Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Investimento

Cocal investe em etanol e em unidade de biogás

Com aporte de US$ 70 milhões, empresa paulista aumenta a aposta na renovação de sua matriz energética

Redação com informações de Valor
26-Ago-2021 08:26 - Atualizado em 26/08/2021 08:37

O Grupo Cocal vai investir US$ 70 milhões para ampliar sua produção de etanol e renovar sua matriz energética. Os recursos serão usados na construção de uma fábrica de biogás, produzido a partir do processamento de subprodutos da moagem da cana-de-açúcar. O insumo será transformado em biometano e energia elétrica para abastecer residências, comércio, indústrias e veículos no interior de São Paulo.

Para os aportes, a empresa negociou um financiamento privado com o
International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial. Serão US$ 40 milhões de recursos próprios do órgão, com prazo de oito anos, e outros US$ 30 milhões obtidos com os bancos Itaú BBA e Rabobank, com sete anos para pagamento.

O empréstimo faz parte de um programa geral de investimentos da empresa, previsto em US$ 92 milhões (cerca de R$ 500 milhões). Ele será utilizado para renovar 27 mil hectares de lavouras de cana e substituir máquinas e equipamentos agrícolas - além da planta de biogás, em Narandiba (SP), que deverá entrar em operação em outubro.

Com o investimento, a Cocal vai produzir biogás, biometano, CO2 e energia elétrica a partir da vinhaça e da torta de filtro, subprodutos industriais nobres do processo de moagem da cana, dentro do conceito de economia circular. Inicialmente, o biogás vai substituir combustíveis fósseis em indústrias da região, onde será distribuído por meio de carretas próprias.

A partir de julho de 2022, o produto também será distribuído para residências, comércio, indústrias e veículos na região de Presidente Prudente, Narandiba e Pirapozinho. A distribuição ocorrerá por meio do gasoduto construído em parceria com a GasBrasiliano.

Paulo Zanetti, diretor-superintendente do Grupo Cocal, diz que a empresa tem concentrado esforços em inovação e no fortalecimento das práticas ESG. A promoção do uso de biocombustíveis e de biofertilizantes também permite o enquadramento no programa de descarbonização RenovaBio.

“O investimento nesses projetos representa uma solução ambiental e socialmente viável e gera produtos versáteis, limpos e competitivos para a região, impulsionando a economia local”, afirmou.

Tecnologia e precisão

A Cocal também vai investir em agricultura de precisão nos canaviais e no uso de tecnologia para buscar ganhos verticais na produção. Tudo conduzido e monitorado em tempo real com a implementação de estações climatológicas online. Entre as técnicas está a correção do solo em taxa variável e a prática denominada ESD (Escoamento Superficial Difuso) - que evita erosão, aumenta o potencial de produtividade e permite elevar a colheita sem expandir a área. Também faz parte do plano expandir o uso da agricultura 4.0 (big data, cobertura e transmissão de dados no campo, equipamentos para controle de qualidade das operações agrícolas e softwares de gestão e processamento de dados), de fertilizantes organominerais, em substituição de químicos - com aplicação de vinhaça - e implantar tecnologias de nutrição foliar, para elevar produtividade e ATR (Açúcares Totais Recuperáveis).

“Esse projeto está alinhado com um dos pilares da IFC, que é tornar a sustentabilidade ambiental e social um motor do agronegócio. O aumento da participação de biocombustíveis sustentáveis e energia limpa na matriz energética é estratégico para o Brasil alcançar a meta estabelecida no Acordo de Paris”, disse Carlos Leiria Pinto, gerente-geral da IFC para o Brasil. Segundo ele, os recursos são 100% voltados para combater os efeitos das mudanças climáticas.

O Grupo Cocal, com sede em Paraguaçu Paulista, produz 8,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano e 400 milhões de litros de etanol. A empresa tem 142 mil hectares de canaviais sob sua gestão.

Assuntos do Momento

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica
24 de Setembro de 2021
Bioenergia

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica

Empresa EV Brasil assinou protocolo com governo do estado para instalar primeiro projeto do tipo no país, nesta terça-feira (21). Investimento inicial é de R$ 12,5 milhões.

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira
24 de Setembro de 2021
Compromisso

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira

Presidente citou compromisso com dois pactos, um para reduzir emissões de carbono e outro para financiar o setor de hidrogênio, e disse que país é destaque na implementação de soluções energéticas sustentáveis

Alta do gás pode abalar transição verde na UE
23 de Setembro de 2021
Meio Ambiente

Alta do gás pode abalar transição verde na UE

Há o temor de que a crise energética tenha impacto sobre a crença no investimento em fontes mais limpas

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica
24 de Setembro de 2021
Alternativa

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica

Bioágua é feita a partir da filtragem das chamadas águas cinzas. Combinação entre diferentes fontes é a solução para pesquisadores, que também apostam no uso da água subterrânea.

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia
24 de Setembro de 2021
Certificado

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia

Documento atesta conformidade da Companhia ao Regulamento turco de Resíduos Zero

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023
24 de Setembro de 2021
Biocombustível

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023

Matéria-prima foi classificada pelo bloco como fator que resulta em desmatamento excessivo e não pode mais ser considerada um combustível renovável para transporte.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade