AveSui
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sustentabilidade

Bruxelas busca conter desmatamento proibindo importação de alimentos

Projeto de lei impediria a venda de seis commodities produzidas em áreas de risco

Redação com informações de Financial Times
18-Nov-2021 09:05 - Atualizado em 18/11/2021 09:17

Bruxelas está tentando proibir as importações de alimentos, incluindo carne bovina e café, de áreas sob risco de desmatamento, em um regulamento que visa proteger as florestas mais vulneráveis ??do mundo.

Virginijus Sinkevicius, o comissário da UE para o meio ambiente e os oceanos, disse ao Financial Times que Bruxelas teria como alvo seis produtos agrícolas - carne bovina, soja, óleo de palma, café, cacau e madeira - em um projeto de lei anti-desmatamento que será publicado na quarta-feira.

O regulamento forçaria as empresas a provar que os produtos que venderam no mercado único da UE não contribuíram para o desmatamento legal e ilegal ou a degradação florestal por meio do uso agrícola. “Este regulamento mostra nossa responsabilidade global e que a UE está fazendo o que falam”, disse Sinkevicius.

O projeto de lei, que precisará ser aprovado pelos governos da UE e pelo parlamento europeu, vem semanas depois de mais de 100 líderes mundiais prometerem acabar com o desmatamento global até 2030 na cúpula da ONU COP26 .

Os seis produtos representam cerca de 19 por cento das importações de commodities para a UE, com a proibição projetada para reduzir o impacto da demanda do consumidor europeu nas florestas e comunidades indígenas do mundo.

“A UE está enviando uma mensagem clara aos principais supermercados e comerciantes de commodities agrícolas: uma das maiores economias do mundo não aceita produtos agrícolas ligados ao desmatamento”, disse Nico Muzi, diretor europeu da Mighty Earth, uma organização não governamental.

De acordo com o projeto de lei, as empresas devem demonstrar que os produtos que vendem no mercado único não estão vinculados a nenhuma atividade de desmatamento ou degradação ocorrida em 31 de dezembro de 2020. Aqueles que não fornecerem informações precisas às autoridades nacionais por meio de imagens de satélite podem enfrentar multas no valor de até 4 por cento do seu volume de negócios anual.

“Não achamos que isso representará um grande fardo burocrático para as empresas. O custo do cumprimento e da devida diligência não será dramático. Os custos das medidas serão muito menores do que os benefícios esperados ”, disse Sinkevicius.

Alguns ativistas ambientais acolheram o escopo do projeto de lei, que abrange as formas legais e ilegais de uso da terra, como a tentativa mais ousada de qualquer regulador de reprimir o desmatamento. “A lei representa um grande salto no combate ao desmatamento”, disse Muzi.

Mas foi criticado por outros por não incluir a borracha entre as commodities listadas. A crescente demanda pelo material, que é usado em produtos como pneus de automóveis, é visto como um grande novo fator para o desmatamento. Um estudo publicado na revista Current Biology descobriu que 5 milhões de hectares de florestas tropicais foram desmatados no sudeste da Ásia continental e na África Subsaariana para plantações de borracha entre 2003 e 2017.

Sinkevicius disse que Bruxelas escolheu as commodities com base em uma avaliação de impacto visando produtos com o pior chamado “desmatamento embutido”. No entanto, ele acrescentou que a lei seria atualizada regularmente nos próximos anos para “levar em consideração as mudanças nos padrões de desmatamento no caso de haver uma mudança para a borracha”. A borracha também pode ser incluída na lei durante as negociações do projeto com o Parlamento Europeu e os Estados-Membros, afirmaram alguns eurodeputados.

A lei anti-desmatamento é a mais recente tentativa da UE de aumentar o escrutínio das cadeias de abastecimento de produtos, reprimindo as práticas que prejudicam o meio ambiente. No próximo mês, a Comissão Europeia irá propor um regulamento de devida diligência mais abrangente que visa tornar as empresas responsáveis ??por potenciais abusos dos direitos humanos em suas cadeias de abastecimento.

Bruxelas também irá propor na quarta-feira regras anti-desperdício para evitar que os países da UE exportem lixo para países mais pobres, a menos que eles tenham dado seu consentimento explícito e garantias de que podem processar o material.

Assuntos do Momento

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa
01 de Dezembro de 2021
Debêntures verdes

Empresa de alimentos investe R$ 150 milhões em usina de geração de energia com biomassa

Unidade vai gerar energia térmica a partir da palha do arroz; empresa criou uma nova subsidiária, a Camil Energia Renovável

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia
03 de Dezembro de 2021
Expansão

Mercado de startups no Brasil cresce quase 30% no setor de energia

Amazonas, Ceará, Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina são os Estados com mais startups voltadas ao setor de energia no país

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021
29 de Novembro de 2021
Descarbonizar

ABiogás anuncia certificado de biometano e destaca a inauguração de 45 novas usinas em 2021

Outro destaque foi a apresentação do Fundo Garantidor do Biogás, primeiro fundo com foco ambiental no Brasil, lançado em setembro pelo The Lab junto com a ABiogás

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa
02 de Dezembro de 2021
Reivindicação

Relator propõe repasse de 80% dos Créditos de Descarbonização a produtor de biomassa

Deputado José Mário Schreiner (DEM-GO) também propõe que produtores rurais tenham o mesmo regime tributário dos produtores de biocombustível

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia
30 de Novembro de 2021
Energia Renovável

Estudo da CCEE revela que estado de São Paulo tem mais de 17,5 mil unidades consumidoras que já poderiam migrar para o mercado livre de energia

São empresas de grande e médio porte como indústrias e shoppings que ainda são abastecidas pelo mercado regulado e que hoje possuem, sozinhas ou em comunhão, carga superior a 500 kW

Disponible en español Disponible en español
Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes
01 de Dezembro de 2021
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade