AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Combustível

Com nova lei, México recua de abertura do setor de combustíveis

Nova lei amplia controle do Estado e afetar multinacionais com atuação no México, como Shell, BP, Chevron, Exxon e Total, que entraram no mercado de combustíveis após as reformas energéticas de 2013-14, que encerraram quase oito décadas de monopólio estatal

Redação com informações de Valor
23-Abr-2021 13:12 - Atualizado em 23/04/2021 14:44

Segundo dados de Valor Econômico, o Senado mexicano aprovou ontem um projeto de lei que amplia o controle do governo sobre o mercado interno de combustíveis, marcando um retrocesso na histórica abertura do setor de energia.

Com 65 votos a favor, 47 contra e 6 abstenções, o Senado aprovou a proposta do presidente Andrés Manuel López Obrador de expandir o controle do Estado sobre a distribuição, importação e comercialização de gasolina e diesel. O projeto permite ainda suspender autorização a operadores do mercado de combustível com base em razões nacionais ou de segurança energética, e permite que a estatal petrolífera Petróleos Mexicanos (Pemex) assuma suas instalações.

O projeto de lei foi aprovado em termos gerais. Alguns artigos ficaram para posterior debate no Congresso, dominado pelo Morena, partido do esquerdista López Obrador. A proposta foi aprovada pela Câmara na semana passada.

A nova lei pode ter repercussões para multinacionais com atuação no México, como Shell, BP, Exxon, Chevron e Total, que entraram no mercado de combustíveis do país após as reformas energéticas de 2013-14, que encerraram quase oito décadas de monopólio estatal.

Assim que for sancionado por López Obrador, a nova Lei de Hidrocarbonetos permitirá ao Ministério da Energia e ao órgão regulador do setor, o CRE, suspender autorizações de todos os tipos relacionadas ao petróleo e gás em face de um “perigo iminente à segurança nacional, à segurança energética ou à economia nacional”.

O projeto de lei, que teve sua tramitação acelerada no Congresso, deixa a cargo dos órgãos federais definir critérios para determinar quais seriam essas ameaças à segurança, o que analistas veem como um dos pontos mais delicados da reforma para os atuais contratos.

Além disso, estabelece que o governo federal será responsável pela administração e operação das autorizações suspensas para dar continuidade às atividades, o que inclui a ocupação temporária de instalações, que poderiam ser administradas e controladas por uma empresa estatal, no caso a Pemex.

Prevê ainda que as autorizações que não cumpram a capacidade de armazenamento estabelecida pelas autoridades ou que não cumpram qualquer disposição da LH podem ser revogadas, além de se comprovar que existe capacidade de armazenamento para a obtenção da licença.

“É uma ameaça à segurança jurídica da operação de toda essa infraestrutura que está operando”, disse à Reuters nesta semana Rosanety Barrios, analista do setor de energia e que integrou a equipe encarregada de preparar o arcabouço jurídico após a reforma do setor de energia de 2013-14.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade