Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biocombustível

Brasil pode se tornar uma potência em biocombustíveis de aviação, aponta estudo

País tem capacidade para suprir demanda doméstica e exportar, mostra trabalho liderado pela RSB

Redação com informações de Valor Econômico
21-Mai-2021 15:25 - Atualizado em 24/05/2021 09:53

O Brasil tem capacidade para produzir 9 bilhões de litros de biocombustíveis de aviação por ano, volume mais do que suficiente para suprir a demanda doméstica, e, com isso, reduzir de forma expressiva as emissões de CO2 no segmento. É o que aponta estudo feito pela Roundtable on Sustainable Biomaterials (RSB), com a colaboração da consultoria Agroicone e de professores da Unicamp e da Unifei, que será apresentado em evento internacional que terá início na segunda-feira no Brasil.

“O Brasil tem enorme potencial para ser um grande produtor de biocombustível para aviação, mas isso depende da capacidade do país em aproveitar os resíduos de bagaço e da palha de cana de açúcar, da indústria de madeira, do óleo de cozinha usado, do sebo bovino e de gases da indústria siderúrgica”, informou a RSB, que integra o projeto Fuelling the Sustainabos le Bioeconomy, financiado pela Boeing Global Engagement.

A pesquisa, baseada em três rotas de produção combinadas com as cinco matériasprimas citadas, aponta que os biocombustíveis de aviação são capazes de gerar uma redução de entre 60% e 85% das emissões de CO2 em relação aos “rivais” fósseis. “O SAF [Combustível Sustentável de Avião], é a melhor alternativa para cumprir os acordos mundiais de descarbonização. A vocação agrícola e o legado do etanol faz com que o Brasil tenha condições para ser um grande ou até o maior produtor e exportador de biocombustível”, afirma Maria Carolina Grassi, líder de Novos Negócios na América Latina da RSB, na nota divulgada.

Conforme a Agroicone, a cana é a matéria-prima com maior potencial de disponibilidade de resíduos. “Os resíduos da cana incluem a palha atualmente deixada no campo e o bagaço deixado nas usinas. Usos mais eficientes desses resíduos poderiam disponibilizar aproximadamente 31,4 milhões de toneladas de bagaço e 29,9 milhões de toneladas de palha, que podem aumentar significativamente a produção de SAF – sem qualquer prejuízo à saúde solo, produção de alimentos ou geração de bioeletricidade”, disse a consultoria em nota enviada ao Valor. “Havendo viabilidade econômica, esse material poderia fornecer o equivalente a 90% de toda a demanda de querosene no Brasil”.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade