Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Tecnologia

Biogás em usinas híbridas: o futuro da geração de energia renovável?

Feita para a geração de energia com duas fontes principais, tais como o biogás e a energia solar, por exemplo, as usinas híbridas combinam essas formas de produção de energia e potência com a intenção de fornecer eletricidade

Cibiogás
13-Dez-2021 09:39

Ainda vista como uma novidade no mercado de energia, as usinas híbridas juntamente com o biogás vêm se destacando de modo surpreendente. As políticas em prol da iniciativa ainda continuam em discussão para lançar legislações que efetivamente prezam por projetos do tipo, mas a garantia prevalece: as energias renováveis são indispensáveis no cuidado com o aquecimento global e o biogás é uma das peças-chave para a garantia da eficiência energética.

No que consistem as usinas híbridas?

Feita para a geração de energia com duas fontes principais, tais como o biogás e a energia solar, por exemplo, as usinas híbridas combinam essas formas de produção de energia e potência com a intenção de fornecer eletricidade e também armazenar, proporcionando uma redução de custos devido a otimização do sistema em questão, pois há um compartilhamento da estrutura e conexão da rede.

No final de 2020 a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), abriu uma consulta pública para regular este tipo de iniciativa. A ideia da Aneel, apoiada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e diversas instituições enfatiza o apoio entre as fontes em casos de interrupção, visto que, em um caso de projeto de biogás com a energia solar, a energia a biogás continua trabalhando durante todo o dia e a solar ela fica condicionada a uma parada para manutenção.

Quando os mecanismos também são semelhantes, como em casos da energia eólica e solar, os conversores e a caldeira podem ser aproveitados, o que motiva a movimentação de uma economia muito mais positiva em todos os aspectos, além de tornar o negócio ainda mais competitivo.

A nova discussão, feita em agosto de 2021, levantou a permissão das hidrelétricas para participarem do Mecanismo de Realocação de Energia na composição de usinas híbridas ou associadas, entre outras possíveis determinações, de acordo com o Canal Energia.

Recentemente, a regulamentação das Usinas Híbridas foi aprovada para o funcionamento de Centrais Geradores Híbridas (UGH) e associadas e confirma a importância da inovação no mercado de energias renováveis com o biogás. De acordo com a Aneel, o normativo traz as especificações e regras para a ativação dessas iniciativas e da contratação do uso dos sistemas de transmissão, tal como as formas de tarifa e aplicação de descontos legais no uso do sistema.

EnerDinBo e a usina híbrida
Inaugurada em outubro de 2020, a EnerDinBo é a primeira usina híbrida em grande escala no Brasil com atividade fotovoltaica e biogás de forma conjunta. A distribuição de energia é feita por uma cooperativa parceira do projeto. O biogás é gerado com os dejetos de 40 propriedades e conta com a colaboração dos geradores de energia a biogás para minimizar os impactos ambientais provocados pelo desperdício de passivos orgânicos. 

Usinas híbridas e a descarbonização

A geração híbrida de energia tem sido vista de forma muito positiva devido a visão sobre a pegada de carbono negativo que é implementada desde a concepção do projeto da EnerDinBo. Essas usinas conseguem substituir a geração de energia por fontes térmicas, carvão ou energias nucleares, resultando em um impacto muito otimista, porém o principal aspecto ambiental na descarbonização nas usinas de biogás é pela substituição do fertilizante químico, dado que não é necessário o transporte de fertilizante de outros países e também reduz a emissão provocada pelos navios quando se tem a produção local.

No caso do biometano, há a substituição do diesel – combustível fóssil – para a utilização dos próprios caminhões que fazem as coletas dos resíduos, tal como a EnerDinBo incentiva atualmente. Esse movimento no mercado deixa explícito as oportunidades envolvidas na expansão da iniciativa, seja deste projeto em específico ou de outros grupos.

Sustentabilidade industrial

A partir dessas alternativas, a sustentabilidade ocorre na substituição do fóssil por renovável nos processos industriais. Thiago Gonzalez, diretor da EnerDinBo, revela uma negociação do projeto com outras empresas para a substituição do cavaco de lenha e da produção do eucalipto, para o biogás, uma energia que não é intermitente.

“Nós não dependemos da qualidade da lenha para ter uma estabilidade na produção, a gente tem um processo produtivo muito mais constante industrializando o biometano, que consegue impactar diretamente no ciclo de produtos industriais substituindo os combustíveis fósseis.”

Na intenção de promover a continuidade de desenvolvimento do biogás, o projeto deseja investir em uma unidade semelhante no próximo ano voltada principalmente para a produção de biometano, reitera Gonzalez.

“Seria  em torno de 80% de biometano e 20% de energia elétrica. O nosso turnover foi  bastante positivo. Estamos bastante otimistas com o mercado frente aos aumentos incessantes dos recursos energéticos, de energia elétrica e  veicular.”

Outros modelos de usinas híbridas

A MDC também combina diferentes soluções energéticas em seus projetos. A empresa conta com um portfólio de fontes diversas (biogás, biometano, cogeração com biomassa e gás natural) e que se complementam para oferecer soluções energéticas customizadas sustentáveis e de baixo carbono para os seus clientes, geralmente, indústrias.

Um exemplo desse hibridismo pode ser visto em São Pedro da Aldeia (RJ), onde, desde 2014, a MDC opera uma planta de produção de biometano a partir de biogás de aterro sanitário e que, em 2020, passou também a gerar energia elétrica com o biogás, através de uma parceria.

Além disso, a empresa combina biogás e biomassa em projetos de cogeração, entre outros. Tudo para extrair o máximo potencial de cada projeto, respeitando suas particularidades.

Assuntos do Momento

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil
25 de Janeiro de 2022
Fonte Renovável

Fontes solar e eólica terão mais espaço na geração de energia do Brasil

As informações constam na minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031, que foi colocada em consulta pública nesta segunda-feira (24/01).

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável
26 de Janeiro de 2022
Green Bond

Sicredi faz emissão de Green Bond subordinado de USD 100 mi para financiar projetos de energia renovável

A emissão feita junto ao BID Invest, membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), foi no valor de USD 100 milhões

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos
26 de Janeiro de 2022
Transição

Mudanças no processo de geração de energia causam "inflação verde", que pode se estender por anos

Carla Argenta explicou que estamos em meio à transição energética e que processo não é simples

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo
24 de Janeiro de 2022
Tecnologia

Assinantes de energia solar adotam dispositivo de inteligência artificial para evitar desperdício e reduzir consumo

Tecnologia já é utilizada em várias residências e empresas do Interior de SP e ajuda a reduzir em cerca de 15% consumo de eletricidade

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares
27 de Janeiro de 2022
Investimento

Ministro do MCTI conhece projeto de fábrica brasileira de placas solares

Em audiência, representantes de empresa apresentaram projeto de produção de módulos fotovoltaicos no país, que pode contar com apoio do PADIS

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro
24 de Janeiro de 2022
Biometano

UEMS/Mundo Novo tem projeto de R$ 674 mil aprovado no edital MS Carbono Neutro

O projeto, que será coordenado pelo professor Dr. Leandro Fleck, obteve nota final de 9,70 e garantiu a maior pontuação dentre todas as propostas aprovadas, além disso teve o segundo maior recurso financeiro obtido

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade