Guia Gessulli
AveSui Biocombustível Bioenergia Biomassa América Latina Comentário B&B Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Geral Insumos Meio Ambiente Pesquisa e Desenvolvimento Sustentabilidade Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Reciclagem Animal

Biodiesel de sebo

Biodiesel Revista
18-Ago-2011 09:50 - Atualizado em 20/04/2016 14:41

A gordura animal tem sido o patinho feio na história do biodiesel brasileiro. Isso porque até o momento o insumo não recebeu nem de perto a atenção que merece. O governo federal, por exemplo, deixou a matéria-prima em segundo plano no Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Porém, como na história infantil, com o decorrer do tempo o patinho que parecia fadado a permanecer um personagem secundário deve se tornar figura central na produção do combustível no Brasil.

Os hiatos do programa governamental nesse tema são muitos. O primeiro e mais importante é a falta de incentivo fiscal para o produtor. Quem produz biodiesel a partir de óleo vegetal pode receber benefícios importantes se completar os requisitos exigidos pelo governo. Já quem aposta na produção do combustível a partir de matéria-prima animal não conta com essas facilidades e precisa, por exemplo, pagar normalmente PIS/COFINS. Só esses dois impostos representam um adicional de R$ 0,22 no preço por litro de combustível ao final do processo - o que é, obviamente, uma desvantagem comercial significativa para o produtor. "O programa do governo tem falhas de planejamento e as gorduras animais são uma delas", opina Cláudio Bellaver, pesquisador de nutrição e resíduos animais da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Apesar do descaso federal pela matéria-prima, os especialistas acreditam que a gordura animal vai ter uma fatia importante do mercado de biodiesel, além de poder se transformar no elemento-chave para se produzir combustível renovável de origem biológica. "Quem sabe agora se entenda que os insumos de origem animal podem ser a salvação do biodiesel no Brasil", diz Bellaver.

Com o óleo de soja a R$ 2,00, não há como vender biodiesel a R$1,90. Isso sem considerar os R$0,50 por litro relativos ao custo de fabricação, o que resulta em um preço final de R$ 2,50 para o biodiesel produzido com a oleaginosa. "Mais de 90% dos óleos vegetais produzidos no Brasil vêm da soja e o mercado dessa commodity encontra-se em alta", explica o pesquisador Renato Roscoe, mestre em agronomia pela Universidade Federal de Lavras e doutor em Ciências Ambientais pela Wageningen University and Research Centre, na Holanda. "Por isso, a busca por gorduras animais tende a aumentar." Os custos do sebo de origem bovina e de outras matérias graxas animais são tradicionalmente mais baratos do que os vegetais. Conclusão? "Se mudarmos os preços das matérias-primas, muda a história", arremata.

AveSui2021_dentro

O crescimento da procura pelo sebo para a produção de combustíveis foi um impulso extra para os pecuaristas - que tiveram a chance de somar ao preço final dos negócios algo que muitas vezes chegava a ser considerado um mero rejeito. "Até meados de 2006, o sebo vinha sendo comercializado a valores em torno de R$ 550,00 a tonelada. Ao final daquele ano, as cotações haviam dobrado e os preços permanecem em alta até hoje", diz Roscoe.

Mesmo com a elevação do custo, a diferença de valores ainda é significativa em favor da gordura animal. "Historicamente, o sebo tem um preço menor que os óleos vegetais", afirma César Abreu, diretor industrial da Bertin Biodiesel. A indústria, instalada em Lins, no interior de São Paulo, afirma ter a maior capacidade instalada do mundo para produção de biodiesel de origem bovina.

Abreu, porém, alerta que nem tudo são flores. O sebo bovino é mais barato, mas exige um tratamento diferenciado, o que pode equilibrar os valores em relação ao material de origem vegetal. "É uma matéria-prima que tem particularidades quanto a recebimento, tratamento e manuseio. Uma usina que está preparada para trabalhar somente com óleos vegetais certamente terá problemas ao utilizar o sebo, pois é uma gordura sólida em temperatura ambiente, diferente da maioria dos óleos vegetais", afirma. Para ele, a relação custo/benefício é melhor quando se usa o sebo, mas o investimento em instalação industrial nesse caso é superior - o que pode deixar o jogo empatado entre os dois lados.

Assuntos do Momento

Avança a cooperação técnica entre a Castrolanda e as Nações Unidas
14 de Janeiro de 2021
Energia limpa

Avança a cooperação técnica entre a Castrolanda e as Nações Unidas

Cooperativa, através do Setor de Energia, tem buscado alternativas sustentáveis com relação ao desenvolvimento do biogás em suas regiões de atuação.

Governo vai lançar plano para incentivar fontes alternativas de energia no campo
18 de Janeiro de 2021
Incentivo

Governo vai lançar plano para incentivar fontes alternativas de energia no campo

Uso do biogás e energia solar serão estimulados para reduzir passivo ambiental e custos dos produtores

AveSui2021_dentro
Nordex fecha venda de turbinas para parque eólico da Statkraft no Brasil
14 de Janeiro de 2021
Energia eólica

Nordex fecha venda de turbinas para parque eólico da Statkraft no Brasil

A Nordex disse que o negócio fechado junto à Statkraft envolverá turbinas eólicas de seu modelo N163/5.X que somarão capacidade total de 518,7 megawatts.

Siemens Gamesa e Siemens Energy inauguram uma nova era de produção offshore de hidrogênio verde
14 de Janeiro de 2021
Hidrogênio Verde

Siemens Gamesa e Siemens Energy inauguram uma nova era de produção offshore de hidrogênio verde

Iniciativa representa um passo importante para desenvolver um sistema em escala industrial capaz de produzir hidrogênio verde a partir de ventos offshore

ENGIE inicia implantação de Conjunto Eólico no Rio Grande do Norte
18 de Janeiro de 2021
Eólica

ENGIE inicia implantação de Conjunto Eólico no Rio Grande do Norte

O Conjunto Eólico Santo Agostinho tem investimento previsto da ordem de R$ 2,2 bilhões

Estudantes brasileiros desenvolvem app voltado à redução de emissão de carbono
18 de Janeiro de 2021
Inovação

Estudantes brasileiros desenvolvem app voltado à redução de emissão de carbono

Tecnologia brasileira é uma das finalistas do desafio Nasa Space Apps Challenge, competição da agência espacial americana para tecnologia e inovação

Mais assuntos do momento