AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Cana-de-açúcar

Biomassa da cana alcança 12 mil MW de potência instalada

Há duas UTEs a biogás no setor sucroenergético, representando mais 32 MW em operação, resultando em um total de 12.053 MW instalados

Redação com informações de Dourados Agora
21-Fev-2022 09:20

Em janeiro de 2022, a biomassa da cana-de-açúcar atingiu 12.021 MW em potência instalada, por meio de 413 usinas termelétricas (UTEs) em operação utilizando bagaço e palha como combustível principal. Além disso, há duas UTEs a biogás no setor sucroenergético, representando mais 32 MW em operação, resultando em um total de 12.053 MW instalados segundo levantamento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), a partir de dados da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Representando 6,6% da potência outorgada no Brasil, esses 12.053 MW da biomassa da cana-de-açúcar colocam a fonte como a 4ª mais importante na matriz elétrica brasileira, atrás apenas das fontes hídrica, fóssil e eólica. Para o gerente em bioeletricidade da UNICA, Zilmar Souza, isto representa um marco para o setor sucroenergético, que supera a capacidade instalada da usina hidrelétrica Belo Monte (11.233 MW), a maior usina hidrelétrica 100% brasileira.

Refletindo a distribuição da moagem de cana-de-açúcar no país, somente cinco estados detêm 90% da capacidade instalada pela fonte biomassa no setor sucroenergético. São Paulo detém 6.333 MW (53%) da capacidade instalada com 208 UTEs, seguido por Minas Gerais com 1.417 MW (12%) instalados em 46 UTEs, Goiás com 1.362 MW (11%) com a capacidade instalada em 34 UTEs, Mato Grosso do Sul com 1.078 MW (9%) em 22 UTES e Paraná com 547 MW (5%) instalados em 29 UTEs.

“Esse marco mostra o potencial que tem a fonte biomassa e o biogás no setor sucroenergético. É motivo de orgulho. A biomassa já é muito estratégica para a matriz brasileira, mas temos muito potencial ainda para aproveitar e aumentar a participação dessa fonte na matriz elétrica brasileira”, comenta Souza.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade