AveSui2021
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Negócios

CEO da Raizen diz que mercado não percebeu a oportunidade da biomassa

Ricardo Mussa diz que compra da Biosev pela companhia, uma transação de 3,6 bilhões, irá fortalecer estratégia ESG da sucroalcooleira
 

Redação
15-Fev-2021 08:19 - Atualizado em 15/02/2021 08:54

A Raízen, maior processadora de açúcar e etanol do Brasil, fechou a compra da Biosev, também do setor sucroalcooleiro, na semana passada. O montante de 3,6 bilhões de reais desembolsados no negócio representam a maior transação da história da companhia. A aquisição aumentará o volume de moagem de cana da companhia em cerca de 40%, para 90 milhões de toneladas, o que amplia a liderança da Raízen, uma joint-venture entre a brasileira Cosan e a anglo-holandesa Shell, no mercado nacional.

Para Ricardo Mussa, CEO da Raízen, no entanto, o aumento da capacidade e da liderança de mercado não são os principais benefícios da transação, ainda que o mercado tenha encarado dessa forma. “Nenhum analista sequer perguntou sobre a questão da biomassa, que é a grande sacada do negócio”, afirma Mussa. “Nos antecipamos ao mercado.”

A Raízen aposta muito no segmento de combustíveis alternativos para o futuro, em especial o biogás e o E2G, sigla para o etanol de segunda geração, obtido a partir do processamento das sobras da moagem (o bagaço). O ponto é que a disponibilidade dessa biomassa está quase no limite. Atualmente, mais de 70% da matéria-prima extraída pelas usinas da Raízen está comprometida com o atendimento de contratos já firmados. Na Biosev, é o contrário: 30% são utilizados e o restante está disponível. É essa oportunidade que, na visão de Mussa, o mercado ainda não percebeu.

Para a sucroalcooleira, os combustíveis alternativos, ou sustentáveis, são mais rentáveis, pois oferecem um prêmio pela redução das emissões de carbono, pago pelas empresas poluidoras. “Isso ainda não aparece nas análises porque é um volume pequeno, mas a tendência é de crescer rapidamente”, afirma Mussa. Incentivos na Europa e nos Estados Unidos estão fortalecendo a demanda. E a Raízen também tem planos de acessar o mercado indiano, com a venda de tecnologia para produção do E2G.

AveSui2021_dentro

A Raízen divulgou em setembro uma série de compromissos socioambientais, como parte de um plano de 10 anos visando incutir na empresa o capitalismo de stakeholder, modelo de gestão em que o interesse das partes impactadas pela companhia (stakeholders) está acima do interesse dos acionistas. Essa estratégia foi definida a partir de uma análise das metodologias existentes.

O plano já vem dando resultado. No final do ano passado, a Moody’s elevou a nota de crédito da companhia de Ba1 para Baa3, ingressando na categoria de grau de investimento. Ao mesmo tempo, o Carbon Disclosure Project (CDP), entidade que realiza análises da pegada de carbono das empresas para o mercado financeiro, elevou a nota da sucroalcooleira também de B para A-. Segundo Mussa, a próximo fronteira a ser desbravada pela empresa, além do biogás e do E2G, será a do mercado de combustível para aviação.

Assuntos do Momento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais
25 de Fevereiro de 2021
Investimento

Projeto prevê a instalação de 15 usinas solares em Minas Gerais

Startup capixaba CleanClic, plataforma de compensação de energia renovável, integra um projeto de R$ 110 milhões para a construção de 15 usinas fotovoltaicas compartilhadas e uma central hidrelétrica no Norte do Estado.

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado
01 de Março de 2021
Inovação

As baterias que podem tornar o petróleo coisa do passado

Hoje, enquanto a Califórnia se movimenta continuamente para "descarbonizar" sua economia, essas chaminés estão inativas, e a usina está praticamente desativada

AveSui2021_dentro
ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2
24 de Fevereiro de 2021
Eólica

ENGIE ultrapassa 1 GW em eólica com início da operação comercial do Conjunto Eólico Campo Largo 2

A unidade é formada por 86 aerogeradores e possui capacidade instalada de 361,2 MW

Disponible en español Disponible en español
A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE
01 de Março de 2021
Internacional

A Finlândia substituirá o Reino Unido como o maior produtor de biomassa elétrica da UE

Os totais de produção e consumo já se desagregam em E28, contando o Reino Unido, e em E27, excluindo este país

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores
26 de Fevereiro de 2021
Feira de Negócios

Em formato híbrido, AveSui adota estratégia de comunicação integrada potencializando os espaços de negócios para os expositores

Com uma plataforma digital inovadora e exclusiva, os expositores e visitantes terão uma experiência única em uma feira virtual. No caso das empresas, elas terão todo o suporte das mídias da Gessulli Agribusiness, responsáveis por conecta-las com o seu público-alvo em todo o mundo

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos  para produção de biogás
25 de Fevereiro de 2021
Biocombustível

Embrapa realiza webinar sobre o uso de animais mortos para produção de biogás

A realização do webinar é da Embrapa Suínos e Aves, com apoio do 3º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano.

Mais assuntos do momento