Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Seminário

Biogás avança na construção de um marco legal

Seminário promovido pela Frente Parlamentar de Energia Renovável (FER) reúne parlamentares e representantes de associações do setor para falar sobre a importância do biogás e do biometano

Redação
20-Ago-2021 08:23

No mesmo dia em que a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que regulamenta a micro e minigeração distribuída (PL 5829/2019), a Frente Parlamentar de Energia Renovável (FER) promoveu, pela manhã, seminário sobre a importância do biogás e do biometano, lançando as bases para a construção do marco legal do biogás.  O texto que regulamenta a GD foi aprovado por 476 votos a favor, 3 contrários e uma abstenção, e segue para o Senado para avaliar a proposta.

“Hoje, neste dia especial, que começa com o seminário, e se conclui depois, com a aprovação, tenho certeza, do marco regulatório da GD, temos este encontro que vai ser muito produtivo e vai nos colocar desafios adicionais para podermos caminhar, para que o biogás seja uma realidade cada vez maior no território nacional”, disse o vice-presidente da FER, deputado Arnaldo Jardim (Cidadania).

Segundo o presidente da FER, deputado Danilo Forte (PSB), o papel da Frente é exatamente de construir o marco regulatório do biogás. “Hoje, toda economia deve estar voltada e focada para a geração de emprego, que passa pela agroindústria e este casamento perfeito do uso do biogás como elemento para geração de energia. Estamos trabalhando na priorização e construção do marco legal do biogás que poderá ofertar esta alternativa para o setor energético brasileiro”, disse na abertura do evento. 

Para o presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann, o evento foi um sucesso ao reunir representantes de todos os setores em que o biogás se insere. “O biogás é um tema transversal que passa pela energia, pelo saneamento, pela agroindústria, pelos transportes e pela indústria. O êxito do seminário consiste em mostrar que o biogás está na agenda de todos eles”, comemorou.

De acordo com Gardemann, a construção de um marco legal estável e de longo prazo é importantíssio para dar segurança para os investidores, para os consumidores e para a sociedade brasileira. “Vamos colocar metas ambiciosas para aprovar este marco, em um tema que é tão transversal. Eu sempre brinco que o biogás demorou para crescer porque não tinha pai. Contamos agora com a FER para liderar este movimento e aproveitar todo o potencial do nosso pré-sal caipira”, completou.

Para o deputado Sérgio Souza (MDB), presidente da Frente Parlamentar de Agropecuária (FPA), o setor agropecuário está cada vez maior e se envolvendo com diversas questões. “Nós ainda somos carentes em energia, mas temos um potencial enorme, podemos ser autossuficientes e dar ao planeta uma resposta diferenciada. O Brasil sempre foi protagonista em energias renováveis. O etanol e o biodiesel são cases do sucesso. O biogás tem um potencial enorme”, afirmou.

Para Gardemann, o biogás é proporcional à potência que o Brasil tem na agroindústria. “Podemos juntos construir um agro descarbonizado, que não usa combustível fóssil, que substitui a adubação fóssil por biofertilizante. Mas o biogás não é só agro, ele também é saneamento, tratamento e destinação final de resíduo e receitas acessórias, além de proporcionar geração de energia elétrica despachável e descentralizada”, disse.

O presidente da ABiogás lembrou dos desafios que o Brasil está enfrentando na potência despachável e afirmou que o biogás pode ser parte desta solução. “Precisamos de potência despachável renovável. O Brasil fez um trabalho enorme na criação de uma matriz energética renovável. Somos um sucesso na hidráulica, solar e eólica e vamos fazer o mesmo com o biogás. Biogás é gás renovável, é carbono zero, é parte desta visão de futuro de um Brasil com uma economia descarbonizada, exportadora e competitiva, com ganho de eficiência e aumento de recuperação energética ambiental”, disse.

Para o presidente da Cogen (Associação da Indústria de Cogeração de Energia), Newton Duarte, o tema biogás junto à cogeração de energia é fabuloso. “Não poderia deixar de enaltecer este quarto produto que o biogás se tornará para a indústria da cana-de-açúcar, com o biomeanto podendo substituir o diesel em grande escala e proporcionando a geração de energia elétrica descentralizada”, comentou.

Já para o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi, a energia ganhou uma nova externalidade fundamental. “Antes, falávamos só de potência e preço. Agora, precisamos falar também de descarbonização. E quem pode fazer isso tão bem quanto o Brasil? Em termos de renováveis já somos uma potência”, concluiu.

A abertura do seminário, realizado de forma híbrida no Instituto Pensar Agro (IPA), em Brasília, foi feita pelos deputados Danilo Forte, presidente da FER; Sérgio Souza, presidente da FPA; Arnaldo Jardim, vice-presidente da FER; Nilson Leitão, presidente do IPA; e pelo deputado Paulo Ganime (NOVO), presidente da Frente Parlamentar de Bioeconomia.

O primeiro painel teve a participação do presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann, do presidente da Cogen, Newton Duarte e do presidente da Unica, Evandro Gussi.

A segunda mesa contou as presenças do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone; do secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Paulo César Domingues; do gerente geral de Etanol do MME, Marlon Arraes; da coordenadora-geral de implementação e fiscalização de regimes automotivos do Ministério da Economia, Margarete Gandini; do coordenador geral de agregação de valor do Ministério da Agricultura, Gustavo Goretti; do secretário da Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, André França;  do diretor da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral; e do consultor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Paulo Cunha.

Assuntos do Momento

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica
24 de Setembro de 2021
Bioenergia

Maior produtor do país na área, RN vai estocar energia eólica

Empresa EV Brasil assinou protocolo com governo do estado para instalar primeiro projeto do tipo no país, nesta terça-feira (21). Investimento inicial é de R$ 12,5 milhões.

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira
24 de Setembro de 2021
Compromisso

Na ONU, Bolsonaro destaca compromisso com transição energética e matriz brasileira

Presidente citou compromisso com dois pactos, um para reduzir emissões de carbono e outro para financiar o setor de hidrogênio, e disse que país é destaque na implementação de soluções energéticas sustentáveis

Alta do gás pode abalar transição verde na UE
23 de Setembro de 2021
Meio Ambiente

Alta do gás pode abalar transição verde na UE

Há o temor de que a crise energética tenha impacto sobre a crença no investimento em fontes mais limpas

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica
24 de Setembro de 2021
Alternativa

Água da louça para regar plantação: ciência dá alternativas para agricultura sobreviver com seca e crise hídrica

Bioágua é feita a partir da filtragem das chamadas águas cinzas. Combinação entre diferentes fontes é a solução para pesquisadores, que também apostam no uso da água subterrânea.

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia
24 de Setembro de 2021
Certificado

BRF conquista certificado de Zero Waste para fábrica de perus na Turquia

Documento atesta conformidade da Companhia ao Regulamento turco de Resíduos Zero

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023
24 de Setembro de 2021
Biocombustível

Alemanha deve acabar com uso de óleo de palma em biocombustíveis a partir de 2023

Matéria-prima foi classificada pelo bloco como fator que resulta em desmatamento excessivo e não pode mais ser considerada um combustível renovável para transporte.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade