Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Eletricidade

Em 2018, o Brasil gerou R$ 84 bilhões em produtos energéticos da biomassa

De 2015 a 2018, o crescimento médio da produção de insumos naturais energéticos da biomassa foi de 1,4%

Redação com informações de Cenário MT
13-Dez-2021 09:00 - Atualizado em 13/12/2021 09:19

Em 2018, a produção nacional dos insumos naturais energéticos da biomassa foi de 91,3 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep). De 2015 a 2018, o crescimento médio da produção de insumos naturais energéticos da biomassa foi de 1,4%.

A produção do biodiesel teve o maior crescimento médio no período (10,7%), com lixívia (6,5%) e álcool (3,0%) a seguir. A lenha também teve aumento (0,9%).

A eletricidade é um dos produtos resultantes do uso da transformação dos produtos energéticos da biomassa. Em 2018, a produção de energia elétrica oriunda dos produtos energéticos da biomassa foi de 54,4 mil gigawatt-hora (GWh) e representou cerca de 9% de toda a energia elétrica produzida no Brasil. Os dois insumos mais utilizados para a geração de eletricidade, em 2018, foram a biomassa da cana e a lixívia, sendo que, do total dos produtos energéticos utilizados para essa finalidade, 62,2% foi biomassa da cana (essencialmente do bagaço) e 27,0% lixívia.

Em 2018, do uso total de produtos energéticos da biomassa pelas famílias, 61,1% foi de álcool; 33,5%, de lenha; 3,0%, de eletricidade derivada de produtos energéticos da biomassa; 1,7%, de carvão vegetal; e 0,7%, de biodiesel.

O uso per capita de lenha pelas famílias apresentou um crescimento médio de 3,7% de 2015 para 2018. Já o do álcool caiu 0,8% no período.

O álcool é mais usado pelas famílias (80,9%) do que pelas atividades econômicas (19,1%). Com o biodiesel, ocorre o contrário: 96,3% do uso é pelas atividades econômicas.

São informações das Contas Econômicas Ambientais da Energia: Produtos da Biomassa, resultado de uma cooperação entre o IBGE e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), com o apoio, em seus estágios iniciais da Agência Internacional de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ GmbH), por intermédio do Ministério do Meio Ambiente. A pesquisa traz informações sobre os recursos e usos dos produtos energéticos da biomassa no Brasil.

Produção de insumos energéticos da biomassa atingiu 91,3 milhões de tep

No Brasil, em 2018, a produção nacional dos insumos naturais energéticos da biomassa foi de 91,3 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep), o que representa cerca de 30% do total da produção primária dos produtos energéticos do Brasil. De 2015 a 2018, o crescimento médio dos insumos naturais energéticos da biomassa foi de 1,4%.

A biomassa da cana (bagaço de cana) teve a maior produção entre esses insumos em 2018, de 33, 6 milhões de tep, mas teve uma redução média de 1,0% entre 2015 e 2018. A segunda maior produção foi a da lenha: 25,6 milhões de tep, que inclusive apresentou crescimento de 0,9% no período entre 2015 e 2018. Em seguida, vem o álcool, cuja produção atingiu 17,2 milhões de tep em 2018, com crescimento médio de 3,0% em 4 anos. E o biodiesel registrou uma produção de 4,2 milhões de tep, com aumento de 10,7% em quatro anos, o maior da série. Outra produção que cresceu foi a de lixívia, com aumento médio de 6,5% no período da série e produção de 9,6 milhões de toneladas em 2018.

Produção de energia elétrica oriunda dos produtos da biomassa cresceu 2,9%

Os produtos energéticos da biomassa podem ser usados para geração de eletricidade. Em 2018, a produção de energia elétrica oriunda dos produtos energéticos da biomassa foi de 54,4 mil gigawatt-hora (GWh) e representou cerca de 9% de toda a energia elétrica produzida no Brasil, sendo que a média dessa participação ao longo dos quatro anos da série (2015-2018) foi de 8,9%. O crescimento médio da geração de energia pelos produtos da biomassa entre 2015 e 2018 foi de 2,9%.

Do total de gigawatt-hora de eletricidade gerada em 2018 oriunda de produtos energéticos da biomassa, 51,3% (27,9 mil gigawatt-hora) foi consumida pelas próprias atividades que geraram essa eletricidade, o restante foi injetado na rede elétrica.

A atividade econômica que mais gerou eletricidade com uso de produtos da biomassa foi a Fabricação de biocombustíveis, que produziu 50,6% da energia elétrica gerada pelos produtos energéticos da biomassa entre 2015 e 2018; seguida pela Fabricação de celulose, papel e produtos de papel (25,0%) e por Alimentos e bebidas (14,4%).

Considerando-se de forma agregada, entre 2015 e 2018, 95,7% da geração de eletricidade ocorreu nas Indústrias extrativas e de transformação e houve um crescimento médio de 3,0% nessa geração no período. A geração elétrica de 2018 pelas Indústrias extrativas e de transformação foi de 52,0 mil gigawatt-hora.

Biomassa da cana responde por 62% do uso para geração de eletricidade

Em 2018, o produto energético da biomassa que mais foi utilizado para geração de eletricidade foi a biomassa da cana (62,2%), da lixívia (27,0%) e da lenha (4,7%). Em média, entre 2015 e 2018, do uso energético dos produtos da biomassa para geração de eletricidade foi de 9,4 milhões de tep, com crescimento médio de 2,6% no período.

O uso da lixívia ocorreu totalmente dentro da atividade de Fabricação de celulose, papel e produtos de papel, tendo em vista que ela é um subproduto dessa indústria. Em 2018, do uso total da lixívia nas atividades econômicas, 27,6% foi para transformação em energia elétrica, e 72,4%, para uso terminativo.

O uso para transformação da lenha, por sua vez, ocorreu, predominantemente, na atividade de Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 95,1% do uso total para transformação em 2018, especialmente para produção do carvão vegetal. Em 2018, do total do uso para transformação da lenha, 94,2% foi destinado para a produção de carvão vegetal, e 5,8%, para geração de eletricidade.

Uso terminativo caiu 1,3% no período de quatro anos

Em 2018, o uso terminativo, ou seja, o uso de energia pelas atividades econômicas e famílias que não é destinado ao processo de transformação em outro produto energético, do produto energético da biomassa da cana foi de 27,5 milhões de tep nas atividades econômicas. De 2015 a 2018, houve uma redução média de 1,3% nesse uso deste produto. Os principais produtos consumidos nesse caso, em 2018, foram as biomassas da cana (45,4%), da lenha (17,4%) e da lixívia (11,4%).

 O uso terminativo da biomassa da cana foi maior na atividade Fabricação de biocombustíveis, em que o bagaço é utilizado para gerar calor. Em 2018, essa atividade econômica utilizou 62,6% da biomassa da cana, e a de Alimentos e bebidas, 37,3%.

O melaço e o caldo da cana são utilizados na produção do álcool, já o bagaço é usado na geração de calor ou eletricidade. Em relação ao uso do insumo natural da biomassa da cana (bagaço, melaço e caldo de cana), de 2015 a 2018, em média, 30,8% foi utilizada para a produção de álcool; 12,1% para a geração de energia elétrica; e 57,2% para o consumo terminativo pelas indústrias para a geração de calor.

A lenha, em 2018, foi consumida principalmente para a geração de calor. O uso da lenha nas atividades econômicas, entre 2015 e 2018, foi de 29,5%, em média, para a produção de carvão vegetal; de 1,7% para a geração de energia elétrica; e de 68,8% para o consumo terminativo. Já o consumo da lenha pelas famílias correspondeu a 28,3% do seu uso terminativo total, sendo destinado, principalmente, para cocção e aquecimento.

O uso do carvão vegetal ocorre, principalmente, pela Metalurgia e fabricação de produtos de metal (exceto máquinas e equipamentos), cuja atividade foi responsável por 82,1% do uso total desse insumo em 2018. Já 9,1% do carvão vegetal produzido foi utilizado pelas famílias.

E o uso do álcool ocorre, majoritariamente, pelas famílias, em especial como combustível de automóveis, com participação de 59,0% do total em 2018.

Consumo de lenha pelas famílias aumentou 3,7% de 2015 para 2018

As famílias utilizam o álcool e o biodiesel para transporte e a lenha e o carvão para cocção e aquecimento. Dentre esses produtos, o mais utilizado pelas famílias é o álcool, como combustível de automóveis, seguido da lenha, do carvão vegetal e, por último, do biodiesel.

Em 2018, do uso total de produtos energéticos da biomassa pelas famílias, 61,1% foi de álcool (25,5 bilhões de litros); 33,5%, de lenha (23,4 milhões de toneladas); 3,0%, de eletricidade derivada de produtos energéticos da biomassa (7,6 mil gigawatt-hora); 1,7%, de carvão vegetal (552 mil toneladas); e 0,7%, de biodiesel (198,4 milhões de litros).

O uso da lenha per capita pelas famílias apresentou um crescimento médio de 3,7% de 2015 para 2018, quando atingiu 112,1 quilos por habitante. Já o consumo per capita de álcool pelas famílias caiu 0,8% no período, tendo ficado em 122,4 litros por habitante em 2018.

Famílias gastaram R$ 86,2 bilhões com álcool em 2018

Quanto às participações no uso, verificou-se que o álcool vem sendo mais usado pelas famílias do que pelas atividades econômicas. Em 2018, a participação do primeiro grupo nos gastos com álcool foi de 82,0% contra 18,0% do segundo, atingindo R$ 86,2 bilhões e R$ 18,9 bilhões, respectivamente.

Enquanto isso, a participação dos gastos com biodiesel pelas atividades econômicas foi de 95,6%, atingindo R$ 16,9 bilhões em 2018. Já as famílias, gastaram apenas R$ 786 milhões com biodiesel (4,4%).

Para o carvão vegetal e a lenha, observou-se ainda uma diferença acentuada entre a participação em termos físicos ou em termos de gastos. Em 2018, a participação das atividades econômicas para o carvão vegetal foi de 81,0% (R$ 4,8 bilhões) em relação aos gastos e, no que diz respeito ao uso físico, de 90,9% (3,6 milhões de tep). Para as famílias, foi de 19,0% nos gastos contra 9,1% no uso físico.

Quanto à lenha, a participação das atividades econômicas nos gastos foi de 63,8% (R$ 4,2 bilhões), e de 71,7% no uso físico (18,4 milhões de tep). As famílias ficaram com 36,2% (R$ 2,4 bilhões) e 28,3% (7,3 milhões de tep), respectivamente.

Os gastos de consumo final per capita das famílias apresentaram aumento para todos os produtos energéticos da biomassa, se comparados a 2015, com exceção do carvão vegetal. Os gastos per capita com o biodiesel e a lenha registraram crescimento em todos os anos da série, com crescimentos médios de 14,4% e 7,9%, respectivamente.

Os gastos com os produtos energéticos da biomassa pelas famílias totalizaram R$ 90,4 bilhões em 2018: 34,5% das despesas associadas ao total de produtos energéticos, exceto eletricidade. Considerando-se o total dos gastos de consumo final das famílias, a participação dos produtos energéticos da biomassa foi, em média, de 1,5% entre 2015 e 2018.

Intensidade de uso foi de 11,7 tep para cada mil Reais de PIB em 2018

Considerando-se o uso terminativo da economia em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) a preços correntes, o indicador de intensidade de uso energético apresentou tendência declinante em toda a série. Em 2018, o resultado foi de 11,7 tep por cada mil Reais de PIB.

Para o total das atividades econômicas, considerando-se o uso total e o valor adicionado bruto a preços correntes, observa-se que a intensidade de uso para o álcool foi de 1,0 mil litros/R$ em 2018, com redução média de 0,7% entre 2015 e 2018. Para o biodiesel, houve um crescimento de 5,4% no mesmo período, atingindo 862 litros para cada Real de valor adicionado em 2018.

Os indicadores de intensidade energética de uso para os produtos carvão vegetal e lenha foram, em 2018, respectivamente, de 0,9 tonelada/milhão de Reais e 9,9 toneladas/milhão de Reais. Ambos os indicadores diminuíram, se comparados a 2015, quando eram de 1,1 ton/milhão de Reais e 11,6 ton/milhão de Reais, respectivamente

Considerando-se a análise por atividades econômicas, verifica-se que a atividade de Transporte possui a maior intensidade de uso energético dos produtos álcool e biodiesel. Em 2018, foi de 4,4 mil litros de álcool para cada Real de valor adicionado pela atividade, e, para o biodiesel, atingiu o valor mais alto da série, com 15,0 mil litros/Real.

Em 2018, para o carvão vegetal, as atividades das Indústrias extrativas e de transformação apresentaram a maior intensidade energética de uso (4,5 toneladas/milhão de Reais), enquanto para a lenha, a Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura registrou o maior indicador, com o uso de 108,6 toneladas para cada Real de valor adicionado pela atividade.

Por fim, a intensidade energética de uso do álcool da atividade Eletricidade, gás, água e esgoto apresentou o menor indicador, com 141 litros de álcool/Real. Já para o biodiesel, o carvão e a lenha, as Demais atividades se destacaram pelo indicador mais baixo.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade