Guia Gessulli
17-Set-2019 10:35 - Atualizado em 17/09/2019 10:46
Desburocreatização

CNA discute políticas setoriais para geração de energia de biomassa

A entidade apresentou uma estratégia institucional para a desburocratização, estímulo e melhoria do ambiente de negócios visando o aproveitamento do potencial da biomassa florestal para a geração de energi

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou do 3º Encontro Brasileiro de Biomassa e Energia da Madeira, na quinta-feira (12/09), em Curitiba (PR).

A entidade apresentou uma estratégia institucional para a desburocratização, estímulo e melhoria do ambiente de negócios visando o aproveitamento do potencial da biomassa florestal para a geração de energia.

O coordenador de Produção Agrícola da CNA, Maciel Silva, foi um dos palestrantes do evento com o tema “Oportunidades para o setor florestal: Políticas setoriais para geração de energia de biomassa”.

Na opinião dele, o setor pode contribuir com a diversificação da matriz energética nacional e buscar meios de reduzir custos e ampliar renda no meio rural, utilizando-se da geração de energia de biomassa. Porém, para isso acontecer, é necessária a definição de políticas setoriais eficientes.

“O nosso trabalho está concentrado na inserção e amadurecimento dos produtores no mercado de energia. É necessária a interpretação clara dos ambientes e formas de contratação de energia para que os silvicultores possam avaliar a viabilidade da sua participação nesse mercado”, afirmou Maciel Silva.

As normas que regulamentam o setor também foram discutidas no encontro. De acordo com o coordenador de Produção Agrícola da CNA, as questões regulatórias ainda são vetores de burocracia e de redução da competitividade.

“A instabilidade e a complexidade normativa afeta diretamente a participação do setor florestal nos leilões públicos de energia, bem como na geração distribuída, objetivando o consumo próprio. Esse é um dos motivos que tem impulsionado a participação intensiva da CNA no processo de debate e reformulação das normas”, disse ele.

Redação
Deixe seu Recado