Guia Gessulli
28-Mai-2018 15:17
Bioenergia

Brasil deve atingir 2GW de energia instalada até o final deste ano

Linhas de financiamentos facilitam investimentos de pessoas físicas e jurídicas

No início deste ano o Brasil deverá ultrapassar a marca de 2 GW de geração de energia solar fotovoltaica em operação, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). De acordo com a entidade, pelo menos 85% da potência instalada é proveniente de usinas solares, também conhecidas como parques solares, resultado de quatro leilões de energia, localizadas, em sua maioria, no Norte, Nordeste e Centro Oeste. Já o segmento de geração distribuída formada por residências, comércio, indústrias, edifícios públicos, estacionamentos e zona rural evoluiu 150%.

Atualmente, a capacidade de energia instalada é suficiente para abastecer 500 mil residências do país, produzindo energia renovável, limpa, sustentável e competitiva capaz para atender o consumo de dois milhões de brasileiros.

Segundo Anaibel Novas, gerente da Unidade de Negócios de Energia Fotovoltaica da multinacional austríaca Fronius, “os projetos e as instalações estão ganhando escala, um fator extremamente importante para os fabricantes e para toda cadeia na geração solar fotovoltaica. Acreditamos muito no potencial do país. Hoje, graças a nossa empresa, o Brasil pertence a um seleto grupo dos 30 países que mais implantaram energia solar no mundo”, explica. Ainda de acordo com a Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel) existem mais de 27 mil unidades consumidoras de energia distribuída.

Conheça algumas linhas de financiamentos

Hoje existem várias linhas de financiamento para energia solar no Brasil direcionadas às pessoas física e jurídica. Só para ter uma ideia, nos municípios da área de atuação das agências de financiamento SUDAM (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) , SUDENE (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste) E SUDECO (Superintendência do Desenvolvimento do Centro Oeste) têm uma linha específica de financiamento na ordem de R$ 3,2 bilhões de reais com taxa real de juros na casa de 3% ao ano (somada a inflação ao redor de 6,24% e 7,33% ao ano) destinados à pessoa física, através dos bancos: Banco do Nordeste, Banco do Brasil e Banco da Amazônia.

A Caixa Econômica Federal (CEF) passou a aceitar projetos de energia solar em sua linha de crédito Construcard com juros em torno de 2,5% ao mês e pode ser parcelado em até 240 vezes em todo o Brasil. Está disponível para pessoa física e jurídica. Já o Banco Santander, através do Santander Financiamentos, disponibiliza crédito – tanto para pessoa jurídica como física - para a instalação de sistemas fotovoltaicos com parcelamento de até 48 vezes e a taxa de juros que varia de acordo com os valores, prazo e demais condições escolhidas pelo beneficiado. Os fornecedores e instaladores dos painéis credenciados no Santander Financiamentos possuem sede em diversos estados brasileiros e atendem em todo o território nacional.

O Banco BV possui uma linha de crédito especial para pessoas físicas que querem montar um projeto de placas solares para captação de energia no seu próprio imóvel. O interessado consegue financiar 100% do valor total do equipamento e da instalação e parcelar em até 60 meses. O benefício é possível em todos os estados.

No caso do estado de São Paulo, o projeto DESENVOLVE SP inclui o financiamento de sistemas fotovoltaicos voltado para pequenas e médias. O objetivo é reduzir em 20% as emissões de CO2 de São Paulo até 2020. O governo estadual criou a linha de Financiamento Economia Verde, parcelado em até 120 vezes.

Já o Sicredi, entre as linhas de crédito existente, possui uma em especial para quem deseja instalar energia solar. Seu diferencial é agilidade na liberação dos fundos e não há burocracia dos grandes bancos.

Referência mundial

Para se ter uma ideia, a Fronius -  empresa que é líder no setor fotovoltaico, ano passado vendeu mais de 500 mil unidades de inversores ao redor do mundo. No Brasil foram mais de nove mil inversores. A empresa obteve crescimento de mais de 50% e o faturamento mundial foi de 130 milhões de euros nas três unidades de negócio (solda, carregadores de baterias e energia solar).

“Durante 2018, a Fronius continuará com fortes investimentos em pessoas e em estrutura para melhorar nossa capacidade operacional e logística. Estamos desenvolvendo parcerias estratégicas para melhorar o atendimento as demandas dos clientes e estamos aplicando ferramentas tecnológicas para aumentar a qualidade”, finaliza Anaibel.

Redação
Deixe seu Recado