

Quanto a empréstimos atrelados a sustentabilidade (“sustainability-linked loans”), somaram US$ 69,1 bilhões. As duas maiores operações foram da cervejaria Anheuser-Busch, de US$ 10,1 bilhões, e do grupo italiano de energia Enel, com € 10 bilhões. Por sua vez, os empréstimos verdes (“green loans”) alcançaram US$ 13,1 bilhões.

As emissões de títulos vinculados a sustentabilidade (“sustainability-linked bonds”) totalizaram US$ 12,7 bilhões. O montante é maior do que todas as emissões desse segmento em 2020. Para o banco sueco, o conceito parece se estabelecer como grande produto no universo de finanças sustentáveis.

Com esses títulos, as empresas captam para projetos ambientais e definem metas, como reduzir as emissões de carbono. Se não cumprirem os objetivos, são penalizadas e os investidores recompensados com o aumento das taxas de juros. As emissões tem sido feitas até agora apenas por corporações, mas com diversificação de setores, desde companhias de alimentos (a Pilgrim’s Pride e a britânica Tesco), de moda (a sueca Hennez & Mauritz) e telecom (a americana Lumen Technologies).

O SEB avalia que o mercado de sustentabilidade vai se expandir para abarcar novos tipos de produtos financeiros, como igualdade de gênero e água.

Assuntos do Momento

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais
06 de Maio de 2021
Mercado

Paraná incentiva uso de energias renováveis em propriedades rurais

As vantagens estão despertando a atenção de produtores do Estado que investem na instalação de usinas fotovoltaicas em suas propriedades

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP
05 de Maio de 2021
Renováveis

Fontes renováveis de energia serão utilizadas para abastecer o Sistema de Iluminação Pública de SP

Através de parceria firmada na última semana, estado visa implementar projetos de eficiência energética

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre
03 de Maio de 2021
Renováveis

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes renováveis solar e eólica é representada por mercado livre

O país possui, hoje em dia, aproximadamente 6,5 gigawatts (GW) de empreendimentos eólicos e fotovoltaicos no Ambiente de Contratação Livre, conforme pesquisa da Cela

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços
04 de Maio de 2021
Energia

Com baixos níveis dos reservatórios, menos cana na cogeração pode anular safra de preços

Energia elétrica gerada nas usinas e exportada para o sistema elétrico não terá ganho em volume por causa da safra menor

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem
05 de Maio de 2021
Eólica

EDF Renewables inicia operação do complexo eólico que suprirá demanda da Braskem

Empreendimento soma 344 MW de capacidade instalada e investimento total de mais de R$ 1,5 bilhão. Folha Larga Norte fornecerá energia renovável para Braskem por 20 anos, conforme contrato de compra de energia (PPA)

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano
06 de Maio de 2021
Energia

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com maior potencial de geração de energia através do seu lixo urbano

Levantamento foi realizado no país pela Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos - ABREN

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade