Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Usina Solar

Construção de usinas solares no Nordeste ganha força

Com 149,3 MWp de capacidade instalada voltada para o mercado livre, novos parques marcam estreia da companhia na geração fotovoltaica destinada à venda no mercado

Redação, com informações Neoenergia
28-Mai-2021 11:02

A Neoenergia iniciou a construção de um dos seus principais projetos de energia limpa, os parques solares Luzia, localizados no município de Santa Luzia, no Sertão da Paraíba. O início das obras do complexo estava prevista para o segundo semestre de 2021 e foi antecipado com a emissão da licença de instalação pela Superintendência de Administração do Meio Ambiente do Estado (Sudema) autorizando a instalação do parque Luzia III, por onde serão iniciadas as obras do empreendimento. Com capacidade instalada total de 149,3 MWp, o empreendimento é o primeiro da companhia para a geração fotovoltaica centralizada. A energia produzida será totalmente voltada ao mercado livre e o novo ativo possuirá sinergia operacional com outros negócios da empresa na região, em eólica e transmissão.

“O avanço na instalação das usinas solares Luzia é estratégico para a companhia e a sua construção já começa com 100% de energia vendida até 2026 no Ambiente de Contratação Livre e 20% já vendida até o final da sua vida útil. O empreendimento está perfeitamente alinhado com o nosso objetivo de expandir a carteira de geração de energia limpa com criação de valor e, dessa forma, contribuir com o desenvolvimento sustentável e de baixo carbono”, afirma o superintendente de Projetos Renováveis da Neoenergia, Leandro Montanher.

A previsão da companhia é que a operação comercial do novo empreendimento seja iniciada no segundo semestre de 2022. A energia produzida nos quatro primeiros anos já está totalmente comercializada no ambiente livre por meio de PPAs (no inglês, Power Purchase Agreement) de longo prazo. A capacidade instalada nas usinas equivale ao suficiente para atender mais de 100 mil casas, evitando a emissão de 65 mil toneladas de CO² por ano.

Serão implantadas duas usinas solares em uma área arrendada de 462 hectares, espaço correspondente a 38 estádios de futebol como a Arena Fonte Nova, localizada em Salvador (BA). Serão instalados 233.280 módulos fotovoltaicos que, se fossem alinhados, ocupariam 309 quilômetros, ou seja, a distância entre Recife (PE) e Natal (RN). Serão utilizadas 7,7 mil toneladas de aço, quase o volume aplicado na Torre Eiffel, cartão postal francês, que tem 10 mil toneladas de aço.

A construção dos parques vai gerar benefícios econômicos para os proprietários de terras durante toda a vida do empreendimento. A geração de empregos é outra vantagem das obras, que deverão criar 700 postos de trabalho no pico.

Sinergia operacional

A localização das plantas fotovoltaicas potencializa a sinergia operacional do Grupo. O empreendimento será construído a aproximadamente 11 quilômetros da subestação Santa Luzia II, que integra o projeto de transmissão adquirido pela companhia no lote 6 do leilão 002/2017 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), com energização prevista para este ano. Além disso, a infraestrutura de conexão das usinas será compartilhada com o Complexo Eólico Chafariz, onde estão sendo instalados 15 parques que somam capacidade instalada de 471,2 MW, e devem entrar em operação no segundo semestre de 2021. Já funcionam na região três parques eólicos, Canoas e Lagoa 1 e 2, que somam potência instalada de 94,5 MW.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade