Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Clima impõe aceleração de mudanças na agricultura

Por Maurício Antônio Lopes, pesquisador da Embrapa

Maurício Antônio Lopes

Pesquisador Embrapa

18-Nov-2021 16:48

É por isso que mudança, adaptação, reinvenção e resiliência são conceitos que ganham cada vez mais força nesse tempo de rápida evolução tecnológica, economias voláteis e crescente preocupação com o clima e a estabilidade do planeta. A agenda de desenvolvimento sustentável já permeia praticamente todos os domínios da atividade humana, cristalizando em parcela cada vez maior da sociedade a percepção de que é preciso investir na reconciliação entre os sistemas humanos e a natureza, construindo visões e rotas alternativas para o futuro.

Esta foi essencialmente a tônica da COP 26, a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada entre 1 e 12 de novembro de 2021 na cidade de Glasgow, na Escócia. A agenda da conferência demonstra que nunca se empreendeu um esforço coletivo mais ambicioso que reduzir emissões e estabilizar o clima do planeta. Há abundantes evidências de que a ação humana é a principal causa da crise climática e se quisermos um planeta habitável no futuro, países, indústrias e setores devem se descarbonizar com urgência.

É interessante notar que a cada nova cúpula do clima, dados e evidências se acumulam indicando que o negacionismo climático se tornou arriscado demais, inibindo ações concretas e eficazes para preparo dos nossos sistemas econômicos, naturais e políticos para lidar com os choques e consequências das mudanças em curso. Mudanças já abundantemente comprovadas pela ciência como reais e potencialmente catastróficas para a humanidade.

Dentre os setores mais pressionados por esta realidade está a agricultura, a ponto do Secretário de Agricultura americano, Tom Vilsack, ter admitido em Glasgow que a crise climática não é um problema para o futuro, mas uma ameaça do presente que está a exigir mudanças de trajetória na produção agrícola. Uma alteração significativa de postura dos EUA, considerando que em 2017 o então presidente americano Donald Trump anunciou a saída do Acordo de Paris, efetivada em 2019. O fato é que um olhar atento às discussões e debates da COP 26 aponta para uma conclusão geral – de que transformar e acelerar a inovação na busca de uma agricultura descarbonizada e resiliente é um objetivo que deve ser perseguido por todos, em especial pelas grandes nações agrícolas, como o Brasil.

Na verdade, o nosso país tem razões de sobra para se preocupar com a conformação da sua agenda climática e com as expectativas e metas de descarbonização em âmbito global. As temáticas relacionadas a desmatamento ilegal e à integridade de biomas sensíveis e críticos para toda a humanidade, como a Amazônia, colocam o país em enorme evidência. Evidência que enseja intenso escrutínio sobre as questões ambientais brasileiras, nem sempre com narrativas e avaliações corretas e justas. Infelizmente já está internacionalmente disseminada a visão de que “o Brasil está contra o mundo” na questão climática, o que exige de nós mais esforços em inteligência estratégica e diplomacia.

Por isso temos pela frente o enorme desafio de seguir superando passivos – avançando na descarbonização dos sistemas produtivos, combatendo o desmatamento ilegal e a perda de biodiversidade - ao mesmo tempo buscando estratégia mais sábia para desmistificar preconceitos e fortalecer a imagem da agricultura brasileira perante o mundo. Já está claro que o discurso, também equivocado, de que “o mundo está contra o Brasil” não funciona, e só contribui para agravar oposição, pessimismo e negativismo, além de favorecer narrativas baseadas em emoções e subjetividade.

Voltando ao pensamento de Heráclito – de que “nada é estático, tudo se move, tudo muda”, o que precisamos é buscar formas criativas de mostrar aos brasileiros e ao mundo que a nossa agricultura não está parada no tempo, mas em intenso processo de transformação, na busca de sintonia com a agenda global pela sustentabilidade. E como vivemos em um tempo dominado por mídias de tempo real e táticas de influência e desinformação poderosas e destrutivas, é imperativo seguirmos investindo numa agricultura fortemente baseada em ciência, gerando dados e evidências sólidos, que são as armas capazes de vencer a desinformação e o negacionismo.

Assuntos do Momento

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa
01 de Dezembro de 2021
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia
03 de Dezembro de 2021
Expansão

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia

Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina são os Estados com mais startups voltadas ao setor de energia no país

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021
29 de Novembro de 2021
Descarbonizar

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021

Outro destaque foi a apresentação do Fundo Garantidor do Biogás, primeiro fundo com foco ambiental no Brasil, lançado em setembro pelo The Lab junto com a ABiogás

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa
02 de Dezembro de 2021
Reivindicação

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa

Deputado José Mário Schreiner (DEM-GO) também propõe que produtores rurais tenham o mesmo regime tributário dos produtores de biocombustível

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia
30 de Novembro de 2021
Energia Renovável

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia

São empresas de grande e médio porte como indústrias e shoppings que ainda são abastecidas pelo mercado regulado e que hoje possuem, sozinhas ou em comunhão, carga superior a 500 kW

Disponible en español Disponible en español
Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes
01 de Dezembro de 2021
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade