AveSui2021
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Parceria

Colaboração britânica com Brasil envolve gás natural e eólicas offshore

A agenda de colaboração bilateral em energia do Reino Unido com o Brasil ainda terá espaço para projetos de gás natural

epbr
09-Fev-2021 09:11

Em seus esforços para acelerar a transição energética, o governo do Reino Unido quer parar de financiar combustíveis fósseis ao redor do mundo, mas acredita no gás natural como o combustível dessa transição.

Apesar de ser um combustível fóssil, o gás natural está na ordem do dia das colaborações internacionais e formulações de políticas públicas, combinado com fontes de energia neutras em carbono, como eólica, solar e hidrogênio verde.

“Atualmente, este trabalho se concentra no gás natural como combustível de transição, biocombustíveis, biogás, eólica offshore, armazenamento de energia solar e smart grid”, explica a embaixadora interina do Reino Unido no Brasil, Liz Davidson.

Esse entendimento reforça a parceria entre os dois países por meio do programa de energia britânico Prosperity Fund, que apoia o desenvolvimento e implantação de tecnologias limpas no Brasil.

Em nível municipal, alguns projetos já estão em andamento, como a cooperação entre as cidades Aberdeen, no Reino Unido, e Macaé, no Rio de Janeiro.

“Consideradas as capitais do petróleo em seus respectivos países, as duas cidades irão colaborar na área de transição energética, com a ambição de avançar a atividade de eólica offshore”, afirma Liz Davidson.

Em dezembro, o Ministério de Minas e Energia e o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido assinaram um acordo de cooperação estabelecendo o compromisso mútuo de trabalhar para desenvolver tecnologias limpas e mercados eficientes, descarbonizar a produção de petróleo e gás e acelerar o investimento em energias renováveis no Brasil.

AveSui2021_dentro

O Reino Unido também assinou um acordo com o governo de Minas Gerais

O memorando visa a cooperação em projetos de agricultura de baixo carbono e bioenergia. O estado tem projetos de empresas britânicas como a futura fábrica de células de baterias de lítio-enxofre da Oxis Energy, em Juiz de Fora, além de atividades da BP Bunge Bioenergia, Faro Energy, Atlas, Green Fuels, Anglo American e Aggreko.

Com o desdobramento do acordo, serão estabelecidas ações voltadas ao enfrentamento dos efeitos das mudanças climáticas, bem como à transição energética e, a partir disso, elevar Minas Gerais a um Estado referência na temática no Brasil e apresentá-lo como tal na COP26.

Fim do financiamento público para fósseis

Os detalhes do projeto do primeiro-ministro Boris Johnson para pôr fim a novos apoios financeiros para combustíveis fósseis serão definidos após um processo de consulta pública promovido pelo governo britânico, com conclusão prevista para esta semana.

Mas a proposta é eliminar qualquer nova assistência oficial ao desenvolvimento, investimento, crédito à exportação e atividade de promoção comercial na indústria de petróleo.

“Haverá algumas exceções — fortemente limitadas — permitidas para atividades que apoiem ??melhorias de saúde e segurança, façam parte de transições mais amplas de energia limpa, apoiem o descomissionamento ou estejam associadas a uma resposta humanitária”, indica a embaixadora interina.

Ela ressalta ainda que o Reino Unido está buscando outras fontes de recursos com diferentes parceiros para aumentar o financiamento e assistência técnica para energia limpa, “para garantir que a energia renovável seja a opção mais atraente de nova geração para qualquer país”.

AveSui2021_dentro

Segundo Liz, os investimentos britânicos em programas de energia limpa em países em desenvolvimento chegaram a £ 1 bilhão nos últimos cinco anos.

Investimentos em parques eólicos offshore

Para alcançar zero emissões até 2050, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, destinou £160 milhões em financiamento para aumentar a capacidade eólica offshore do país.

O objetivo é que a energia gerada a partir do vento, que hoje responde por 10% da eletricidade britânica, seja suficiente para abastecer todas as residências do país nos próximos dez anos.

“Como presidente da COP26, em novembro, em Glasgow, o Reino Unido tem estimulado maior ambição por parte de todos os países rumo à transição energética e a uma recuperação mais verde no pós-pandemia. Temos adotado medidas neste sentido tanto domesticamente quanto fora do país”, afirma.

De segunda a sexta, pela manhã, assinantes da newsletter Comece seu dia recebem por e-mail um briefing produzido pela agência epbr com os principais fatos políticos, notícias e análises sobre o setores de petróleo e energia.

Assuntos do Momento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais
25 de Fevereiro de 2021
Investimento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais

Startup capixaba CleanClic, plataforma de compensação de energia renovável, integra um projeto de R$ 110 milhões para a construção de 15 usinas fotovoltaicas compartilhadas e uma central hidrelétrica no Norte do Estado.

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado
01 de Março de 2021
Inovação

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado

Hoje, enquanto a Califórnia se movimenta continuamente para "descarbonizar" sua economia, essas chaminés estão inativas, e a usina está praticamente desativada

AveSui2021_dentro
ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2
24 de Fevereiro de 2021
Eólica

ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2

A unidade é formada por 86 aerogeradores e possui capacidade instalada de 361,2 MW

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores
26 de Fevereiro de 2021
Feira de Negócios

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores

Com uma plataforma digital inovadora e exclusiva, os expositores e visitantes terão uma experiência única em uma feira virtual. No caso das empresas, elas terão todo o suporte das mídias da Gessulli Agribusiness, responsáveis por conecta-las com o seu público-alvo em todo o mundo

Disponible en español Disponible en español
A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE
01 de Março de 2021
Internacional

A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE

Os totais de produção e consumo já se desagregam em E28, contando o Reino Unido, e em E27, excluindo este país

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos  para produção de biogás
25 de Fevereiro de 2021
Biocombustível

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos para produção de biogás

A realização do webinar é da Embrapa Suínos e Aves, com apoio do 3º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano.

Mais assuntos do momento